Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

Artes visuais

Aos 17 anos, recifense exalta cultura e paisagens de Pernambuco em pinturas com poesias

Publicado em: 28/07/2020 13:10

As obras de Mathues já despertaram a atenção de nomes como Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Gilberto Gil, Elza Soares, Chico César, entre outros (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)
As obras de Mathues já despertaram a atenção de nomes como Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Gilberto Gil, Elza Soares, Chico César, entre outros (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)


Personalidades da cultura pernambucana e espaços urbanos do Recife e Olinda ganham tons líricos e afetivos nas mãos de Matheus Miguel. O recifense, que ainda vai completar 18 anos em agosto, tem produzido ilustrações com base em tinta aquarela, geralmente acompanhadas com poesias (autorais ou citações) e trechos de canções. O conteúdo é digitalizado e publicado na conta de Instagram Poesia nas Estrelas (@poesianasestrelas), que tem cerca de 20 mil seguidores. As obras já despertaram a atenção de nomes como Alceu Valença, um de seus personagens favoritos, Geraldo Azevedo, Gilberto Gil, Elza Soares, Chico César, Sônia Braga, entre outros artistas que já republicaram conteúdos ou interagiram com a página. Confira mais obras no final da matéria.

Os desenhos de Matheus não estão tão preocupados em evidenciar detalhes, mas sim em acentuar um estilo de traço afetivo, que procura traduzir sentimentos pessoais em relação aos artistas retratados, obras artísticas ou paisagens. Um exemplo recente que consegue sintetizar essas características é uma série de ilustrações intitulada O Recife de Clarice Lispector. Para traduzir a saudade de vivenciar a cidade, a escritora aparece com cabeça e membros que extrapolam para fora de sua famosa casa residência no Centro da capital pernambucana. "E essa cidade vai nos consumindo / Não perdoa / Ou a gente cresceu muito ou ela ficou pequena demais / Pequena demais para tanta saudade", diz o poema.

"Eu desenho desde criança. Inclusive, levava muitas reclamações por riscar as paredes como quem tomava água. O tempo foi passando e esse costume de desenhar permaneceu", conta Matheus. "No final de 2017, eu estava bem triste por questões de relacionamento e resolvi criar essa página de poesias. Nela, passei a postar em um tom mais profissional, digamos assim", continua o garoto, que afirma nunca ter ingressado em curso de desenho ou artes. Ele iria iniciar o curso de design na UFPE neste ano, mas a pandemia acabou atrasando o plano.

A relação mais profunda com a escrita começou na escola. “Eu me sentia desconfortável em ser forçado a escrever um texto dissertativo. Me sentia à vontade quando podia produzir um texto mais aberto. Na página, comecei com desenhos e depois fui colocando as primeiras poesias. Com o tempo, começou-se a criar uma certa identidade, por ser voltada para a cultura brasileira e de Pernambuco. Em parte, meus pais me apresentaram muitas coisas, mas também conheci vários artistas sozinho. É uma paixão que foi sendo cultivada desde criança”, conta.

Alceu Valença é um dos personagens favoritos de Matheus Miguel, 17 (Foto: Amanda Luz/Divulgação)
Alceu Valença é um dos personagens favoritos de Matheus Miguel, 17 (Foto: Amanda Luz/Divulgação)

Matheus também se inspira em determinados períodos festivos. No São João, produziu homenagens a Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Elba Ramalho e Geraldo Azevedo. No carnaval, aparecem personagens como o Homem da Meia Noite, caboclos de lança, Maestro Spok, Nena Queiroga, André Rio e, é claro, várias versões de Alceu. Nomes da MPB como Tom Jobim, Milton Nascimento, Belchior e Caetano Veloso também estão presentes. O longa Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, marcou muito o adolescente e ganhou várias ilustrações enquanto o filme esteve nos cinemas. "É como se fosse uma linha do tempo de questões culturais, sociais e políticas", diz.

O Poesia nas Estrelas já publicava desenhos de paisagens de Olinda, mas o desejo de Matheus Miguel em explorar o espaço urbano cresceu durante o distanciamento social. "Comecei a reparar no que faz a cidade respirar ou a sufoca. Isso ocorre porque eu estou na cidade, mas não faço parte do cotidiano, não a vejo ao vivo. Esses desenhos talvez estejam me salvando dessa saudade que o isolamento está criando. Estamos vazios de cenários."

Nesse âmbito urbanístico, Matheus já publicou desenhos da Ponte da Boa Vista, da fachada do Cinema São Luiz e da Avenida Conde da Boa Vista. A fagulha para essa vertente talvez tenha nascido com uma ilustração de protesto pela morte do menino Miguel Otávio, no começo de junho. Um caranguejo gigante, símbolo que remete à ideologia do movimento manguebeat, aparece arrancando os edifícios Píer Maurício de Nassau e Píer Duarte Coelho, conhecidos como “Torres Gêmeas”. Essa obra, assim como várias outras do artistas, chegou a ser projetada na fachada de um prédio de Belém, no Pará, por uma iniciativa do coletivo @mostratuaarte.

"Eu produzo minha arte por uma necessidade pessoal, imerso na dor e na delícia de ser artista nesse país. Agradar ou acertar é uma consequência", conclui Miguel. "Uma menina me disse que descobriu o meu trabalho assim que começou a namorar e a página se tornou a trilha sonora do romance dela. Isso mexeu muito comigo, porque essa página também uma trilha para mim. Quando algo vai para o mundo, é realmente do mundo. As reações são inesperadas e gratificantes. Isso contribuiu para a continuidade do projeto", finaliza.

Confira mais obras:

Ilustração de protesto a morte do menino Miguel, em junho (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)
Ilustração de protesto a morte do menino Miguel, em junho (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)


Fachada do Cinema São Luiz (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)
Fachada do Cinema São Luiz (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)


Caetano Veloso (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)
Caetano Veloso (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)


Ponte da Boa Vista com Homem da Meia-Noite (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)
Ponte da Boa Vista com Homem da Meia-Noite (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)


Ilustração da série O Recife de Clarice Lispector (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)
Ilustração da série O Recife de Clarice Lispector (Foto: @poesianasestrelas/Divulgação)


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Órfãos da pandemia: um retrato trágico da contaminação pelo novo coronavírus
Escolas particulares se antecipam e já organizam retorno das atividades mesmo sem data para retomada
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
É preciso tocar a vida e se safar deste problema, diz Bolsonaro sobre pandemia
Grupo Diario de Pernambuco