Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

MÚSICA

Recifense Bella Schneider aposta no pop dançante em disco de estreia

Publicado em: 28/09/2020 16:49 | Atualizado em: 30/09/2020 09:54

 (Foto: J.G. Schneider/Divulgação/ Direção de arte: Tiago Selva)
Foto: J.G. Schneider/Divulgação/ Direção de arte: Tiago Selva


A cantora e compositora recifense Bella Schneider lançou, na última sexta-feira (25), o primeiro álbum solo de sua carreira, intitulado ELA (distribuição digital da LAB 344). Caminhando na trilha do que vem sendo chamado de nova música pop nacional, o projeto de oito faixas apresenta um eletrônico dançante com leves toques de regionais, sobretudo de ritmos pernambucanos. Em SIM, por exemplo, o beat eletrônico se funde às batidas das alfaias do maracatu. A artista, que estuda música desde criança e ganhou projeção nacional no The voice Brasil (TV Globo) de 2015, define a sonoridade como "popzeira". Ela também já apresentou o programa musical Usina Sonora, transmitido pela TV Nova Nordeste e TV Cultura.

ELA foi produzido pelo produtor musical Diego Marx, responsável por álbuns como Éter, da banda Scalene, vencedor do Grammy Latino em 2016. Também contou com mixagem de Henrique Andrade (que já trabalhou para Justin Bieber, Zayn, Rita Ora e também vencedor de dois Grammys Latinos) e Ricardo Ponte. A masterização tem assinatura da holandesa E-master e do engenheiro de som Felipe Tichauer (Christina Aguilera, Timbaland, Ricky Martin, entre outros). 

Todos esses nomes justificam o tom internacional do disco, que conta com vários trechos em inglês e tem os Estados Unidos como o segundo país com mais ouvintes nas plataformas de streaming. ELA já conta com quatro singles: NADA (marcou a estreia do projeto), SIM, DÉJÁ VU e TAKE ME, com participação do pernambucano Romero Ferro, cantor que tem uma proposta similar à conterrânea com o bregawave (que mistura brega e synthpop retrô).

 (Foto: Verner Brenan/Divulgação/Direção de arte: Tiago Selva)
Foto: Verner Brenan/Divulgação/Direção de arte: Tiago Selva


"Eu acho muito legal ser uma artista pop do Recife. Acho que a música é um espelho das nossas experiências, da nossa forma de pensar”, diz Bella Schneider, em entrevista ao Diario. “Existe uma nova maneira, um momento em que os artistas evoluem. E no Recife, no Nordeste, temos muitos estilos fortíssimos da cultura popular. Eu sou claramente pop, ao mesmo tempo que trago essa cultura. Assim é possível trazer o passado e o futuro."

De acordo com a cantora, o processo de chegada na sonoridade do álbum foi natural. "Acho que o ELA tem a ver com a realidade mundial e precisamos mais disso aqui no Brasil.” Bella se diz feliz com o feedback que está tendo dos singles até o momento. “Hoje em dia não é tanta gente que está fazendo álbum, mas um disco é muito importante para mostrar quem eu sou para o mercado. As reações que as pessoas estão tendo são diversas, tem gente que se emociona. Contar a minha história e me conectar com as pessoas é incrível. Quis trazer mensagens relevantes, mas que fizessem as pessoas dançarem, curtirem as suas vidas", finaliza Bella.

Ouça o single Take Me:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Grupo Diario de Pernambuco