ELEIÇÕES

Suprema Corte do Wisconsin ordena realização de primárias na terça

Por: AFP

Publicado em: 06/04/2020 21:57

Em uma votação por 4 a 2, o tribunal anulou o decreto de Tony Evers, transferindo as eleições para junho (Foto: Reprodução/Facebook)
Em uma votação por 4 a 2, o tribunal anulou o decreto de Tony Evers, transferindo as eleições para junho (Foto: Reprodução/Facebook)
A Suprema Corte de Wisconsin, nos EUA, bloqueou nesta segunda-feira (6) uma tentativa de última hora do governador deste estado americano de adiar as eleições de terça, deixando livre a realização das primárias presidenciais e atos de campanha locais. 

Em uma votação por 4 a 2, o tribunal anulou o decreto de Tony Evers, transferindo as eleições para junho "para proteger o povo de Wisconsin e conter a disseminação da Covid-19".

A corte declarou que o governante não tem autoridade para tomar a decisão unilateralmente.

O democrata Evers ordenou a medida depois que o legislativo, de maioria republicana, ignorou seus apelos para adiar a votação. Em seguida, os republicanos recorreram do decreto à Suprema Corte. 

Os quatro juízes conservadores votaram pela anulação da ordem, enquanto os outros dois progressistas escolheram mantê-la.

O gabinete do governador não emitiu resposta imediata, mas Ben Wikler, presidente do Partido Democrata do Wisconsin, condenou a decisão.

Wikler disse que sua legenda não mobilizaria seus eleitores e pediu à sigla republicana que fizesse o mesmo. 

O confronto se explica porque as eleições de 7 de abril não incluem apenas a votação dos candidatos presidenciais , mas também de centenas de cargos como prefeitos, juízes, entre outros. 

Wisconsin é uma grande arena política para as presidenciais de 3 de novembro. 

Em 2016, o estado surpreendeu ao eleger o republicano Donald Trump para a Casa Branca, depois de votar duas vezes em seu antecessor, o democrata Barack Obama.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Mais lidas

Últimas