G20 Após chegada tensa ao Japão, Bolsonaro deixa G20 comemorando acordo com a UE

Por: Folha Press

Publicado em: 29/06/2019 12:52 Atualizado em:

Foto: Charly TRIBALLEAU / AFP
Foto: Charly TRIBALLEAU / AFP
Após desembarcar no Japão com o discurso de que o Brasil não aceitaria ser advertido por outros países no G20, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez concessões durante sua participação no evento e deixou Osaka com sentimento de missão cumprida ao ver Mercosul e União Europeia chegarem a um consenso sobre o acordo de livre-comércio, anunciado em Bruxelas.

Na tarde de quinta-feira (27), o desembarque foi turbulento: um militar integrante da equipe de apoio à comitiva presidencial havia sido preso na Espanha com 39 kg de cocaína e líderes europeus o cobravam por sua política ambiental, um dos principais temas da cúpula.

Aliado de primeira ordem, o general Augusto Heleno (GSI), comentou na ocasião que se tratava de "falta de sorte" a coincidência da prisão do sargento Manoel Silva Rodrigues com o início do G20.

O clima desfavorável mudou ao longo dos três dias em que Bolsonaro esteve no Japão. Ele se deixou convencer por auxiliares a fazer algumas concessões como sentar para conversar sobre clima com o presidente francês, Emmanuel Macron, a quem convenceu que o Brasil permaneceria no Acordo de Paris. O encontro entre os dois se deu em meio a um vaivém nas agendas e versões divergentes das comitivas.

Dias antes, Macron ameaçou não firmar o acordo entre a UE e o Mercosul se esse compromisso não fosse feito. No sábado, quando o G20 chegava ao fim, o francês disse em entrevista que o comprometimento do Brasil sobre clima foi "a verdadeira mudança" para conclusão das negociações.

  Ainda era madrugada em Osaka quando, em Bruxelas, a União Europeia e o Mercosul anunciavam que, após 20 anos de tratativas, tinham selado um acordo de livre-comércio.

A notícia transmitida a Bolsonaro pela equipe de ministros que estavam na Bélgica mudou seu humor. Ele pediu que seus assessores organizassem uma entrevista coletiva logo para a manhã, na sua chegada ao G20.

O presidente deixou para trás o tom ríspido com que respondeu aos questionamentos na sua chegada e disse ter "evoluído" e passado a gostar mais da imprensa. Mostrou-se aberto a perguntas e só saiu da sala porque assessores o lembraram que ele tinha uma agenda marcada.

Durante a entrevista, Bolsonaro reconheceu que fez outra concessão: deixou de lado o plano de pedir que líderes dos Brics incentivassem uma mudança de governo na Venezuela.

O presidente planejava tratar sobre o assunto em seu breve discurso na reunião do grupo. Foi aconselhado a mudar, avisado de que isso poderia trazer indisposições.

Entre os integrantes, Rússia e China apoiam o regime de Nicolás Maduro.

Bolsonaro disse na entrevista ter deixado de fora sua fala sobre Venezuela para "não polemizar" com Putin. "Eu estava na presença do presidente da Rússia e eu vi que não era o momento de ser um pouco mais agressivo. "Outra concessão foi aceitar a inclusão em seu discurso de termos como a defesa do multilateralismo, fortemente criticada pela ala ideológica que integra seu governo.

Apesar de algumas concessões, o presidente manteve o tom crítico sobre questões climáticas.

Ele disse ter falado à chanceler alemã, Angela Merkel, que existe uma "psicose ambientalista" contra o Brasil. Como resposta, Bolsonaro disse ter recebido um "arregalar de olhos" da chanceler, que dias antes disse estar preocupada com o desmatamento no Brasil.

Durante o G20, Bolsonaro teve participação acanhada e suas expressões físicas demonstraram por diversas vezes o desconforto no ambiente.

O presidente brasileiro chegou e saiu sozinho da fotografia oficial da cúpula. Mesmo após receber um aperto de mão de Macron, manteve-se sisudo no canto. As imagens transmitidas no centro de imprensa do evento mostravam um presidente sério e calado, diferentemente de suas interações com o público, em que Bolsonaro demonstra descontração.

O encontro com o presidente Donald Trump foi o momento em que ele ficou mais confortável. Os dois trocaram uma série de elogios e Bolsonaro ouviu do americano que ele é "um homem especial e muito amado pelos brasileiros".

Bolsonaro teve no total sete compromissos com líderes do G20. Além de Trump, Macron e Merkel, ele teve bilaterais com Shinzo Abe (Japão), Lee Hsien-Loong (Singapura), Narendra Modi (Índia) e Mohammed bin Salman (Arábia Saudita).De última hora, uma conversa com o presidente chinês, Xi Jinping, foi desmarcada por atraso na agenda de seu contraparte.

Além da agenda oficial do evento, Bolsonaro visitou o comércio de Osaka e comprou um colar de nióbio, tema recorrente em sua fala.Avesso à gastronomia japonesa, aproveitou o único dia de agenda livre para jantar em uma churrascaria.

"Com todo respeito ao povo japonês aqui, para quem come churrasco australiano e brasileiro, há uma enorme diferença".

O presidente disse ter conversado sobre a iguaria brasileira com japoneses, numa tentativa de convencê-los a comer o prato."Estou aguçando curiosidade deles para comer churrasco brasileiro. Quem sabe nosso comércio de carne cresce", brincou.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas