Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

SÉRIE

Entenda por que 'Dark', da Netflix, se tornou um fenômeno do streaming

Publicado em: 26/06/2020 21:31

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
Entrar no seleto rol de séries que fizeram história na televisão mundial é um desafio. Isso porque a quantidade de produções seriadas que estreiam por ano é imensa. Mas, vez ou outra, seriados se destacam, normalmente por fatores de ineditismo. Isso foi o que aconteceu com a série alemã Dark, que estreou em 2017 no serviço de streaming Netflix e encerra a narrativa no sábado (27), quando estreia os oito novos episódios da terceira temporada.

Neste ano, a produção foi considerada a melhor série da Netflix, batendo, inclusive, Stranger things. O título foi escolhido em votação popular no site Rotten Tomatoes, que agrega críticas sobre filmes e séries para dar vereditos sobre as produções. Mais de 2,5 milhões de usuários votaram e 80% dos votantes escolheram Dark para o título de melhor produção do serviço de streaming.

O primeiro ponto em relação ao sucesso de Dark é exatamente a origem. A produção foi uma das primeiras fora do território dos Estados Unidos e da Inglaterra, maiores produtores do formato audiovisual, a ser produzida pela Netflix. A trama é 100% alemã: criada, falada, protagonizada e gravada na Alemanha.

Outro aspecto que a tornou num grande fenômeno foi o enredo em si. Criada por Baran bo Odar e Jantje Friese, a série gira em torno do misterioso desaparecimento de jovens na proximidade de uma usina na cidade de Widen. Fato que aconteceu de forma parecida 33 anos antes. À primeira vista, o seriado lembrou outro hit da Netflix, Stranger things, dos irmãos Duffer. No entanto, basta adentrar na narrativa para perceber que são produções diferentes, já que Dark, em sua primeira temporada, tem três linhas temporais exploradas numa complexa e instigante história encabeçada pelos protagonistas Jonas (Louis Hofmann) e Martha (Lisa Vicari).

"Dark apresenta um ritmo diferente, mais lento, pausado, com uma construção narrativa que exige atenção de quem entra no jogo temporal. Assim como os personagens, nós também nos emaranhamos na trama espaço-temporal, desafiando nossa compreensão. Nós entramos na caverna de Dark com os personagens, fazendo-nos as mesmas perguntas filosóficas: 'quem sou, de onde vim, para onde vou'". Talvez esse seja o segredo do sucesso de Dark", avalia Sandra Trabucco Valenzuela, professora doutora da Fatec/FAM e estudiosa de Dark, tendo publicado artigos sobre a série, como A fragmentação na série Dark: o ser, o espaço e o tempo; e A série Dark: aspectos literários e filosóficos na leitura do espaço-tempo.

Referências pops
Além disso, Dark trabalha questões filosóficas, científicas, históricas e tem muita referência de cultura pop dialogando com outras produções que fizeram muito sucesso. "Dark exige um receptor curioso, com repertório que vai da cultura pop alemã a questões histórico-filosóficas relativas ao pós-guerra, da física à publicidade da década de 1980, de Chernobil à literatura clássica alemã, da mitologia grega ao cristianismo, da ficção ciberpunk (dieselpunk, steampunk e pós-punk) a Shakespeare. Nenhuma resposta é fácil, a narrativa é um labirinto envolvente e sedutor, repleta de fios deixados como pistas ou, talvez, falsas pistas", completa Sandra.

Mais um ponto positivo para Dark é o modo de distribuição da Netflix, de liberar, em sua maioria, todos os episódios de uma temporada juntos, para a famosa maratona. "Fãs de séries sabem como é difícil esperar um ano pela próxima temporada, porém, é mais difícil ainda aguardar o horário fixo da próxima semana, como aconteceu, por exemplo, com os episódios de Game of thrones ou Breaking bad. Para o público, é muito melhor disponibilizar a série na íntegra, pois isso permite controlar o tempo de que se dispõe diante da TV, escolhendo assistir a um episódio inteiro ou parte dele, ou mesmo uma temporada inteira", afirma a estudiosa.

Nas duas primeiras temporadas de Dark, a série se dedica a explicar as conexões estranhas e constantes entre quatro famílias moradoras do município de Widen: Doppler, Nielsen, Kahnwald e Tiedelmann. Tudo isso a partir de um conceito bastante explorado no audiovisual: o espaço-tempo. Por isso, a produção insiste em frases como "tudo está conectado" e "o fim é o começo, e o começo é o fim". Na terceira temporada, Dark abre ainda mais o leque, chegando a outros conceitos comuns à ficção científica, em uma conclusão pertinente e que explica a maior parte dos conflitos levantados nos três anos de série.

O consistente final de Dark — a reportagem teve acesso aos oito episódios que serão disponibilizados na madrugada de amanhã na Netflix — é também a confirmação de que a trama ficará para a história da televisão atual, a tevê feita no streaming.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Grupo Diario de Pernambuco