denúncias PF reforça suspeita de que laranjas do PSL e gráficas simularam gasto eleitoral

Por: Agência Estado

Publicado em: 28/06/2019 10:53 Atualizado em:

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência Brasil
A suspeita de que o gasto eleitoral de candidatas do PSL de Minas Gerais em gráficas não tenha passado de simulação foi um dos elementos que reforçaram o pedido e a autorização das prisões e buscas realizadas pela Polícia Federal em Brasília e Minas Gerais nesta quinta-feira (27).

Na primeira fase da operação, em abril, os policiais federais foram a seis endereços em Minas, mas em praticamente nenhum deles encontrou indícios de que tenha havido efetiva prestação de serviço para as candidatas investigadas, conforme revelou o jornal Folha de S.Paulo.

Nesta quinta a PF prendeu, com autorização da Justiça, um assessor especial do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e dois ex-assessores que chefiaram sua campanha no Vale do Aço, em Minas.

A investigação da PF começou após a Folha de S.Paulo revelar, em fevereiro, que Álvaro Antônio patrocinou esquema de candidaturas laranjas do PSL no estado -apesar de quatro delas terem recebido R$ 279 mil de verbas da sigla, tiveram pouco mais de 2.000 votos, claro indicativo de que não houve campanha real.

Parte desse dinheiro voltou para empresas ligadas ao gabinete do hoje ministro de Jair Bolsonaro (PSL).

Na busca e apreensão de abril, os dirigentes das gráficas que teriam prestado serviço para essas candidatas não apresentaram provas desse trabalho. Em uma delas, por exemplo, a PF encontrou ordens de serviço relativas a 2012, mas nenhum sinal dos supostos trabalho prestado em 2018 para o PSL.

Na ocasião, o delegado responsável pelas apurações, Marinho Rezende, afirmou haver indícios concretos de que as candidatas mentiram na prestação de contas apresentada à Justiça.

As gráficas indicaram como interlocutor no PSL Mateus Von Rondon, o assessor especial de Álvaro Antônio preso nesta quinta. Levado para a superintendência da PF na capital federal, ele prestou depoimento por mais de três horas.

A apuração em Minas se refere aos crimes de caixa dois eleitoral e de apropriação indevida de dinheiro de campanha, com pena de até cinco ou seis anos de prisão, respectivamente.

Segundo o TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais(, a decisão do juiz Renan Chaves Machado, da 26ª Zona Eleitoral, não será divulgada por estar sob segredo de Justiça.

O Ministério do Turismo disse em nota que a investigação contra Von Rondon não guarda relação com sua atividade na pasta e que aguarda mais informações para se pronunciar. Álvaro Antônio sempre negou participação em irregularidades.

O PSL nacional -comandado por Luciano Bivar, também suspeito de replicar o mesmo esquema em Pernambuco- divulgou nota dizendo que as investigações são seletivas, visando atingir o partido do presidente da República.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas