Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

LIVRO

Andrea Nunes discute bioética e arte em romance policial pós-pandêmico

Publicado em: 16/11/2021 10:00

O lançamento acontece presencialmente nessa quarta (17) na Livraria Jaqueira do Bairro do Recife (Foto: Divulgação)
O lançamento acontece presencialmente nessa quarta (17) na Livraria Jaqueira do Bairro do Recife (Foto: Divulgação)
Diante de uma das maiores crises sanitárias da história, o brasileiro nunca esteve tão atento aos dilemas da medicina e do corpo. A apreensão sobre esses temas, acrescida de uma rica trama de investigação policial, é a base para o novo livro de Andrea Nunes, Corpos Hackeados. O título, que integra o catálogo da Cepe editora, será lançado em evento presencial na próxima quarta-feira (17), às 18h, na Livraria Jaqueira do Bairro do Recife. Além de conversas com a autora, o evento também conta com a presença do escritor e jornalista Ney Anderson, que apresentará a publicação.

A história é ambientada em um município não identificado do Nordeste brasileiro em um futuro próximo, já durante a pós-pandemia da Covid-19. Instalado na região, uma poderosa empresa financia a bioimpressão de órgãos humanos artificiais como rins, fígados e corações para quem precisa de transplante. Contudo, a morte misteriosa dos voluntários da nova técnica leva o leitor a um espiral de intrigas e revelações, liderado majoritariamente por personagens femininas.

Tendo começado a escrever o livro ainda no fim de 2019, a autora revela a inevitável influência que a pandemia teve na abordagem dos temas. “Apesar da temática central não ser o vírus, a história se passa no ano de 2023, é inevitável abordar o impacto das modificações que a pandemia trouxe à vida das pessoas. Nesse contexto, reflexões sobre a guerra das vacinas e a biopolítica ganharam uma dimensão mais forte do que o inicialmente planejado. E tudo deu incrivelmente certo com a mensagem inicial. Sem dúvida o significado do livro e as reflexões que ele traz acabaram se tornando uma coisa mais profunda diante de tudo o que nós vivemos”, comenta.

Ao longo de 260 páginas, o livro estabelece conexões entre arte, ciência, política e espiritualidade; um entrelaçamento que Andrea gosta de aplicar a suas histórias. Para isso, são trazidos conceitos desde a semiótica da arte renascentista, período no qual se buscou a representação mais idealizada do corpo humano, até a biopolítica de Foucault, com suas formas de opressão contemporâneas. “Conectar tais temas é um exercício intelectual muito lúdico, uma vez que a conexão já existe em certos níveis, só nos resta enxergar e inserir na trama da maneira mais harmônica e divertida possível”, explica Andrea.

Escrito durante a pandemia, o livro expande as referências para temas bem mais amplos da medicina e política (Foto: Divulgação)
Escrito durante a pandemia, o livro expande as referências para temas bem mais amplos da medicina e política (Foto: Divulgação)

Autora também dos romances policiais O Código Numerati (2010), A Corte Infiltrada (2014) e Jogo de Cena (2019), Andrea Nunes não deixa de tirar inspiração de sua experiência como promotora de Justiça em Pernambuco, especializada no combate à corrupção. Paraibana radicada no Recife, conquistou espaço no mercado editorial e chegou a ministrar palestras sobre literatura policial em universidades da França, Portugal e Dinamarca. Seu novo livro já recebeu elogios da poeta Cida Pedrosa e do autor Tony Bellotto, que assinam textos na contracapa da publicação.

Discutir bioética em um momento no qual o Brasil testemunha a revelação de grandes escândalos da medicina parece uma escrita quase profética. Para Andrea, porém, essas tragédias provocam um estímulo e realçam a importância de escrever em um país no qual a realidade tenta constantemente superar as absurdidades da ficção. “Quanto mais desafiadora for a realidade, mais o ser humano precisa da transcendência da arte para superá-la e para elaborar sua angústia. Vivemos num país que é um romance policial pronto. Há uma responsabilidade histórica em transformar isso em literatura. As narrativas precisam ser feitas, e nesse momento há muitas linguagens sendo forjadas para traduzir nosso espanto diante de tudo”, finaliza.

SERVIÇO:
Lançamento do livro Corpos Hackeados, de Andrea Nunes
Quando: Na quarta-feira (17), às 18h
Onde: Livraria Jaqueira do Bairro do Recife
Preço: R$ 40 (impresso) e R$ 16 (e-book)
Vendido em lojas físicas e virtual da Cepe
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Bruno Becker, da chapa Náutico Sustentável, divulga projetos para o Timbu
Unicap continua com as inscrições abertas para Vestibular 2022
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Romero Sales Filho (PTB)
Variante ômicron representa risco elevado para o planeta
Grupo Diario de Pernambuco