Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

CINEMA

'Glass Onion: Um mistério Knives Out' traz o detetive Benoit Blanc para mais um caso recheado de humor e acidez

Publicado em: 28/12/2022 17:01 | Atualizado em: 28/12/2022 17:51

 (Netflix/Divulgação.)
Netflix/Divulgação.
Desde o aclamado Assassinato em Gosford Park, o cinema de mistério à moda Agatha Christie vinha passando por um hiato de quase duas décadas, sobretudo entre as produções originais, o que mudou em 2019 com o lançamento de Entre facas e segredos, seguramente um dos maiores sucessos da história do subgênero whodunnit (“quem matou?”). O diretor e roteirista Rian Johnson – mais conhecido até então pelo divisivo Star Wars VIII: Os Últimos Jedi – comandou o projeto estrelado por grande elenco, encabeçado por Daniel Craig no papel do detetive Benoit Blanc, e com uma trama que subvertia em tom de homenagem vários cânones da investigação tradicional.

Após os excelentes números do filme original, foram anunciadas duas sequências que seriam lançadas diretamente no catálogo da Netflix. A primeira delas, já disponível na plataforma e em primeiro lugar no mundo todo, é Glass Onion: Um mistério Knives Out, que conta novamente com direção e roteiro de Rian Johnson. A trama funciona como episódio isolado, não exigindo conhecimento prévio do filme anterior, e segue o detetive Benoit Blanc desta vez sendo misteriosamente convidado juntamente com personalidades ricas para uma viagem a uma excêntrica ilha onde mora Miles (Edward Norton), que resolveu reunir seu antigo grupo de amigos para relembrar os velhos tempos e, no curso de um fim de semana, participar de um jogo para descobrir o responsável pelo seu próprio assassinato.

Mesmo que encontre sua parcela mínima de suspense, o foco de Glass Onion é notoriamente a brincadeira (a própria premissa do jogo já vem carregada de autoconsciência), mas, curiosamente, nunca cai na absoluta paródia. Os suspeitos da vez são ainda mais caricatos do que no primeiro filme, o que confere ao longa uma despretensão apropriada às suas limitações dramáticas. A direção de arte conta literalmente com uma enorme cebola de vidro que, numa metáfora repetidamente explicada no filme, representa um caso de aparente complexidade devido as suas camadas, cujo centro é cristalino em sua obviedade.

A estrutura, por outro lado, é menos linear e mais intrincada nesta sequência, que frequentemente alterna pontos de vista e questiona coisas que a própria câmera mostra. Ainda que o roteiro amarre bem suas pontas, no entanto, algumas informações soam supérfluas ao longo das mais de duas horas de duração e muitas revelações são feitas através do truque fácil do flash back, sem necessariamente apresentar pistas sólidas ao espectador. O comentário social da vez, novamente envolvendo a frivolidade e oportunismo da elite, tem sucessivos insights cômicos (a máscara transparente e a vacina na língua são ótimos exemplos), mas torna-se demasiadamente didático no desfecho da trama.

O ritmo e as subversões do gênero, porém, se mantêm afiados e as surpresas se expandem para além da simples descoberta do assassino. Janelle Monáe, cantora e atriz de boa presença, ganha destaque a partir da grande guinada reservada pela trama e, tal como Ana de Armas em 2019, compõe um belo duo de interpretações ao lado da persona centralizadora e carismática de Daniel Craig. Ao final, sobra o gosto de quero-mais por um terceiro episódio.
TAGS: glass | onion | crítica | knives | out | daniel | craig |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Van Gogh Live 8K: exposição chega ao Recife e encanta público
Manhã na Clube: entrevista com Rodrigo Coutinho, secretário de esportes do Recife
Manhã na Clube: entrevista com Priscila Lapa, cientista política
Manhã na Clube: entrevista com Everaldo Silva e  Ney Araújo
Grupo Diario de Pernambuco