posicionamento Fitch: crescimento do Brasil preocupa e contas fiscais seguem bastante fracas

Por: AE

Publicado em: 27/06/2019 15:23 Atualizado em:

Foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press
Foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press
O diretor executivo da Fitch Ratings, Rafael Guedes, destacou em apresentação nesta quinta-feira (27), que o crescimento econômico do Brasil ainda é fator de preocupação e as contas fiscais do País seguem "bastante fracas" e muito piores que as de outros emergentes. O déficit nominal, que inclui o pagamento de juros, está na casa dos 8% do Produto Interno Bruto (PIB), o triplo dos pares do Brasil, afirmou em abertura de evento da Fitch na capital paulista. Na média, estes mercados têm déficit ao redor de 2,7%. 
 
A dívida bruta em relação ao PIB deve chegar a 80%, também acima dos pares, disse Guedes. Pelo lado positivo, as contas externas brasileiras estão melhores que as de outros emergentes. 

A Fitch, ressaltou Guedes, recentemente reduziu a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2019, de 2,2% para 1%, e em 2020, de 2,7% para 2,1%. "O crescimento potencial do Brasil é mais baixo que o de outros emergentes."

Ao falar da economia mundial, Guedes disse que este ano houve mais melhoras de ratings soberanos do que rebaixamentos. "Mas o número de países com perspectiva negativa da nota é maior que os com perspectiva positiva", completou. Isso sinaliza que rebaixamentos podem estar a caminho. Na América Latina, somente 35% dos países da região são classificados como grau de investimento, o grupo mais seleto, que o Brasil deixou de fazer parte em 2015.
 
Guedes observou que o crescimento mundial está em desaceleração, o que deve levar os bancos centrais dos países desenvolvidos, sobretudo na zona do euro, a adotarem estímulos monetários adicionais.  


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas