Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Gastronomia
Especial Rede social vira vitrine para quem trabalha com confeitaria Com foco em fotos bem produzidas aplicativo Instagram ajuda na divulgação do trabalho de boleiros e boleiras

Por: Katarina Bandeira

Publicado em: 13/05/2016 14:11 Atualizado em: 13/05/2016 20:54

Divulgação ajuda a profissionalizar quem cozinhava apenas por hooby. Fotos: Instagram/Reprodução
Divulgação ajuda a profissionalizar quem cozinhava apenas por hooby. Fotos: Instagram/Reprodução

Quem possui o Instagram, aplicativo de compartilhamento de fotos, já deve ter se deparado com muitas fotos de bebidas ou refeições. O que era para ser apenas entretenimento tem se tornado uma verdadeira vitrine de confeitaria para usuários que resolveram transformar a ferramenta em espécie de cartão de visitas profissional. Boleiras e boleiros utilizam o aplicativo para exibir e negociar os trabalhos como uma forma de economizar em propaganda e de manter a autonomia do negócio. Os seguidores e clientes são conquistados pelas fotos, apetitosas e bem produzidas.

De acordo com pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) entre outubro de 2015 e março de 2015, 54% dos lares brasileiros localizados em áreas urbanas têm acesso a internet. Entre os usuários, mais de 70% utilizam aplicativos sociais. É o caso de Camila Heráclio, de 21 anos. A garota, que aprendeu sozinha a cozinhar e começou vendendo brigadeiro para ajudar nos jogos olímpicos da escola, é seguida por 47 mil pessoas na rede, a Camila Heráclio Cake Shop. Com uma demanda de 30 a 40 bolos por semana, largou o emprego para se dedicar integralmente a produção feita em casa.

“O Instagram ajuda completamente na minha divulgação. É bom porque o pessoal marca os amigos nas fotos e eles acabam seguindo e passando a diante”, afirma. No catálogo virtual dela, o bolo mais simples, de tamanho médio (aproximadamente dois quilos), custa R$ 60. Outros com massa de brownie aparecem a partir de R$ 70. Os mais caros, de três andares, com coberturas especiais e decorados com flores ou bolinhas de brigadeiro, chegam a R$ 285. Os populares mais populares são com massa de brownie e recheio de leite ninho, além de clássicos, como chocolate e bem casado.

A divulgação via rede social diminui os custos com espaço físico, como lojas e cafeterias. Bióloga, Jéssica Pires une a profissão com a confeitaria: ela cria bolos cuja principal característica é a delicadeza das flores de açúcar e outros elementos da natureza. “Eu sempre gostei de fazer bolos, era meu hobby. Aprendi com minha avó. Como a procura foi aumentando, resolvi me dedicar à confeitaria e o Instagram ajuda por ser muito mais rápido para a visualização dos bolos”, explica a boleira. Ela cobra a partir de R$ 130 por quilo.

Festas para crianças também podem ser organizadas pelas redes sociais, em perfis como os de Michellyne Ponte e Vânia Elihimas. “Meu forte são os temas infantis e para eles o sabor mais pedido é sempre o de chocolate”, comenta Michellyne, que trabalhava como representante comercial e largou tudo quando começou a se popularizar após a utilização da rede social. “O Instagram é a ferramenta principal”, afirma. Outros que também fazem bonito na internet são os perfis de Marri Doceria, Mana Bolos e até mesmo o chef Thiato Freitas, à frente do restaurante Budhakan, no Pina. Todas as encomendas podem ser feitas através da rede. Muitas delas não oferecem entrega em domicílio.


Mais lidas

mais lidas

Estados Unidos podem ser novo epicentro do vírus
Coronavírus em Pernambuco - resumo de 24/03/2020
Moda: aproveite o tempo em casa para desenvolver seu estilo pessoal
Chefe da ONU pede cessar-fogo imediato e global diante do avanço do coronavírus
Grupo Diario de Pernambuco