Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

MÚSICA

Após 18 anos, Carina Lins e Banda Carícias se reúnem em live. Relembre a trajetória do grupo

Publicado em: 03/09/2021 10:30 | Atualizado em: 04/09/2021 16:37

Carina Lins nos anos 2000 e na atualidade (Foto: EG Produções Arquivo e Divulgações)
Carina Lins nos anos 2000 e na atualidade (Foto: EG Produções Arquivo e Divulgações)

A recifense Carina Lins tinha 17 anos quando passou por um perrengue típico da adolescência: uma semana antes de sua estreia como vocalista numa banda de brega que já era sucesso no Grande Recife, ela danificou parte do cabelo em procedimentos de coloração. A solução partiu de sua avó, que tinha uma coleção de lenços. "Ela sugeriu que eu escolhesse um deles para tapar a falha. Eu falei: 'Isso é ridículo, que coisa feia', mas escolhi uma faixa vermelha e fui para o show, no clube do Santa Cruz". A faixa virou uma marca. Meses depois, lenços com o nome do grupo invadiam os camelôs do Centro e as cabeças de adolescentes das periferias e subúrbios da cidade. Era o auge da Banda Carícias.

Responsável por sucessos como Vou calar sua boca, Eu digo não, Essa indiferença e Que amor é esse?, todas do álbum de estreia, de 2002, a Banda Carícias fará live de comemoração dos 20 anos neste sábado (4), às 21h, no YouTube. Para a surpresa de muitos, Carina estará presente. A cantora sumiu do mapa em 2008, quando virou evangélica e passou a residir em São Paulo, em 2010. Os antigos membros do grupo se reencontraram e criaram grupo no WhatsApp, onde a ideia para a live brotou. Os vocalistas Júnior Paz e Esdras Azevedo e o compositor João Santos, da época da Banda Carina, também participarão.

Os dois primeiros sucessos da banda já estavam estourados na cidade quando Carina Lins entrou no grupo. Quem criou a Banda Carícias foi Jorge Silva do Recife, conhecido pelo repertório de forró, com direção artística de Múcio Araújo. Jorge compôs Vou calar sua boca e Eu digo não, e chamou a cantora Claudia Morais para colocar as canções na praça como teste. Claudia não quis ficar na banda, pois já tinha outro projeto, a banda Mancha de Batom, responsável pelo disco de sucesso Me guardei para você (2003). O segundo álbum da Banda Metade (2001), que marcou a estreia de Michelle Melo, completava a tríade do brega romântico com vocais femininos no estado.


"Eu estava numa banda chamada Raios de Neon, como segunda cantora. Foi o guitarrista Toinho Costa que me indicou para Jorge Silva, pois ele procurava uma cantora desconhecida e de voz doce. Jorge veio na minha casa e eu nem conhecia o brega, mas ele disse que tinha duas músicas 'estouradas' e eu topei", explica Carina, 37, que morava na Mangabeira, bairro da Zona Norte rodeado por nascedouros da música brega até hoje: Alto José do Pinho, Bomba do Hemetério e Arruda. "Quando cheguei na vizinhança e disse que iria cantar numa banda chamada Carícias, todos ficaram surpresos. Foi assim que começou."

Exceto as duas primeiras canções, já prontas na voz de Claudia, Carina gravou as demais 10 faixas inéditas, grande parte compostas por Jorge Silva. O álbum Vou calar sua boca foi um sucesso, vendendo 50 mil cópias pela Polydisc - um número alto considerando que a pirataria já tinha crescido bastante no começo dos anos 2000. Ainda naquele ano, a Carícias participou de um concurso da TV Jornal. Foram exibidos pequenos clipes e, após a vitória, o grupo teve a sua primeira apresentação na televisão.

Passados seis meses, o cabelo de Carina já havia voltado ao normal. "Eu fui para a TV sem o lenço, mas as pessoas começaram a dizer que não era eu. Então, eu nunca o larguei.” O adereço criou uma certa iconografia junto às vestimentas excêntricas do brega naquela época, algo que chegou ao ápice em Não dá mais (2005), quando Carina apostou em dança do ventre nos palcos e nas TVs. Em 2003, a Carícias lançou Eu sou mais eu, todo gravado por Carina e Esdras, que cantou Homem da noite


Após a saída da cantora no final de 2003, Suzy e Lane Lima assumiram os vocais e gravaram o DVD Ao vivo em Itapissuma, no Litoral Norte de Pernambuco, um dos poucos registros do tipo do brega daquela época. Elas também gravaram o volume 3 da Carícias, Pra conhecer uma mulher, com canção de mesmo título e regravações de antigos sucessos em versões acústicas.

Com Múcio Araújo como empresário, Lins fundou a Banda Carina e ganhou do compositor Louro Santos - que faleceu vítima da Covid-19 no ano passado - a faixa Amigo é pra essas coisas, sucesso em dueto com Esdras. O álbum homônimo de 2005 ainda teve o calypso Chiclete. Em 2008, Carina se converteu evangélica e sumiu sem se despedir do público. Treze anos depois, ela explica:

"Eu sumi para me reconstruir. Quando somos jovens, ficamos perdidos com o sucesso que vem muito rápido. Eu não tinha emocional para entender tudo o que estava vivendo. Para onde eu estava indo? Fiquei confusa e decidi dar um tempo", diz "Ninguém entendeu nada, pois até tinha gravado mais um álbum na época, mas não quis lançar. Eu tinha uma certa coisa de menina mimada, que queria ganhar o mundo sozinha, achando que sabia de tudo. Mas até hoje tenho plena consciência de que Jorge Silva foi a pessoa mais importante para a minha carreira artística."

A cantora até relutou por conta da igreja, mas voltou ao Recife para a live. Inclusive, cantará o único louvor que gravou: Eu escolho Cristo. "Estamos vivendo algo surreal por conta desse evento. Tem gente do interior dizendo que vai colocar telão na rua. Vamos cantar as músicas por ordem cronológica e fazer uma surpresa no final." Quando ela vestir o seu lenço, será como se o tempo não tivesse passado.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco