Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

CINEMA

12º Festival Cinefantasy exibe filmes gratuitamente com curadoria totalmente feminina

Publicado em: 09/09/2021 12:24

'As Almas que Dançam no Escuro' é um dos destaques da Mostra online (Foto: Cinefantasy/Divulgação)
'As Almas que Dançam no Escuro' é um dos destaques da Mostra online (Foto: Cinefantasy/Divulgação)
Mortes misteriosas, fantasmas e a relação entre humanos e tecnologia são alguns dos temas presentes na 12ª edição do Cinefantasy – Festival Internacional de Cinema Fantástico, que disponibiliza, on-line e gratuitamente por meio da plataforma Innsaei.TV, 119 produções a partir desta quinta-feira (9). 
 
Entre os destaques da mostra está a estreia mundial de As almas que dançam no escuro, filme do cineasta, roteirista e escritor gaúcho Marcos DeBrito. O evento ainda realiza uma exposição virtual, workshops e um debate sobre assédio no cinema.
 
A homenageada desta edição é a atriz e diretora Helena Ignez, de 79 anos, que atuou em clássicos como O padre e a moça (1966), de Joaquim Pedro de Andrade, O bandido da luz vermelha (1968) e Copacabana mon amour (1970), ambos de Rogério Sganzerla, e dirigiu Luz nas trevas – A volta do bandido da luz vermelha (2010), A moça do calendário (2017) e Fakir (2019), esse último premiado pelo público no 9º Cinefantasy.
 
Para celebrar a carreira de Helena Ignez, o festival exibe oito obras dirigidas por ela, incluindo os curtas Reinvenção da rua (2003), A miss e o dinossauro (2005) e Poder dos afetos (2013), e os longas Canção de Baal (2007) e Feio, eu? (2013).
 
O documentário A mulher da luz própria, que conta a trajetória da atriz e diretora e tem direção assinada por sua filha, Sinai Sganzerla, também integra a programação e será disponibilizado na plataforma SPCine Play.
 
POTÊNCIA 
"A Helena Ignez tem um trabalho consolidado como atriz, diretora e produtora e foi premiada em uma de nossas edições. A partir do conhecimento dela, de sua trajetória de vida e da potência criativa que ela representa, decidimos homenageá-la no festival", explica Mônica Trigo, diretora do festival e presidente da FANTLATAM – Alianza Latinoamericana de Festivales de Cine Fantastico.
 
"Ela [Helena Ignez] tem um trabalho muito experimental que passeia por diversas linguagens. Em várias de suas obras, o universo fantástico aparece de forma não necessariamente explícita. É impressionante perceber o potencial criativo que ela desbrava", acrescenta.
 
A atriz e cineasta Helena Ignez é a grande homenageada da edição (Foto: Leo Lara/Divulgação)
A atriz e cineasta Helena Ignez é a grande homenageada da edição (Foto: Leo Lara/Divulgação)
 
A escolha de uma figura feminina para receber a homenagem não é sem motivo, e começou durante um dos debates da última edição, quando foi levantada a questão do assédio contra mulheres no meio audiovisual. Diante dos depoimentos das convidadas, Mônica decidiu fazer a mostra com uma equipe exclusivamente formada por mulheres.
 
"Enquanto festival de cinema, nós temos um trabalho muito político de garantir que nossa mostra seja um espaço de inclusão. De muitas formas, o Cinefantasy acaba sendo uma área de influência para abrir as portas para as realizadoras. Por isso decidimos dar esse recorte para a curadoria e o júri. Um festival como o nosso é um espaço de garantia de exibição de realizadoras negras, LGBQIA+ e mulheres", afirma.
 
Segundo ela, cada curadora fez um recorte específico para as diferentes mostras que compõem o festival. A própria Mônica Trigo assina a curadoria da mostra de longas de ficção, que reúne um total de 16 títulos de diferentes partes do mundo, como Alemanha, Coreia do Sul, Etiópia e Rússia.
 
A mostra de documentários tem seleção assinada pela jornalista e documentarista Flávia Guerra e traz nove longas, entre eles o indiano Kalpavigyan: Uma jornada especulativa (2021), de Arunava Gangopadhyay, e o francês Nós somos as novas quimeras (2020), de Mathias Averty.
 
Já a mostra de curtas-metragens conta com 86 títulos e a seleção privilegiou produções da América Latina, que são 44 do total. Ao todo, são 15 mostras competitivas entre longas e curtas.
 
TROFÉU 
Os premiados receberão o troféu José Mojica Marins e o troféu João Acaiabe para a categoria Fantastic Black Power, e as produções brasileiras concorrem a prêmios de parceiros do evento. Os melhores filmes brasileiros de curta e longa-metragens  serão indicados para o Prêmio FANTLATAM. 
 
"O cinema fantástico é um gênero com potencial criativo que permite viagens por territórios desconhecidos e inéditos, exercícios de imaginação, mas que também apresenta pautas atuais e necessárias", comenta Mônica.
 
Pernambuco está representado com Carro Rei, de Renata Pinheiro. O longa, protagonizado por Matheus Nachtergaele, foi o grande vencedor do Festival de Gramado este ano.
 
Além da exibição dos filmes, o 12º Cinefantasy promove workshops de roteiro, processo criativo e afrofuturismo. Na próxima segunda-feira (13), ocorre o debate on-line "Assédio no cinema – Vamos discutir?", com participação de Helena Ignez, Flávia Guerra, Simone Matos, Eduardo Dias Santana e Rosana Alcântara.
 
Já a exposição virtual "Elas estão comigo", de Daniela Távora, fica em cartaz no site do festival até 1º de dezembro. A mostra é composta por uma série de obras produzidas em várias mídias, tais como texto, vídeo, desenho e áudio sobre relações artísticas e influências que mulheres exercem nas trajetórias umas das outras.
 
FORMATO 
Esta é a terceira vez que o Cinefantasy é realizado de forma on-line. Na verdade, esta edição é caracterizada como híbrida, já que serão realizadas sessões presenciais em Fortaleza, no Ceará.
 
Para Mônica Trigo, o formato imposto pela pandemia da Covid-19 "não se desconstrói mais". "Nada substitui uma tela de cinema e o contato com o público, mas poder alcançar públicos de diferentes lugares é algo que nós não pretendemos abandonar nas próximas edições", anuncia. Para ela, essa transposição das barreiras geográficas é a principal vantagem do ambiente virtual, enquanto o medo da pirataria é a grande desvantagem.
 
"Infelizmente, o Brasil ainda é campeão de pirataria no mundo todo. Vazar uma obra significa encerrar a carreira dela. No começo, nós tivemos muita dificuldade com isso, principalmente com realizadores estrangeiros. Uma das nossas principais preocupações é garantir a segurança dos filmes, buscando plataformas que sejam seguras", diz.
 
SERVIÇO:
12º Cinefantasy
Quando: Desta quinta (9) a 19 de setembro
Onde: Nas plataformas Innsaei.TV (https://innsaei.tv/) e Spcine Play (www.spcineplay.com.br).
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Estudante abre fogo e mata pelo menos seis pessoas em universidade russa
Grupo Diario de Pernambuco