viagem presidencial G20 no Japão: Bolsonaro é alvo de duras críticas

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 28/06/2019 07:25 Atualizado em:

Jair Bolsonaro atende apoiadores brasileiros em Osaka: irritação com jornalistas e resposta ríspida para chanceler da Alemanha. Foto: Alan Santos / PR
Jair Bolsonaro atende apoiadores brasileiros em Osaka: irritação com jornalistas e resposta ríspida para chanceler da Alemanha. Foto: Alan Santos / PR
Sob uma temperatura de 28°C em Osaka, no Japão, o presidente Jair Bolsonaro iniciou em clima quente a primeira participação dele na cúpula do G20, integrada pelos países de maior economia do mundo. As políticas públicas do governo brasileiro para o meio ambiente provocaram mal-estar entre o chefe do Planalto e a chanceler alemã Angela Merkel e fizeram com que o país também fosse duramente criticado pelo presidente da França, Emmanuel Macron. O dirigente europeu afirmou que não assinaria um acordo com o Mercosul se Bolsonaro concretizasse a intenção de retirar o Brasil do Acordo de Paris sobre o clima. Como resultado da saia justa, a reunião do chefe do Planalto com Macron, prevista para esta sexta-feira (28/6), acabou cancelada.

O primeiro dia de Bolsonaro em solo asiático foi marcado por irritação e por uma resposta incisiva a Merkel. A primeira-ministra disse desejar ter uma conversa clara com o brasileiro, na reunião em Osaka, sobre desmatamento. O presidente rebateu: “Nós temos exemplo para dar para a Alemanha sobre o meio ambiente. A indústria deles continua sendo de carvão, e a nossa, não. Eles têm muito a aprender conosco”, afirmou o capitão reformado ao chegar ao hotel St. Regis, no centro de Osaka, onde ficará hospedado pelos próximos três dias. “O presidente do Brasil que está aqui não é como os anteriores, que vieram aqui (G20) para serem advertidos. A situação aqui é de respeito para com o Brasil”, frisou. Ele não se referiu a uma situação específica de advertências anteriores.

Bolsonaro, entretanto, disse que é preciso avaliar o que Merkel falou e aproveitou para criticar a imprensa. “Eu vi o que está escrito, mas, lamentavelmente, o que a imprensa escreve não é aquilo…” Nesse momento, um dos jornalistas disse que a declaração da chanceler foi publicada pela imprensa alemã. “Não interessa se é alemã, e deixa completar o raciocínio, faz favor. Então, tem de fazer a filtragem para não deixar se contaminar pela mídia escrita.”

Heleno
A declaração de Merkel teria sido uma resposta a ONGs e parlamentares alemães ligados às causas ambientais sobre acordos de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul, mesmo com decisões controversas do governo brasileiro sobre o tema. Ela disse que não poderia frear as negociações, mas que falaria com o presidente do Brasil sobre a questão.

Logo depois de Bolsonaro, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, afirmou que o Brasil não se mete em assuntos de outros países e, assim, não é razoável que outras nações se envolvam em temas internos brasileiros. “O Brasil é um dos países que mais respeitam o meio ambiente. Ninguém tem moral para falar da política de meio ambiente no Brasil”, destacou. “Temos de ter uma política que nos interesse, o famoso desenvolvimento sustentável. Ninguém pode dar palpite. Quais as florestas que o europeu preservou? Por trás tem uma estratégia de preservar o meio ambiente para depois eles explorarem, e hoje estão cheios de ONGs por trás deles.”

Durante a rápida coletiva, Bolsonaro não deu detalhes sobre o encontro bilateral que terá com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, previsto para ocorrer na tarde desta sexta-feira (madrugada no Brasil). “Espero ter uma reunião reservada. E se é reservada é reservada.” Como pano de fundo da cúpula do G20, que ocorre nesta sexta-feira (28/6) e sábado (29/6), está a disputa comercial entre chineses e norte-americanos, com denúncias de espionagem e “terrorismo econômico”. “O Brasil não tem lado na questão comercial, a gente não quer que haja briga para a gente se aproveitar. Nós queremos a paz.”

O deputado Eduardo Bolsonaro, que está na comitiva e é presidente da Comissão de Relações Exteriores, ressaltou que o Brasil tem um governo democrático. “É um governo aberto. Assim, os debates realmente ocorrem, mas a decisão final é do presidente.” Segundo ele, existem vários argumentos para todos os lados. “A China é o nosso maior parceiro internacional, não podemos virar as costas, mas, ao mesmo tempo, não podemos vender tudo para eles, porque poderíamos ficar na mão de outros países, isso não é bom. No final das contas, o governo tem uma voz só, que é a do presidente Bolsonaro.”

Drogas
Bolsonaro encerrou a entrevista sem comentar a apreensão de cocaína com um segundo sargento no avião da Força Aérea Brasileira (FAB) de apoio à comitiva presidencial. O militar foi preso em Sevilha — uma das paradas previstas inicialmente — pela polícia espanhola. O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse que o governo está tomando todas as medidas com o objetivo de fornecer dados para que as autoridades tomem as providências legais.

“O presidente, o Ministério da Defesa e o Comando da Força Aérea não admitem, em hipótese nenhuma, procedimentos desse tipo em relação aos seus recursos humanos”, frisou Rêgo Barros. “Isso deve ser rapidamente apurado, e a pessoa, punida dentro dos trâmites legais.” As falhas na segurança, segundo o porta-voz, estão sendo verificadas a partir de inquérito policial militar sob responsabilidade da FAB. “Todas as malas são fiscalizadas. Esse sargento era da comissaria, ele entra muito antes. Mas espera-se que esses eventos não ocorram”, emendou Heleno, que considerou “uma falta de sorte” o episódio ter ocorrido no momento do G20.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas