144 toneladas Túnel que desabou no Rio foi atingido por toneladas de lixo de mansão

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 28/06/2019 14:21 Atualizado em:

 Foto: Richard Santos/Prefeitura do Rio
Foto: Richard Santos/Prefeitura do Rio
Uma tradicional família do Rio de Janeiro, os Amaral, é apontada por vizinhos como proprietária da mansão de onde foi despejado o lixo que provocou o deslizamento de túnel na zona Sul da Cidade.
Procurados desde a tarde desta quinta-feira (27), os representantes legais da família afirmam ter dificuldades para localizar seus clientes. 
 
Segundo a Prefeitura, foram despejadas 144 toneladas de lixo na encosta do túnel Acústico Rafael Mascarenhas, causando "dano sem precedentes à mobilidade urbana no eixo Zona Sul-Barra".
 
A reportagem apurou que a casa pertence aos herdeiros de uma antiga rede supermercados. Muito popular na década de 80, o Disco tinha lojas por toda a cidade. Procurado desde a tarde desta quinta-feira, diretamente pela reportagem e por intermédio de seus representantes legais, o empresário Francisco Amaral não se manifestou.
 
Na tarde da quinta, a Prefeitura do Rio informou que irá multar, em cerca de R$ 3,3 milhões, o proprietário do imóvel do Jardim Pernambuco em decorrência do desabamento que causou a queda da estrutura do túnel no último dia 17 de maio. 
 
"A encosta deslizou por conta de descarte irregular de lixo por parte do proprietário da casa, em uma das áreas mais nobres da cidade", diz a nota divulgada pela Prefeitura.
 
"Foram encontrados, entre outras coisas, guaritas, pneus, eletrodomésticos e móveis. A multa, que será do valor da obra realizada no local, de cerca de R$ 3 milhões, sera aplicada na próxima semana. 
 
Localizada em área nobre, a casa tem heliponto e piscina olímpica. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas