Música Credence Clearwater Revival lança álbum com show em Woodstock Coluna Bons Sons também traz novos lançamentos de Russian Circles, Blume, Nérija, Francis Lung e Volbeat

Publicado em: 04/08/2019 08:00 Atualizado em:

Creedence muito além da chuva
Uma das mais curiosas “jabuticabas” musicais de que já tive notícia é o culto que existe no Brasil à fraca canção Have you ever seen the rain, gravada em 1970 pelo grupo norte-americano Creedence Clearwater Revival. Onipresente em rádios, barzinhos e até festas de casamento, a faixa - para a  qual ninguém dá a mínima fora da Pindorama - não só irrita pela repetição, como também acaba impedindo que muita gente conheça o restante do excelente repertório de uma das bandas mais importantes das décadas de 1960 e 1970, e um símbolo da contestação ao establishment no auge da Guerra do Vietnã.
Lançado em streaming e formato físico na sexta-feira, o álbum que traz uma das mais emblemáticas apresentações do Creedence é mais uma chance para quem quiser sair da chuva e curtir o que realmente interessa na obra da banda.  Live at Woodstock, que marca os 50 anos do mais famoso festival de todos os tempos, traz hinos como Green River, Bad moon rising, Proud mary, Suzie Q e I put a spell on you (em versão particularmente aterradora) executados numa mágica noite de sábado, 16 de agosto de 1969, quando o Creedence se apresentou para meio milhão de jovens depois do Grateful Dead e antes de Janis Joplin.
Mais que um show de rock, temos aqui o retrato de uma época e a tradução de um evento que será para sempre relebrado como divisor de águas na cultura ocidental.  

O ano mais sangrento

Quem é chegado num peso ou curte música instrumental de forma geral precisa dar uma sacada em Blood year, sétimo e possivelmente melhor álbum do grupo Russian Circles, que foi lançado na sexta-feira. Misturando metal e post-rock, o projeto resulta em algumas faixas muito bem acertadas como Milano.  

Jazz continua muito vivo

Nascida em Londres, sob influência do jazz americano, a banda Nérija marca sua estreia fonográfica com Blume, um dos melhores lançamento do gênero neste ano.

Arena rock que veio do frio
Outro bom lançamento da semana é Rewind, replay, rebound, da banda dinamarquesa Volbeat, que é pouco conhecida no Brasil, mas lota estádios na Europa.

Manchester longe do mar
Mais um golaço do selo Memphis Industries, o álbum A dream is U, de Francis Lung, traz aquele gostinho de melancolia de uma das cidades-berço do rock.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas