Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Tecnologia

REDES SOCIAIS

YouTube afirma que vídeos problemáticos representam menos de 1% do total de assistidos

Por: AFP

Publicado em: 06/04/2021 15:09

 (Mais de 20.000 pessoas trabalham para garantir a segurança da plataforma de vídeos do grupo californiano. Foto: Reprodução/Pixabay)
Mais de 20.000 pessoas trabalham para garantir a segurança da plataforma de vídeos do grupo californiano. Foto: Reprodução/Pixabay
YouTube fornecerá a partir de agora uma estimativa do número de vídeos que são vistos antes de serem eliminados da plataforma por terem infrigidos suas regras, anunciou a subsidiária de vídeos do Google nessa terça-feira (6).

Seu relatório trimestral de moderação de conteúdos irá incluir o "índice de visualizações infratoras" para mostrar qual a porcentagem de visualizações com conteúdos que não cumprem suas normas: bem menos que 1%, neste caso, para os últimos meses de 2020.

"É um número muito baixo", amenizou Jennifer O'Connor em uma coletiva de imprensa, diretora de segurança do YouTube. "Obviamente queremos que seja ainda mais baixo, e para isso minha equipe trabalha dia e noite". Esta taxa significa que os conteúdos que infringem as normas constituem cerca de 16 ou 18 visualizações para cada 10.000, afirmou. 

YouTube não detalhou quais normas foram usadas no cáulculo. Os sistemas de moderação automatizados detectam 94% dos conteúdos infratores e eliminam pelo menos 75% destes antes que alcancem 10 visualizações.

O'Connor explicou que as equipes seguiram com essa taxa desde 2017 em um nível interno, e que havia reduzido para 70% graças a tecnologia e a intervenção humana.

Desde seu primeiro relatório de conformidade em 2018, o YouTube tem eliminado mais de 83 milhões de vídeos e 7 bilhões de comentários. 

Mais de 20.000 pessoas trabalham para garantir a segurança da plataforma de vídeos do grupo californiano.

O YouTube, Facebook, Twitter e outras redes sociais são frequentemente acusadas de não fazer o suficiente para combater a desinformação online e outros abusos, ou até mesmo para incentivá-los a manter os usuários conectados por mais tempo e, assim, gerar mais receita de publicidade. Google e Facebook tem um amplo domínio sobre o mercado mundial da publicidade digital.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Em Cúpula do Clima, Bolsonaro promete neutralidade de carbono até 2050
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 22/04
Após polêmicas, Superliga Europeia é suspensa
Família Floyd volta a respirar: policial é condenado pela morte de homem negro
Grupo Diario de Pernambuco