Aula-espetáculo Cavalo Marinho Estrela de Ouro ganha Pernambuco com projeto itinerante

Por: Samuel Calado - Redes Sociais e Site

Publicado em: 30/10/2019 20:55 Atualizado em:

Cavalo Marinho Estrela de Ouro. Foto: Divulgação
Cavalo Marinho Estrela de Ouro. Foto: Divulgação

Entre os dias 4 e 8 de novembro, seis cidades de Pernambuco serão contempladas com a aula-espetáculo No Passo e no Compasso do Cavalo Marinho Estrela de Ouro. O projeto inovador tem a finalidade de promover a cultura popular aos estudantes da rede estadual de ensino, distribuídas entre as regiões metropolitana, Zona da Mata, Agreste e Sertão. São eles: Condado, Tracunhaém, Limoeiro, Caruaru, Serra Talhada e Recife. A equipe de reportagem do DIARIO embarcará com o grupo nesta aventura cultural, realizando a cobertura em tempo real nas plataformas digitais. O Estrela tem 40 anos de existência, já está na quarta geração de brincantes e coleciona vários títulos e honrarias. 

De forma inédita, em cada município haverá uma interação artística com grupos e manifestações locais. A atividade será vivenciada em quatro momentos. No primeiro, o mestre Biu Alexandre fará uma explanação sobre o brinquedo popular. Logo após, acontecem as apresentações junto aos grupos convidados. A atividade termina com a comunidade escolar sendo convidada a brincar cavalo-marinho. 

O idealizador, produtor e professor universitário Clébio Marques explica que a escolha do grupo originário da Mata Norte deu-se pela importância da manifestação na formação da identidade pernambucana. “Existe uma falta de conhecimento muito grande sobre o assunto. O Estrela de Ouro é reconhecido oficialmente como Patrimônio Vivo de Pernambuco, sendo o mais importante deste segmento no Brasil. Ele é conhecido internacionalmente e coleciona vários materiais bibliográfico e de audiovisual que enaltecem a cultura popular”. 

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O roteiro começa nesta segunda-feira (4), na cidade de Condado, na Mata Norte, a partir das 8h. O grupo fará a aula-espetáculo na Escola Júlio Correia de Oliveira. Na ocasião, se encontrará com o Maracatu de Baque Solto Leão de Ouro. Além da apresentação, o mestre irá descortinar para o grande público a história, a identidade e os elementos que formam a manifestação. 

“Os três elementos principais do cavalo-marinho é a teatralidade, a musicalidade e a dança. O mestre Biu vai explanar sobre esses elementos e as vivências durante as quatro décadas de existência Estrela de Ouro”, ressalta Clébio. Às 10h30 do mesmo dia, eles seguirão até a cidade de Tracunhaém, para encontrar com o Coco de Roda Panela de Barro, na Escola Estadual Agamenon Magalhães.  Às 19h30, o grupo fará um show especial no Centro de Criação Galpão das Artes, em Limoeiro. O ingresso social será um pacote de leite em pó para ajudar instituições filantrópicas.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Na terça-feira (5), ainda em Limoeiro, será a vez da Escola de Referência em Ensino Médio Austro Costa, localizada no bairro do Alto Santo Antônio, receber a atividade. A vivência será às 10h30 e contará como anfitrião o Boi Cara Branca, que foi fundado em 1996 e traz como principal atrativo a tourada. “Os Bois de Carnaval possuem uma identidade diferenciadas de acordo com cada região de Pernambuco. Em Limoeiro, por exemplo, a manifestação traz a raiz do caboclinho”, enaltece o produtor. A expectativa do grande público é que haja espaço suficiente para os integrantes executarem os famosos saltos mortais da “tourada”, que revelam a beleza plástica do movimento artístico da região. Em seguida, o grupo viajará cerca de 75 quilômetros até Caruaru. 

Já na capital do forró, às 10h30 da quarta-feira (6), será a vez dos estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio Nelson Barbalho, localizada no bairro Maurício de Nassau, no centro da cidade, serem contemplados com a vivência do projeto. Quem vai receber o cavalo-marinho é o artista popular, arranjador e compositor, Anderson do Pife. Ele é professor Licenciado em Música Popular Brasileira com habilitação em Flauta e traz através da oralidade tanto a vivência com grandes mestres do pífano quanto o conhecimento obtido dentro da faculdade. Ao término, os brincantes pegam a estrada por quase 260 quilômetros até a cidade de Serra Talhada, no Sertão do Pajeú, onde farão a abertura oficial do 14º Encontro Nordestino de Xaxado como convidado. A apresentação acontecerá às 19h30 na antiga Estação Ferroviária, ao lado do Museu do Cangaço. 

Na quinta-feira (7), eles se apresentam às 10h30, na Escola de Referência em Ensino Medio Cornélio Soares, localizada no bairro de Nossa Senhora da Penha. Lá, eles serão recebidos pelo Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, que estiveram no Festival Internacional do Folclore realizado México no mês de setembro deste ano. Com 24 anos de existência e uma longa trajetória, "os cabras" já protagonizaram dezenas de projetos culturais e festivais. Estrelou também várias produções cinematográficas. Além do Encontro Nordestino de Xaxado, os brincantes promovem a peça “Massacre de Angico”, que retrata a vida e morte de Lampião e Maria Bonita, reconhecido como o maior espetáculo teatral ao ar livre do Sertão e foi dirigido por quase uma década por José Pimentel, falecido no dia 14 de agosto de 2018.  De Serra, o Estrela viajará em torno de 400 quilômetros até o Recife.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Já na capital pernambucana, o Estrela de Ouro encontrará com o Caboclinho Carijós às 10h30, na Escola Caio Pereira, localizada no bairro do Alto José Bonifácio, na Zona Norte do Recife. Além de ser o mais antigo em atividade do Brasil, o caboclinho também é Patrimônio Vivo de Pernambuco, outorgado este ano. O produtor Clébio Marques adianta que em março de 2020 será justamente o Carijós que viajarão o estado com a ação no mesmo formato desta. “Esse encontro vai juntar dois Patrimônios Vivos de Pernambuco, o que é muito difícil acontecer. Além de proporcionar uma intercâmbio inovador entre o Estrela de Ouro e seis manifestações culturais diferentes de Pernambuco. Tudo isso em uma única turnê durante cinco dias consecutivos. Ou seja, será uma overdose cultural”.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas