PANDEMIA

Maia diz não ter 'dúvida nenhuma' de que Pazuello cometeu crime

Publicado em: 25/01/2021 21:54

 (Foto: Luís Macedo/Câmara dos Deputados )
Foto: Luís Macedo/Câmara dos Deputados
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender que seja aberta uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde para apurar as ações do Ministério da Saúde e do ministro Eduardo Pazuello no âmbito da pandemia da Covid-19. O parlamentar diz não ter dúvidas de que o general cometeu crime no enfrentamento da crise sanitária.

"Em relação ao ministro, eu não tenho dúvida nenhuma que já tem crime. Pelo menos o ministro da Saúde já cometeu crime. Eu não tenho dúvida nenhuma. A irresponsabilidade dele de tratamento precoce; a irresponsabilidade dele de não ter respondido a Pfizer; a irresponsabilidade de não ter, como ministro da Saúde, se aliado ao Butantan para acelerar a produção daquela vacina, e não apenas a da Fiocruz. Tudo isso caracteriza crise e a PGR está investigando", disse.

Maia já havia defendido uma CPI na semana passada. Na ocasião, ele disse que a criação de uma CPI é algo "inevitável".

"Se comprovado que o ministério não respondeu à Pfizer, é crime contra a população brasileira. Não ter respondido a Pfizer, ter tratado de forma irrelevante o alerta da Pfizer, para mim, é crime. Só que os crimes precisam ser investigados, por isso eu defendo que a Câmara possa avançar numa CPI, e essa CPI possa esclarecer tudo para que a gente possa ter argumentos de quem são as responsabilidades sobre essa questão mais grave de todas", disse nesta segunda-feira (25).

Críticas à Pfizer

No último sábado, o Ministério da Saúde divulgou uma nota na qual o governo fez duras críticas à Pfizer, empresa que desenvolveu e comercializa uma das vacinas contra a Covid-19. Diversos países adotam o imunizante, como os EUA, e alguns da Europa, como o Reino Unido. Para Maia, a postura do governo em relação à empresa é criminosa.

Nesta mesma nota, o ministério admite que recusou tentativas iniciais da empresa de avançar das tratativas sobre oferta de imunizantes.

Sobre tratamento precoce, Maia se refere às orientações do Ministério de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19 no tratamento precoce da doença. Na semana em que o sistema de Saúde de Manaus entrou em colapso, Pazuello lançou um aplicativo chamado "TrateGov", que recomendava o tratamento precoce com a prescrição de medicamentos, como a cloroquina e ivermectina, para pacientes com sintomas da Covid-19.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Mais lidas

Últimas