Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

LIVE

Depoimento de Danni Suzuki sobre elenco de 'Sol Nascente' repercute nas redes

Publicado em: 31/08/2020 21:16 | Atualizado em: 31/08/2020 22:27

 (Foto: Reprodução/Instagram)
Foto: Reprodução/Instagram
"Não tinha espaço para mim”. É o que conta a atriz Daniele Suzuki, ex-Globo, em uma live realizada em junho, mas reavivada nas redes sociais no último domingo (30). Na conversa, Suzuki dá a sua versão para o fato de ter sido cortada do elenco da novela Sol Nascente, exibida entre agosto de 2016 e março de 2017, e o porquê de ter optado por se desvincular da emissora após o ocorrido. O depoimento viralizou entre os internautas, que abriram discussão sobre racismo e discriminação étnica.

Com apenas 21 pontos de audiência, a novela da faixa das 18h foi uma decepção na época. Mas, antes mesmo da estreia, Sol Nascente já apresentava problemas muito maiores do que a falta de público. A trama, que se passava em uma fictícia cidade litorânea, era protagonizada por uma família de descendentes de japoneses. No entanto, para o espanto do público, nenhum dos atores principais tinha ascendência asiática.

O patriarca da família, o japonês Kazuo Tanaka, foi vivido por Luis Melo. E sua filha, Alice, foi vivida por Giovana Antonelli. A justificativa para a escalação controversa seria de que Alice era, na verdade, filha adotiva de Kazuo. Mas a polêmica não para por aí.

Em entrevista realizada pela também atriz Bruna Aiiso no Instagram, Danni Suzuki declarou que a personagem principal de Sol Nascente foi inspirada nela: "Eu era a protagonista da novela. Tinha sido escrita pelo Walter Negrão (um dos autores da trama) para mim. Ele me chamou pra conversar. Pesquisou minha vida. Fez a história de japonês com italiano, que é a minha história. Ela era designer porque eu fiz design industrial, ela surfava porque eu surfava. Enfim, foi toda construída em cima da minha vida real”, conta a atriz, que não foi escalada para o papel.

Quatro anos após o ocorrido, quando Suzuki finalmente falou sobre a situação, seu depoimento viralizou entre os internautas. Alguns se revoltaram e manifestaram indignação, outros julgaram o episódio como racista:

Na época, o autor Walter Negrão explicou a situação para o portal Ego: "Tentamos achar nos testes uma protagonista japonesa, mas não encontramos uma com status de estrela. Eu precisava disso, a Globo queria uma estrela. Novela tem um custo muito alto, não dá para arriscar".

Outra justificativa dada pela produção, seria de que Danni Suzuki era, na verdade, muito velha para o papel. A contradição é que a escolhida para o protagonismo foi a atriz Giovana Antonelli, dois anos mais velha e, para completar as especulações, esposa do diretor da novela, Leonardo Nogueira.

Em um comentário no Instagram, Antonelli negou as alegações: "Jamais disputei ou troquei papel com esta atriz na minha carreira. Colocar meu nome nesta situação é vergonhoso".

Whitewashing
Em 2016, o elenco de Sol Nacente causou muita revolta e um manifesto foi assinado por cerca de 200 artistas brasileiros com ascendência oriental, questionando a escolha dos atores e pedindo pelo fim da discriminação étnica.

Não foi a primeira acusação de whitewashing — palavra de origem inglesa, que significa ‘branqueamento’ — contra a Globo. No universo audiovisual, seria a escalação de atores brancos em papéis que deveriam pertencer originalmente a pessoas de outras etnias.

Em maio de 2018, por exemplo, a emissora foi acusada novamente de racismo com a novela Segundo Sol, de João Emanuel Carneiro. Ambientada em Salvador, a trama tinha apenas protagonistas brancos. Desta vez, os protestos foram ainda mais fortes e o Ministério Público do Trabalho entrou com uma ação contra a emissora, que reconheceu que precisava "evoluir com essa questão".

Na live ocorrida em junho, Danni Suzuki completou a série de desabafos dizendo que o episódio vivido por ela a fortaleceu, e a motivou a sair da Rede Globo e buscar novos rumos: "Decidi buscar outro caminho, mas não no papel de vítima", declara a atriz, que desabafa: "A escolha deles (Globo) não era compatível com as minhas. Eu usei aquilo para me impulsionar e pra mim aquilo foi um presente; comecei a mergulhar na questão dos refugiados, tirei tempo livre para dirigir o meu documentário". Hoje, Suzuki dirige uma série sobre crianças refugiadas e é integrante da ONG Aldeias infantis, no Rio de Janeiro, que acolhe famílias refugiadas no Brasil.

Em nota, a Globo disse "desconhecer as informações prestadas" e informou que "os critérios de escalação das obras são técnicos e artísticos". 

Confira a íntegra da nota:
"Desconhecemos as informações prestadas. Os critérios de escalação das obras da Globo são técnicos e artísticos. São avaliados vários aspectos, como adequação ao perfil do personagem, disponibilidade do elenco, composição total do casting, dentre outros. E essa decisão não cabe apenas a um profissional e sim a um time, composto por autor, diretores e diretoria de Entretenimento da empresa."
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Brasil é vítima de desinformação sobre meio ambiente, diz Bolsonaro
Rhaldney Santos entrevista o empreendedor digital Harry Thorpe, criador da plataforma Miauu
Grupo Diario de Pernambuco