Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

LITERATURA

Obra do padre Frederico Bezerra Maciel lança olhar sobre meandros do Sertão

Publicado em: 06/11/2019 10:10 | Atualizado em: 06/11/2019 10:57

 (Na obra, o padre Frederico Bezerra Maciel leva o leitor caatinga adentro para admirar a beleza da terra. Foto: Roberto Arrais/Divulgação.)
Na obra, o padre Frederico Bezerra Maciel leva o leitor caatinga adentro para admirar a beleza da terra. Foto: Roberto Arrais/Divulgação.
Quando Carnaíba, a pérola do Pajeú caiu em minhas mãos, pensei que se tratava de mais um daqueles livros sobre cidades e que só interessava mesmo a quem havia nascido nelas. Quebrei a cara. A obra do padre Frederico Bezerra Maciel é um tratado de paixão a um lugar, a uma gente. O livro é uma viagem emotiva pelos meandros do Sertão, do Nordeste. A linguagem de Maciel é cinematográfica. Ele leva o leitor caatinga adentro para admirar a beleza da terra. É uma saga, como bem compara Sílvio Roberto Maciel Freire, sobrinho do religioso, a que nos remetem Guimarães Rosa e Euclides da Cunha.

Ou, como diz na apresentação o próprio prefeito de Carnaíba, Anchieta Patriota: “Esse livro não é só para se ler, mas se experienciar, refletir e buscar novos rumos. É um livro para ser lido e degustado a cada página, cada capítulo, porque ele nos mostra que viver é uma grande dádiva, um grande presente divino”. Com um grande amor à terra que adotou como sua – ele era natural de Pesqueira -, Maciel traça um painel de usos e costumes, perfil de sua gente, dissecando flora e fauna. Engenheiro e pregador nato, o religioso é uma figura celebrada pelo povo da região.

O padre dá uma mostra do que acontecia na Região do Pajeú, no Recife, no estado como um todo, no país e, quiçá, no mundo. É o retrato de uma época histórica do início até metade do século passado. A Coluna Prestes, UDN, Ação Católica, Agamenon Magalhães e João Cleofas, o amor também por Triunfo, o desapego por Flores, as chegadas da estrada de ferro e da 232, entre outros fatos que construíram a identidade de uma nação.

“Não somente exerci as funções de cura de almas, senão também atentei para o homem como um todo. Embora olhando para o céu, compreendi que tinha uma missão aqui na terra. Assim, além de construir e reformar os templos do Senhor, de promover seu serviço e glória, concomitantemente, procurei cuidar de tudo o que podia favorecer e valorizar o ser humano: educação, arte, diversão, cultura, alegria, saúde, comércio, comunicação... e até política, esta no sentido real do interesse do povo”, diz Maciel.

Nos cinco anos em que viveu em Carnaíba, de 1945 a 1950, padre Frederico Maciel abriu ruas e estradas, nas áreas urbana e rural, construiu casas, cemitérios, incentivou a vocação da cidade para a música, lutou pela sua emancipação, o que ocorreu quando ele já não servia mais àquela terra. A fé e a religiosidade do homem sertanejo estão mais do que presente nos rituais das novenas, no esforço para construção da Igreja Matriz e das capelas, nas chegadas nos sinos, nos cânticos e orações e na maneira forte e brava do nordestino resistir à seca. Todos aqueles que ajudaram a construir a cidade estão lá, com suas árvores genealógicas. Os tipos curiosos, as festas, os boadeiros, vaqueiros, as botadeiras de água, os fogueteiros e outras tantas curiosidades.

Uma cidade passada a limpo. Não se pretende ser um grande aulão de história – e é -, parece um romance daqueles que o protagonista nos prende com seu vocabulário, humor, excelente português e muito charme, do início ao fim. Só para não esquecer, os momentos finais vividos pelo padre Frederico Bezerra Maciel em Carnaíba, quando praticamente saiu fugido, são coroados com bastante suspense.

No final da obra, o leitor ainda é presenteado com fotos que dão uma rápida mostra da Carnaíba de hoje. Padre Maciel nasceu em 1912 e morreu em 1991, mas antes nos brindou com esta belíssima obra, que sai agora em segunda edição, com apoio da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) e da Prefeitura Municipal de Carnaíba.

Serviço
Lançamento do livro Carnaíba, a pérola do Pajeú
Quando: Quinta-feira(7), às 19h
Onde: Pátio de Feiras e Eventos Milton Bezerra das Chagas
Preço do livro: R$ 30 (valor revertido para compra de material para a Escola de Música Maestro Israel Gomes)
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Primeira Pessoa com Sam Nóbrega
O esforço de Guilherme e a rede de solidariedade que surgiu
Sobre Vidas: Natanael Ramos e Gil Sormany
Salão de Tóquio: Mitsubishi 2020
Grupo Diario de Pernambuco