Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

CINEMA

3ª edição da Mostra de Cinema de Camaragibe exibe 50 curtas-metragens

Publicado em: 23/03/2021 10:26 | Atualizado em: 23/03/2021 10:43

O curta-metragem Laroyê, dirigido pelo pernambucano Rennan Peixe, integra a programação

 (Foto: Divulgação)
O curta-metragem Laroyê, dirigido pelo pernambucano Rennan Peixe, integra a programação (Foto: Divulgação)

Com filmes de ficção, animação,documentário e experimental, a Periférica - Mostra de Cinema de Camaragibe realiza a terceira edição de hoje a domingo, pela primeira vez em formato online. Serão 50 curtas-metragens, de 18 estados brasileiros e de 4 países da América Latina (Peru, Bolívia, Colômbia e Argentina), além de sessões especiais com quatro longas e três oficinas. A homenageada será Dona Dora, liderança da cultura popular do município que, desde 1965, mantém o Boi Rubro Negro, tradicional agremiação carnavalesca da cidade, com sede no bairro Alto Santo Antônio. A programação é gratuita e está disponível no site.

A mostra dá destaque à produção audiovisual de pessoas negras e mulheres, com 27 obras dirigidas por realizadoras e 25 de pessoas negras. A temática indígena também está presente com 10 filmes. Além dos curtas, serão realizadas sessões de longas a partir de amanhã, com o premiado King Kong en Asunción, do pernambucano Camilo Cavalcante. Na quinta e sexta, são disponibilizados os filmes mexicanos Negra, com direção de Medin Tewold, e Tote abuelo, com direção de María Arias Martínez. No sábado, o filme Del Palenque de San Basilio, de Esperanza Biohó e Erwin Goggel (Colômbia).

Serão realizadas três oficinas: Ponto de virada - Escritas de si (hoje e amanhã), com o roteirista Márcio Andrade, Teatro imagem: Do real ao decolonial (quinta e sexta), com o ator Wagner Montenegro, e Lab produção (sábado), com a produtora Anna Andrade. A curadoria foi formada por Izabel de Fátima, Rayssa Layssa e Ângelo Fábio. Dos 50 curtas, foram selecionados 22 são documentários, 17 obras de ficção, duas animações e nove experimentais.

“Recebemos mais de 400 filmes nesta terceira edição da Periférica, foi uma grande surpresa a quantidade e a qualidade dos inscritos. A comissão curadora partiu do conceito ‘romper fronteiras, abrir territórios’. Viver neste país numa crise pandêmica não está sendo fácil, mas o que nos resta é resistir e seguir rompendo fronteiras e abrindo territórios”, diz Ângelo. A Periférica é realizada pelo Pós-Traumático Coletivo, Tacamacaca Produções, Maat Produções e Cineclube Universo Paralelo, com incentivo da Lei Aldir Blanc.

Programação
Curtas-metragens disponíveis de 23 a 28 de março: podem ser assistidos em qualquer dia e horário

Sessões de longas-metragens disponíveis por 24h: Um filme a cada dia, a partir das 20h

Dias 24 e 25 de março
King Kong en Asunción, direção de Camilo Cavalcante (Brasil)

Dias 25 e 26 de março
Negra, direção de Medin Tewold (México)

Dias 26 e 27 de março
Tote Abuelo, direção de María Arias Martínez (México)

Dias 27 e 28 de março
Del Palenque de San Basilio, direção de Esperanza Biohó e Erwin Goggel (Colômbia)
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Grupo Diario de Pernambuco