Mobilidade Motoristas ainda com dúvidas no primeiro dia de Zona Azul Digital

Publicado em: 01/07/2019 17:27 Atualizado em: 01/07/2019 17:35

Foto: Peu Ricardo
Foto: Peu Ricardo
No primeiro dia de uso do Zona Azul Digital, nesta segunda-feira (1), a principal queixa dos motoristas era quanto à ativação do aplicativo nos celulares. Segundo a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), basta o usuário acessar a loja, clicar em atualizar o aplicativo e o serviço passa a funcionar normalmente. Outra dúvida comum foi quanto à necessidade de marcar o nome da rua onde o motorista vai estacionar. Em alguns pontos cadastrados para venda do cartão digital, que é uma alternativa ao aplicativo, as máquinas necessárias para fazer a venda ainda não tinham chegado. A entrega é feita por uma empresa que ganhou a licitação para coordenar a implantação do Zona Azul Digital.

Mariana Santos, 30 anos, baixou o aplicativo, mas não sabia se precisava marcar o nome da rua onde encontrou a vaga. Segundo a CTTU, a opção não é obrigatória. Basta ativar a vaga e a hora. O médico Diogo Siqueira, 31, estacionou em uma vaga na Rua Marquês de Olinda, no Bairro do Recife, mas preferiu usar o velho talão de papel, que vale até 31 de julho. “Eu fui baixar o aplicativo, mas vi que precisava compartilhar os dados com empresas de marketing e eu desisti. A solução é procurar outras vagas, que não precisam de Zona Azul”, disse. A CTTU, no entanto, informou que essa opção também não é obrigatória.

Outra dúvida foi quanto à mudança de vaga de estacionamento. Por exemplo, se o usuário está em uma vaga de cinco horas, o prazo ainda não venceu, e ele deseja colocar em outra vaga, é possível sem precisar pagar mais por isso. Assim como já acontece com o papel.

Na Rua do Bom Jesus, a cena mais comum eram veículos sem a tradicional folha de Zona Azul, o que indicava a migração para o sistema digital. A fiscalização é feita exclusivamente com aparelhos eletrônicos pelos agentes de trânsito. Quem não está gostando da novidade são os flanelinhas. Edson da Silva, 59, disse que vive da venda de Zona Azul e agora não sabe mais o que fazer. “Agora é morrer de fome”, lamentou. Ele vende até cinco talões por dia.

Nadja Santana, cadastrada para vender o cartão digital, disse que vendeu os talões que ainda lhe restam em papel porque a máquina não havia chegado até o final da manhã. Por cada um vendido, ela ganha R$ 0,30. A partir de 1º agosto, a ativação da vaga será exclusivamente por meio do pagamento no formato digital.

Os idosos residentes no Recife, que têm direito a 20 vagas de Zona Azul gratuitas por mês, continuarão a receber os cartões digitais gratuitos presencialmente na sede da Autarquia, que é realizado conforme agendamento no site cttu.recife.pe.gov.br. Para aqueles idosos que tiverem o aplicativo instalado no smartphone, será fornecido um código de gratuidade para carregamento dos cartões no aplicativo. No caso dos idosos que não utilizarem o aplicativo, será fornecido um código QR impresso para apresentação nos pontos de venda. Na ocasião, o idoso deverá apresentar o documento da credencial de estacionamento especial emitido pela CTTU, um documento de identificação com foto e a CRLV de um veículo, pois a gratuidade das vagas de Zona Azul é fornecida apenas para uma placa.

O Recife tem mais de 3.200 vagas rotativas implantadas nos bairros do Recife, São José, Santo Antônio, Boa Vista, Madalena, Encruzilhada, Casa Amarela, Casa Forte e Boa Viagem. A maioria das vagas funciona das 8h às 18h, de segunda a sexta-feira, e das 8h às 12h, aos sábados. A multa para quem estaciona de forma irregular é de R$ 195,23 mais cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas