Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Turismo

Turismo rural na Mata Sul

São Benedito do Sul desponta como opção, em Pernambuco, para quem gosta de trilhas e banhos em cachoeiras

Publicado em: 21/12/2019 03:00 | Atualizado em: 26/12/2019 18:39

Foto: Samuel Calado/DP

Diante do estresse do dia a dia, ter a oportunidade de se desconectar de tudo e contemplar momentos de paz é um desejo de muitos. Um dos cenários convidativos se encontra na zona rural de São Benedito do Sul, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, a 175 quilômetros do Recife. Conhecida como a “Cidade das Cachoeiras”, o município conta com, pelo menos, nove quedas d’águas e vem se tornando um dos lugares mais procurados para o turismo rural. Já estão catalogadas as cachoeiras de Peri Peri, Poço do Índio, Poço do Soldado, Véu da Noiva, Cajá, Cidade Baixa, Laje, da Índia, Roncador, Caboclo. Com exceção da última, todas são abertas à visitação. O novo filão também vem servindo para movimentar a economia do município.

 (Cachoeira de Periperi. Foto: Samuel Calado/DP)
Cachoeira de Periperi. Foto: Samuel Calado/DP

Entre as quedas d’água, uma das mais belas é a Peri Peri,  que fica a cerca de 8 quilômetros do centro da cidade. A cachoeira é motivo de orgulho para os mais de 16 mil habitantes do município e também bastante procurada pelos praticantes de rapel. Para chegar lá é preciso descer por uma trilha íngreme de aproximadamente 500 metros. A vista do paredão com 27 metros de altura e as águas geladas, que contrastam com a temperatura média de 32 graus, compensam o esforço.

Foto: Samuel Calado/DP

Os frequentadores também podem se banhar no pequeno poço formado pelas rochas. O encontro da água com as pedras proporciona uma visão panorâmica em meio ao verde da vegetação. A professora Iolanda Caetano, 47, desconhecia uma cachoeira com tamanha imponência em São Benedito do Sul. Ela, que já visitou as cachoeiras da cidade de Bonito, no Agreste do estado, mas ficou encantada com a beleza de Peri Peri. “Pela foto imaginava uma cachoeira pequena, mas ela é imensa! A queda d’água é uma delícia. É como se a gente estivesse recebendo uma massagem natural”.

As duas pedras próximas ao poço são usadas como trampolim pelos banhistas. Foto: Samuel Calado/DP

Descendo a trilha pela mesma cachoeira é possível se banhar em outra queda d’água, a do Índio. As duas pedras que podem ser usadas como trampolim para mergulho são as mais disputadas no local, além do poço largo com a cachoeira que se assemelha a uma hidromassagem.

Vista do Poço do Soldado. Foto: Samuel Calado/DP

Entre as quedas d’água do município a mais popular, no entanto, é a de Poço do Soldado, uma das mais queridas pelos visitantes, que fica no Sítio Engenho Brejinho a 8km do centro da cidade. Uma das características dela é oferecer águas mais calmas e pedras planas, que podem ser usadas para contemplação do lugar.

A Cachoeira Poço do Soldado é umas das mais queridas dos visitantes. Foto: Samuel Calado/DP

O agricultor José Barbosa, 60, mora com a esposa, filhos e irmãos no Sítio Engenho Brejinho. Ele é o cuidador do sítio e anfitrião dos turistas que chegam à propriedade para tomar banho na cachoeira Poço do Soldado. Para chegar ao local, os visitantes precisam percorrer uma estrada de barro de cerca de 4 km. Tem gente que prefere vencer a distância caminhando, mas é possível chegar ao local de carro, vans ou até bicicleta.

Piscinas naturais formadas pelas rochas encantam os visitantes. Foto: Samuel Calado/DP

Ao chegar ao sítio, o visitante se depara com a bica que fica ao lado da casa do morador e anfitrião José Barbosa. São quatro saídas de águas intermitentes que funcionam como uma ducha inicial para equilibrar o corpo. Em seguida, os visitantes seguem por uma pequena trilha entre as bananeiras, que vai conduzir até o local da cachoeira. Além da área grande para banho próximo à queda d’água, a Poço do Soldado conta com pequenas piscinas naturais formadas pelos buracos nas rochas. Há ainda um escorregão natural feito de pedras, que faz a diversão das crianças.

 (Mailson Oliveira, idealizador do projeto Águas da Minha Terra. Samuel Calado/Esp. DP)
Mailson Oliveira, idealizador do projeto Águas da Minha Terra. Samuel Calado/Esp. DP

“Quem vem aqui costuma dizer que é um paraíso e se pudesse moraria aqui. Além do banho, chamo para pegar banana no mato e eles adoram. Não deixo esse lugar por nada e minha missão é preservar e cuidar de tudo aqui”, ressaltou Barbosa.

Cachoeiras: São noves quedas d'águas catalogadas no município, a 175 quilômetros do Recife. Foto: Samuel Calado/DP

Para as pessoas apaixonadas por trilhas e com disposição de desbravar cachoeiras menos acessíveis, uma boa dica é visitar a Roncador e a Bela Vista, que ficam a aproximadamente 12km da cidade. A aventura pode ser feita com veículo de pequeno porte. O roteiro inclui travessia de rio, subida em pedras, vista da serra e caminhada em um pequeno trecho de mata fechada. No caminho, também é possível conhecer uma casa de farinha, onde funcionou um engenho de cana-de-açúcar até o final da década de 1990. No lugar existe uma roda d’água histórica e ainda conservada. Esse passeio é feito com ajuda de um guia local.

 (Mailson Oliveira, idealizador do projeto Águas da Minha Terra. Samuel Calado/Esp. DP)
Mailson Oliveira, idealizador do projeto Águas da Minha Terra. Samuel Calado/Esp. DP

De olho no potencial do turismo rural no município, Maílson Oliveira, 29, natural de São Benedito, decidiu criar o projeto Águas da Minha Terra. “Esse projeto tem o objetivo de aquecer o comércio local com novas opções de turismo e abrir portas para novos perfis de público. Principalmente aqueles que desejam se aventurar pela estrada em busca de novas experiências”, disse.

A Cachoeira do Índio fica na mesma trilha da Periperi. Foto: Samuel Calado/DP

Segundo ele, o estado dispõe de muitas belezas ainda pouco conhecidas. “Muita gente visita a Região Metropolitana do Recife e acha que já viu tudo e não imagina que existe uma diversidade de lugares encantadores, como as cachoeiras daqui de São Benedito do Sul”. Dono de um restaurante na cidade com uma culinária regional, ele vê no turismo uma forma de movimentar a economia de toda a cidade.




“A expectativa é receber apoio para o desenvolvimento do turismo aqui na cidade. Outra medida que estamos tomando é a melhoria da infraestrutura do acesso às cachoeiras”, disse o diretor de Turismo do município, José Cláudio Vieira, 29.
 
Povo fala:

“O nosso Nordeste é lindo e precisa ser divulgado. A gente tem que vivenciar mais o turismo ecológico para conscientizar sobre a preservação do meio ambiente”
Izabel Baracho, guia de turismo

“Muita gente vai para outro país e nem imagina que tem tanta beleza aqui. O caminho é bonito, a paisagem é maravilhosa, o clima é bom e sem falar que a gente pode conhecer várias pessoas e refrescar a mente. Eu tenho 74 anos e estou passeando como se fosse uma criança”
Ivonete Moraes, aposentada

“É uma oportunidade única. Quem está buscando uma opção de lazer, deve vir para cá. Eu fiquei muito encantado com a preservação e com o cenário. Eu tô de férias e vir aqui foi um presente que eu me dei”.
Salatiel Cícero, jornalista

“Minha família é de Caruaru e eu lembro que, quando criança, minha mãe preparava muito xerém com galinha para levar no passeio. Gostei tanto que repeti. O ambiente é limpo, cuidadoso e muito organizado”
Júnia Farias da Silveira, professora

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Músico vence limitações do distanciamento social oferecendo shows particulares por encomenda
Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
Grupo Diario de Pernambuco