MÚSICA

Festival recifense Coquetel Molotov está entre os 7 selecionados pelo Programa Pontes

Publicado em: 27/11/2020 17:22

O selo recebe o aporte financeiro de R$ 60 mil, com o compromisso de incluir residências de criadores britânicos em sua programação e promover o intercâmbio cultural  (Foto: Coquetel Molotov/Divulgação
)
O selo recebe o aporte financeiro de R$ 60 mil, com o compromisso de incluir residências de criadores britânicos em sua programação e promover o intercâmbio cultural (Foto: Coquetel Molotov/Divulgação )

O festival recifense No Ar Coquetel Molotov foi selecionado pela 3ª edição do  Programa Pontes, edital de fomento a projetos culturais com foco na internacionalização de festivais artísticos de todo o Brasil promovido pelo Oi Futuro e o British Council. Com isso, o selo recebe o aporte financeiro de R$ 60 mil, com o compromisso de incluir residências de criadores britânicos em sua programação e promover o intercâmbio cultural.

Além de Pernambuco, o edital contempla outras iniciativas de seis estados brasileiros: Porto Alegre em Cena (RS), Festival Internacional de Teatro de Guajará-Mirim - FESTINAÇU (RO), Festival Caleidoscópio – Nova Iguaçú (RJ), Festival Frente Feminina (DF), Festival LabVerde – Manaus (AM) e Disputa Nervosa (MG). O objetivo do Programa Pontes é contribuir para a construção de redes colaborativas e desenvolvimento de ferramentas potentes de enfrentamento dos impactos da Covid-19. 

Os sete festivais selecionados vão receber artistas do Reino Unido para uma residência cocriativa de no mínimo duas semanas, trazendo trabalhos artísticos originais, oportunidades de troca com artistas locais e apresentações para o público do evento. O Coquetel Molotov contará com a participação da artista londrina Sasha Perera (Perera Elsewhere), que irá compartilhar seus conhecimentos de mixagem, captação de sons e criação de samples com músicos e produtores musicais em um processo imersivo de criação coletiva.

Este ano, o programa vai viabilizar também a participação do rapper britânico Mohammed Yahya no Festival Caleidoscópio, na Baixada Fluminense, em que fará uma oficina de rap e roda de conversa; atividades do coletivo britânico de arte e tecnologia Invisible Flocks na programação do Festival LabVerde; e a ações da dramaturga britânica Marissa Lestrade no Festival Frente Feminina, que tem como foco o protagonismo das mulheres nas artes performáticas. 

"Com a terceira edição do Programa Pontes, o Oi Futuro busca apoiar e estimular os festivais brasileiros neste momento de virada digital, em que projetos culturais de todo o país procuram se reinventar, explorando novas estratégias criativas e alcançando novos públicos", diz Roberto Guimarães, gerente executivo de cultural do Oi Futuro. "Neste contexto de pandemia, os festivais exercem um papel potente na construção de um presente com mais arte, inclusão e diversidade, que é o propósito do instituto", completa.

A gerente sênior de programas de artes e economia criativa do British Council no Brasil, Cristina Becker, destaca o papel da juventude na construção de novos padrões para a socidade. "As respostas foram além de nossas expectativas, refletindo intensa diversidade, criatividade, coragem e resiliência. Em tempos desafiadores, estaremos focados no que funciona com a certeza de que esses novos modelos nos ajudarão a fazer escolhas significativas para a construção de um futuro melhor para todos nós".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Mais lidas

Últimas