Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

STREAMING

Youtube e Netflix reduzem velocidade na Europa para evitar bloqueio da internet

Por: AFP

Publicado em: 20/03/2020 09:52

O teletrabalho e o confinamento na Europa para evitar a propagação da pandemia provocaram um aumento do tráfego na internet. (Foto: CHRIS GRAYTHEN / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
O teletrabalho e o confinamento na Europa para evitar a propagação da pandemia provocaram um aumento do tráfego na internet. (Foto: CHRIS GRAYTHEN / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
Netflix e Youtube reduzirão a qualidade do streaming de vídeos para diminuir a pressão sobre a internet na Europa, onde vários países decretaram confinamento para conter a propagação do novo coronavírus.

Depois de conversar com o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, a Google, proprietária do Youtube, decidiu seguir os passos do Netflix, que na quinta-feira tomou a decisão de reduzir a velocidade em todo os fluxos de transmissão na Europa durante 30 dias.

"Nos comprometemos a mudar temporariamente todo o tráfego da UE para a definição standard como parão", afirma um comunicado divulgado pela Google, que também expressa o compromisso da empresa a trabalhar com governadores e operadores de rede.

O teletrabalho e o confinamento na Europa para evitar a propagação da pandemia provocaram um aumento do tráfego na internet, o que levou Breton a entrar em contato nos últimos dias com as plataformas digitais para reduzir a pressão.

A Europa se tornou o epicentro da pandemia, que começou na China em dezembro e infectou desde então mais de 240.000 pessoas e que se aproxima da barreira simbólica de 10.000 mortes no mundo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Estados Unidos podem ser novo epicentro do vírus
Coronavírus em Pernambuco - resumo de 24/03/2020
Moda: aproveite o tempo em casa para desenvolver seu estilo pessoal
Chefe da ONU pede cessar-fogo imediato e global diante do avanço do coronavírus
Grupo Diario de Pernambuco