Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

CINEMA

Ódio contra imigrantes é tema do filme 'Doce entardecer na Toscana'

Por: Uai

Publicado em: 12/03/2020 13:25

 (Foto: Arteplex/Divulgação)
Foto: Arteplex/Divulgação
Até onde as palavras podem nos levar? A poeta Maria Linde (Krystyna Janda) acredita que não há muito mais o que falar ou escrever. Autora consagrada, a polonesa de origem judaica há muito deixou seu país natal. Na Itália, casou, teve sua filha e fez sua carreira. Já chegada aos 60 anos, mas sem se deixar levar pelo peso da idade, leva uma vida tranquila, em Volterra, vila medieval na Toscana. Recebeu, há pouco, o Nobel de Literatura. 
 
'Doce entardecer na Toscana', filme polonês dirigido por Jacek Borcuch que estreia nesta quinta (12) no Cine Belas Artes, se anuncia como mais uma narrativa sobre o outono de quem já viveu muito. É pelo menos esta a ideia apresentada na primeira parte da narrativa. Ora em italiano, ora em polonês e, em alguns momentos ainda em francês, o ciclo das pessoas que cercam Maria Linde nos é apresentado.

Atriz que atuou em filmes do conterrâneo Andrzej Wajda – 'O homem de mármore' (1977) e 'O maestro' (1980) – e no oscarizado 'Mephisto' (1981), do húngaro István Szabó, Krystyna Janda foi a vencedora do prêmio do júri de melhor atriz no Festival de Sundance de 2019 por seu papel em Doce entardecer na Toscana.
 
Mulher progressista e de espírito livre que não se vê no corpo em que habita, Maria tem uma vida em família – marido, filha, dois netos – e outra fora de casa. É com o imigrante egípcio Nazeer (Lorenzo de Moor) que consegue dar vazão a sua ânsia de viver. A bordo de um Porsche conversível roda em alta velocidade pelas estradas da região.
 
Só que a camada de tranquilidade é apenas aparente. “Eles podem ser perigosos”, avisa um personagem logo no início da narrativa. “Eles” são um grupo de imigrantes que sumiram de um campo de refugiados. O desaparecimento do neto de Maria é outro foco de tensão. Quem o leva para casa é justamente Nazeer. O tratamento que o imigrante, dono de um restaurante, recebe por ter encontrado o menino mostra a força da xenofobia no Velho Continente.

A tensão explode, literalmente, no início do segundo ato do filme. Roma é assolada por um atentado terrorista que deixa muitas vítimas. O impacto no país e em seus habitantes é arrasador. Cada qual sente a tragédia à sua maneira. E Maria, que vem de um passado de perseguição, descobre que ainda tem o que dizer, mesmo que os que a cerquem vivam em uma bolha de intolerância que eles mesmos não percebem.
 
A entrega de um prêmio menor frente ao Nobel – mas que para a poeta tem uma importância pessoal – é a ocasião que Maria escolhe para mostrar seu incômodo frente a seu mundo de privilégios e à escalada de intolerância na Europa. O desconforto frente às palavras – tanto dos fãs da autora quanto de seus próprios familiares – vai se metamorfoseando em ódio, que ela sentirá na própria pele.
 
Maria tem consciência do peso do que disse. E também da falta de reflexão das pessoas, que não pensam mais por si próprias. Na parte final, a protagonista resolve discutir a própria moralidade em uma entrevista que se negava a dar antes dos acontecimentos. É uma grande sequência, seguida de outra, de forte impacto visual, pois acontece no centro de uma cidadezinha medieval que sofreu ao longo dos séculos – Volterra tem uma história de resistência frente ao cerco nazista. Tais momentos só fazem reforçar que, a despeito da passagem do tempo, ideias fascistas estão sempre à espreita.

Veja trailer de 'Doce entardecer na Toscana':


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Estados Unidos podem ser novo epicentro do vírus
Coronavírus em Pernambuco - resumo de 24/03/2020
Moda: aproveite o tempo em casa para desenvolver seu estilo pessoal
Chefe da ONU pede cessar-fogo imediato e global diante do avanço do coronavírus
Grupo Diario de Pernambuco