Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

TEATRO

Palhaço Chocolate: 'Foi muito difícil não fazer o show do 13 de Maio'. Confira a entrevista

Publicado em: 22/11/2020 10:24

 (Foto: Ivaldo Bezerra/Divulgação)
Foto: Ivaldo Bezerra/Divulgação


Com 45 anos de carreira completados em outubro, o circense, ator, cantor e arte-educador pernambucano Ulisses Dornelas nunca passou tanto tempo sem pintar o rosto e vestir os trajes do Palhaço Chocolate para subir aos palcos. Foram oito meses de reclusão, com realização de três lives solidárias, e o sorriso cessou. "Após o carnaval, todos os dias foram difíceis. Só tristeza. Para mim, o dia mais difícil foi aceitar que não iria fazer o show do Dia das Crianças, em 12 de outubro, no Parque 13 de Maio. As pessoas ligavam para mim, inclusive gente do interior que esperava por aquilo o ano todo. Foi muito difícil não fazer essse show, pois realizado esse evento há 30 anos", diz o palhaço ao Viver, em entrevista por telefone.

Neste domingo (22), a partir das 10h, Chocolate retornou aos palcos na reabertura do Teatro Boa Vista, no Centro do Recife, após oito meses de paralisação. É quando entra em cartaz o musical infantil Natal Feliz, que também conta com Papai Noel e grande elenco. Confira o serviço no final da matéria. A fase 9 do Plano de Convivência, que decretou a abertura de cinemas e teatros com protocolos e limite de público, entrou em vigor em 28 de setembro. Existem as opções de receber até 100 pessoas ou 30% de ocupação do espaço, sempre dando preferência ao que der menor número.

Esse público reduzido acabou desestimulando grande parte da classe teatral por não compensar os gastos das produções, mas o Palhaço Chocolate fez questão de retornar a tempo de aproveitar ao menos uma pauta de sua agenda anual. Assim, o Boa Vista acabou sendo o primeiro equipamento do tipo a retornar com uma agenda que segue até dezembro. "O Natal Feliz significa o reencontro de crianças de várias classes sociais, dentro de um castelo onde contamos histórias sobre inclusão. Sempre fizemos um teatro voltado para a educação da criança, formação de novas plateias, sempre prezando pelo senso crítico", diz o artista.

Elenco de Natal Feliz (Foto: Ivaldo Bezerra/Divulgação)
Elenco de Natal Feliz (Foto: Ivaldo Bezerra/Divulgação)


Um ano normal para o Palhaço Chocolate começa com prévias de carnaval (incluindo Balmasquezinho e Pinto da Madrugada) e vai até as festividades de fim de ano, além de projetos como o Estação Brincar. "A paralisação muito difícil para toda a equipe, a minha banda, os bailarinos, os passistas, os técnicos. Não tem nem muito como mensurar, é um estrago muito grande”, admite o artista. Ulisses Dornelas nasceu em Olinda e criou o personagem ainda adolescente, quando formou com amigos o grupo de recreadores de festas infantis Família dos Bombons, onde ele era o “Chocolate”, guloseima que levou para a carreira.

Inquieto e proativo, o palhaço mais famoso de Pernambuco passou o período de reclusão dentro do estúdio. “Fiquei criando músicas, já tenho 20 prontas, e quero lançar DVD e CD quando a coisa melhorar no ano que vem. Decidi fazer um trabalho solitário, refazendo letras. Teve até música para a pandemia: ‘Queremos ser felizes, coronavírus, vai embora e deixa em paz todos os países’ ou ‘Saúde é uma coisa boa, fica em casa por favor'", canta Chocolate, pelo telefone. “Também pensei muito nos amigos, fiquei sem dormir direito. O artista sofre muito pois se sente porta-voz do povo", conta.

 (Foto: Ivaldo Bezerra/Divulgação)
Foto: Ivaldo Bezerra/Divulgação


Reaberto neste domingo, o Teatro Boa Vista é gerido por Ulisses Dornelas e surgiu como uma opção após o fechamento do Teatro do Parque, em 2010. "Eu tive de parar a minha temporada e conheci esse espaço que antes funcionava como um teatro exclusivo dos alunos do Salesiano, mas estava desativado. Ele estava precisando de uma reforma e eu encarei o desafio por achar o espaço muito bom", explica o ator. "Decidi colocar esse nome para fazer uma homenagem ao antigo Cine Teatro Boa Vista, que ficava na esquina da Praça Chora Menino. Já recebemos de Rita Lee a Zé Lezin. Trabalhamos para consolidar esse espaço como um lugar da cultura pernambucana."

Chocolate realiza o Natal Feliz até dezembro. Fora do Teatro Boa Vista, no futuro ele deseja compensar o vazio do Parque 13 de Maio no 12 de outubro com um grande espetáculo, ainda mais grandioso do que o habitual. "Vai ser um show especial, reunindo mais de 100 artistas no palco, para que eu possa encantar as crianças e esquecer esse ano que passou. Temos de tirar 2020 como uma lição de vida, valorizando mais a vida Eu tenho fé em dias melhores, espero que a vacina chegue e que as pessoas que estão no comando administrem a crise de forma humana."

E, se o "novo normal" foi uma prova de fogo para tudo aquilo que estava instável, o Palhaço Chocolate transpassa mais essa fase para continuar sendo uma referência no entretenimento infantil pernambucano, nordestino e brasileiro. "Eu sou porta-voz da criança. Estou atravessando a terceira geração, quem era criança já é pai e assim por diante. Estamos resistindo, formando novas plateias. O Chocolate já trocou de roupa, hoje tem vestes mais atléticas e rápidas com uma linguagem atualizada. A cada ano eu reavalio todo o meu trabalho", diz ele, que finaliza a entrevista com um verso de quem ama o que faz: "Sou artista, sou cigano, sou pernambucano / Levantando a bandeira da justiça, da saúde e da educação / O Brasil é uma grande nação”.

SERVIÇO
Musical Natal Feliz com Palhaço Chocolate
Onde: Teatro Boa Vista (Rua Dom Bosco, 551, Boa Vista - Recife, ao lado do Colégio Salesiano)
Quando: Domingo (22), às 10h
Quanto: R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia para crianças de 1 a 12 anos, estudantes, idosos e professores) e R$ 25 + 1kg de alimento, a ser entregue na portaria do teatro (ingresso social), à venda no Sympla e na bilheteria do teatro
Informações: 2129-5961
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Teatro do Parque: a volta à vida de um gigante centenário
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão ##275 Mono e dicotiledôneas
Rhaldney Santos entrevista Dr Dimas Antunes
Argentina chora perda de Maradona
Grupo Diario de Pernambuco