migração Presa em Lampedusa capitã do navio humanitário Sea Watch

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 29/06/2019 09:23 Atualizado em:

Foto: Anaelle LE BOUEDEC / AFP / LOCALTEAM
Foto: Anaelle LE BOUEDEC / AFP / LOCALTEAM
O navio humanitário Sea Watch, com 40 emigrantes resgatados no Mediterrâneo, forçou a entrada neste sábado no porto italiano de Lampedusa e sua capitã, Carola Rackete, foi imediatamente detida.

"Esperávamos uma solução que não foi definida. Por este motivo tomei pessoalmente a decisão de entrar no porto", declarou a capitã em um vídeo publicado nas redes sociais.

Rackete "acaba de ser detida", anunciara Ruben Neugebauer, porta-voz do Sea Watch, na madrugada deste sábado.

O porta-voz acrescentou que os 40 emigrantes permanecem a bordo do navio, já atracado no cais.

O diretor da ONG, Johannes Bayer, escreveu no Twitter que "estamos orgulhosos da nossa capitã, que fez o era necessário, insistiu no direito marítimo e colocou estas pessoas em um ambiente seguro".

Rackete havia ignorado o bloqueio do seu navio nas águas territoriais italianas imposto pelo ministro do Interior, Matteo Salvini, de extrema-direita.

O próprio Salvini solicitou publicamente a prisão de Rackete e do restante da tripulação do Sea Watch por ajudar a imigração clandestina, assim como o sequestro do navio.

Inicialmente, a polícia marítima ordenou que o navio detivesse seu progresso quando se encontrava a uma milha náutica do porto.

"Não quero substituir o Poder Judiciário, que é responsável pela aplicação das leis. Mas as leis existe, queiramos ou não", afirmou o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, na reunião do G20 em Osaka (Japão). 

"Missão cumprida", declarou o ministro italiano do Interior, Matteo Salvini. 

"Capitã fora da lei detida, navio pirata sequestrado, multa máxima para a ONG estrangeira", tuitou, antes de expressar "vergonha ante o silêncio do governo da Holanda".

Durante a sexta-feira, Rackete manteve contato permanente de vídeo com jornalistas em Roma, quando denunciou uma situação "incrivelmente tensa" a bordo do Sea Watch, repleto de emigrantes.

A capitã contou que a maioria dos migrantes resgatados são vítimas de traumas, que sofreram abusos e violências e que estão muito angustiados por seu destino.

Um migrante de 19 anos com fortes dores e seu irmão pequeno foram retirados do barco na quinta-feira.

Os demais 40 dormiam na coberta do navio, sobre salva-vidas infláveis e sob barracas improvisadas para se proteger da onda de calor que atinge toda Europa. 

O Sea-Watch, com bandeira holandesa, resgatou em 12 de junho um grupo de 53 migrantes que se encontravam à deriva em um bote inflável em frente à costa da Líbia. 

As pessoas mais vulneráveis foram retiradas, mas Salvini proibiu a entrada em águas italianas.

Na quarta-feira, depois mais de duas semanas no mar, Rackete decidiu que não haveria outro remédio a não ser violar a proibição e salvar os 42 migrantes restantes. 

Há um ano, Salvini ordenou o bloqueio dos portos para conter o fluxo de imigrantes em situação irregular na costa da Itália.

A Procuradoria de Agrigento, na Sicília, abriu uma investigação contra a capitã por tráfico ilegal de seres humanos e a notificação foi entregue pessoalmente na sexta-feira por agentes da Guarda de Finanças, que na véspera haviam revistado toda a embarcação.

"Violamos a lei porque a Líbia não é um porto seguro para desembarcá-los, porque lá estão em guerra. Estou segura de que a justiça italiana reconhecerá que a segurança das pessoas é mais importante que as fronteiras nacionais", explicou a capitã.   

Salvini exige que os emigrantes sejam levados para a Holanda, bandeira do Sea Watch, ou para a Alemanha, sede da organização humanitária.

O líder da Liga acusou paradoxalmente a organização alemã de "fazer política" com a vida dos emigrantes.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas