Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

CRÍTICA

Idealizadora de série sobre Marielle pede desculpas e diz que terá negros e mulheres em equipe

Por: FolhaPress

Publicado em: 11/03/2020 22:54

 (Foto: Reprodução/Instagram)
Foto: Reprodução/Instagram
Idealizadora da série de ficção sobre a vida e o assassinato da vereadora Marielle Franco (1979-2018), Antonia Pellegrino pediu desculpas nesta quarta-feira (11) por declaração que deu para justificar a escolha de José Padilha como diretor do projeto.

Em entrevista à coluna de Maurício Stycer, no UOL, no domingo (8), ela disse que pensou em ter um diretor negro na série, mas deu a entender que não achou alguém com as características que procurava. "Se tivesse um Spike Lee, uma Ava DuVernay...", afirmou, na ocasião.

Após a repercussão negativa da declaração nas redes sociais, Pellegrino chegou a dizer que "não tem uma Ava DuVernay no Brasil não porque não existam diretoras negras talentosas. Mas porque existe sim racismo estrutural."

Nesta quarta-feira (11), em longo texto publicado em seus perfis no Twitter e no Instagram, Pellegrino pediu desculpas. "Peço perdão pela desastrosa declaração. Em seguida, gostaria de agradecer a todas as pessoas negras do cinema ou não, coletivos, blogs, movimentos, sites que apontaram o meu erro e me fizeram enxergar o que a branquitude não o fez", afirmou ela, em longo texto publicado nos seus perfis no Instagram e Twitter.

A autora também afirmou que, desde o início, a sua intenção é ter uma equipe diversa, "com negros e mulheres na liderança do processo criativo".

"Os convites para essas lideranças, mapeadas muito antes da assinatura do contrato, estão em curso: autoras, autores, diretoras e diretores estão discutindo as condições de sua participação no projeto."No texto, Pellegrino afirmou ainda que, em um primeiro momento ao receber as críticas, achou que estava sendo mal interpretada. "Para mim, Antonia, era tão óbvio que eu me referia às relações de negócios viciadas pelo racismo estrutural que não consegui enxergar o que era realmente óbvio: Tentei justificar uma relação estratégica de trabalho com um discurso que não apenas reforçava a tal estrutura que eu criticava, como era também a sua principal causa", escreveu.

A partir daí, ela disse que passou a escutar as críticas e entendeu que, "do alto da minha arrogância e ignorância de mulher branca, da zona sul do rio, que eu não precisava 'denunciar' algo que todas e todos já sabiam." 

Pellegrino afirmou que ficou decepcionada com ela mesma: "Como eu pude dizer uma frase tão estúpida?  Hoje, vejo que a resposta é simples: como muitas pessoas brancas progressistas e antirracistas, tive a certeza de que minhas intenções eram tão boas que jamais seriam questionadas neste âmbito.

A autora disse que em nenhum momento se sentiu atacada ou com raiva pelas críticas, mas teve vergonha pelo seu posicionamento inicial. "Este é um projeto que, desde o primeiro momento, é fundamentalmente comprometido com a luta por justiça por Marielle Franco. São dois anos sem resposta para a pergunta: quem mandou matar Marielle? E contar sua saga, na atual conjuntura, dando máxima visibilidade à história desta heroína brasileira e à sua execução brutal é uma forma de manter o apelo social do caso. Entendo e respeito quem discorde, mas este foi meu compromisso com a família de Marielle."

Série
A ideia da série, que ainda não tem título e deve estrear em 2021, foi desenvolvida por Antonia Pellegrino, escritora, diretora, roteirista e amiga pessoal de Marielle Franco.

Com previsão de duas temporadas, a primeira vai girar em torno da biografia de Marielle Franco, culminando com as circunstâncias do crime que chocou o Brasil e o mundo. Já na segunda, o foco será nos mandantes e, se o caso for solucionado, na resolução do crime.

Ainda não foi divulgado o elenco que deve integrar a série.

A socióloga Marielle Franco foi morta a tiros junto com o motorista Anderson Gomes, na zona norte do Rio de Janeiro, no dia 14 de março de 2018. A morte da vereadora causou grande comoção no Brasil e reverberou para outras nações que pediam a identificação e punição do assassinos - até hoje, a pergunta de quem matou a vereador segue em aberto.

Além da série de ficção, a Globoplay apresenta nesta quinta-feira, após o Big Brother Brasil, o primeiro episódio de um documentário sobre o atentado que tirou a vida de Marielle. Na sequência, os outros cinco episódios estarão disponíveis na plataforma de streaming.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Estados Unidos podem ser novo epicentro do vírus
Coronavírus em Pernambuco - resumo de 24/03/2020
Moda: aproveite o tempo em casa para desenvolver seu estilo pessoal
Chefe da ONU pede cessar-fogo imediato e global diante do avanço do coronavírus
Grupo Diario de Pernambuco