Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

Cinema

Itaú Cultural disponibiliza filmes do Brasil contemporâneo gratuitamente

Publicado em: 17/07/2020 17:32

Cenas de Arábia, Azougue Nazaré e Inferninho (Foto: Divulgação)
Cenas de Arábia, Azougue Nazaré e Inferninho (Foto: Divulgação)

O Itaú Cultural disponibiliza, a partir desta sexta-feira (18), a mostra online Brasil Cinema Agora!, com quatro longas-metragens premiados em festivais nacionais e internacionais. A curadora Francesca Azzi selecionou histórias que simbolizam a contemporaneidade brasileira, em seus aspectos socioculturais, para se compreender o país nos dias de hoje. Os filmes são Árabia, dos cineastas mineiros Affonso Uchôa e João Dumans, Azougue Nazaré, de Tiago Melo, Inferninho, dos cearenses Guto Parente e Pedro Diógenes, e Chuva é cantoria na aldeia dos mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora. Os longas ficam disponíveis em streaming até 1º de agosto no site www.itaucultural.org.br.

Vencedor da categoria melhor filme no 50º Festival de Brasília e exibido em grandes festivais internacionais, entre eles o holandês International Film Festival Rotterdam, o austríaco Viennale e o londrino BFI, Árabia dialoga sutilmente com a precarização das relações de trabalho em uma região bastante explorada pela mineração. Na história, ao encontrar o diário de um trabalhador, em uma vila operária da cidade de Ouro Preto, o jovem André entra em contato com a comovente trajetória de vida de Cristiano, em meio às mudanças sociais e políticas do Brasil nos últimos 10 anos.

O filme Azougue Nazaré revela humor e apresenta acontecimentos fantásticos em uma pequena cidade perdida entre o Carnaval do Maracatu e a religião evangélica. Em meio aos canaviais, um grupo de pessoas vive suas vidas, suas tensões, seus desafios, seus sonhos e também rituais fantásticos à espera da chegada dos dias de festa. Enquanto isso, Catita esconde de sua esposa que participa do Maracatu, pois sua companheira é fiel da igreja do Pastor Barachinha, um antigo mestre de maracatu, convertido à religião evangélica, e que se vê na missão de evangelizar todas as pessoas da cidade. O longa-metragem pernambucano foi premiado, em 2018, no International Film Festival Rotterdam, na Holanda, e no Cinélatino – 30º Rencontres de Toulouse, na França.

Inferninho se tornou uma espécie de ícone de um cinema original, transgênero e, ao mesmo tempo, cheio de referências cinematográficas que inserem o espectador em um humor incomum e cativante. Dona do bar Inferninho, uma espécie de cabaré dos excluídos, Deusimar quer deixar tudo para trás e ir embora para um lugar distante. Por outro lado, Jarbas, o marinheiro que acaba de chegar, sonha em ancorar na cidade e fincar raízes. O amor que nasce entre os dois transforma por completo o cotidiano do bar que reúne sonhos e fantasias entre seus frequentadores. Inferninho recebeu o prêmio de melhor filme pelo Festival Internacional de Cinema Queer, em Lisboa.

Chuva é cantoria na aldeia dos mortos dá voz sensível aos indígenas da aldeia Pedra Branca, Terra Indígena Krahô, no Tocantins. No conto, Ihja%u0303c, um jovem amedrontado com os feitiços de seu pajé e triste pela morte de seu pai, se recusa a se tornar xama%u0303 e foge para a cidade grande. Longe de seu povo e da própria cultura, ele enfrenta as dificuldades de ser um indígena neste Brasil contemporâneo. Exibido em mais de 30 festivais internacionais, entre eles o de Cannes, recebeu o prêmio de melhor obra de ficção do Festival de Cinema de Lima, no Peru, e o prêmio especial do júri da seção Un Certain Regard no Festival de Cannes. O filme ainda foi agraciado no Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, considerado o mais importante da América do Sul, depois de, dias antes, ter sido premiado no Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro.

SERVIÇO
Mostra online - Brasil Cinema Agora!
De 18 de julho a 1 de agosto
Em www.itaucultural.org.br/

Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans
Minas Gerais, 2017
Duração: 96 minutos
Classificação indicativa: 16 anos

Azougue Nazaré, de Tiago Melo
Pernambuco, 2018
Duração: 82 minutos
Classificação indicativa: 14 anos

Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes
Ceará, 2018
Duração: 82 minutos
Classificação indicativa: 12 anos

Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Joa%u0303o Salaviza e Rene%u0301e Nader Messora
Tocantins, 2018
Duração: 114 minutos
Classificação indicativa: Livre
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Erro ao renderizar o portlet: N19 - CORPO - Vídeos PECOM

Erro: 'latin-1' codec can't encode character u'\u2018' in position 882: ordinal not in range(256)
Grupo Diario de Pernambuco