Balanço Leilão de energia nova A-4 concentra compras na fonte solar

Por: Agência Estado

Publicado em: 28/06/2019 18:57 Atualizado em:

Foto: Marcello Casal/Agência Brasil (Foto: Marcello Casal/Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal/Agência Brasil
O leilão de energia nova A-4, realizado nesta manhã de sexta-feira (28) e que contratou 81,1 MW médios de energia para início de suprimento em 2023, viabilizou projetos que somam 401 MW de potência, dos quais 50,7% se referem à fonte solar, seguida por eólica, com 23,7%, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), com 20,25% do total, e biomassa, com 5,33%.

O diretor de Estudos de Energia Elétrica da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Erik Rego, explicou que a decisão de alocação de fontes se deu observando questões do ponto de vista energético e elétrico, como sinal locacional, e externalidades, como a geração de empregos.

Ele afastou a ideia de que como algumas fontes estão comercializando energia a preços abaixo dos R$ 100/Mwh isso poderia desestimular a ampliação da capacidade instalada de fontes mais caras, como a nuclear. "Não pode fazer avaliação só com base no preço final... Quando se avalia portfólio, não é só pelo atributo final, mas do ponto de vista energético e elétrico e externalidades", disse.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas