Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Turismo

MEIO AMBIENTE

Misteriosa doença mata corais da Tailândia

Por: AFP

Publicado em: 28/12/2022 09:05

 (Foto: LILLIAN SUWANRUMPHA / AFP)
Foto: LILLIAN SUWANRUMPHA / AFP
"Nunca vi nada assim", diz a oceanógrafa Lalita Putchim após um mergulho para observar os corais na ilha tailandesa de Samae San, ao sudeste de Bangcoc. 

Uma doença misteriosa, a doença da faixa amarela, destrói corais no Golfo da Tailândia, um quebra-cabeça para cientistas com recursos escassos, como Lalita Putchim, e uma ameaça para a economia local. 

Enormes manchas escuras cobrem grandes seções de um recife de corais, vítimas de uma bactéria mortífera que até então não havia chegado a este recanto muito apreciado pelos mergulhadores. 

"Vemos isso em todos os lugares aonde vamos e esperamos ver mais, à medida que avançamos", disse Putchim, do Departamento de Recursos Costeiros e Marinhos da Tailândia. 

A chamada doença da faixa amarela foi detectada na Flórida nos anos 1990 e causou uma extensa deterioração dos recifes do Caribe. Ainda não há remédio conhecido. 

Foi somente no ano passado que se detectou o fenômeno na costa leste da Tailândia, perto da popular cidade turística de Pattaya. Agora já se espalhou por cerca de 240 hectares de mar. 

Especialistas acreditam que sua chegada à Tailândia pode estar ligada à pesca excessiva, à poluição, ou ao aquecimento da água do mar que enfraquece a estrutura dos corais. 

Ao contrário dos episódios de branqueamento de corais, que afetaram em diferentes ocasiões a Grande Barreira de Corais da Austrália, o impacto da doença não pode ser revertido. 

“Quando o coral fica infectado com essa doença, ele simplesmente morre”, diz Lalita. 

"O que faremos em cinco anos?"
  
O desaparecimento dos corais pode ter um impacto devastador no ecossistema. 

O recife é "como uma floresta" que abriga enormes quantidades de vida, e sua morte pode, eventualmente, terminar afetando os humanos, explica.

Os cientistas tailandeses estão confiantes em que sua investigação sobre esse surto ajudará a encontrar uma maneira de conter, ou mesmo curar, a doença. 

Em sua expedição à Ilha Samae San, Lalita e sua equipe fotografaram os corais infectados e mediram a área afetada, além de coletarem amostras para estudar em laboratório. 

As autoridades marítimas usam as redes sociais para monitorar os relatos de corais infectados e pedem à população que denuncie novos recifes danificados. 

Os pesquisadores são auxiliados por voluntários locais, como o empresário Thanapon Chaivanichakul, que coletou evidências fotográficas submarinas. 

"Fiquei chocado na primeira vez que vi", afirma Thanapon. 

A bactéria não ameaça apenas o coral, mas o sustento de muitos moradores da região. 

Para viver, Choopan Sudjai, dono de um barco de observação subaquática, conta os ingressos dos turistas que vão apreciar as belezas naturais da região e, especialmente, seus recifes de corais. 

"Agora que o coral foi infectado e será destruído, o que faremos daqui a cinco anos?", pergunta este homem de 55 anos. 

"É como se nossa casa tivesse sido destruída", desabafa.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras, Laura Sabino e Tatiana Arruda
Manhã na Clube: entrevista com Erick Simões, desembargador do TJPE
Manhã na Clube: entrevista com Maria Arraes (Solidariedade), deputada federal
Van Gogh Live 8K: exposição chega ao Recife e encanta público
Grupo Diario de Pernambuco