Música Bons Sons: Flaming Lips sacrifica o rei em álbum conceitual Coluna também traz lançamentos de Alyycats, Brian Eno, Patrice Rushen e Oceans on the moon

Por: Gabriel Trigueiro

Publicado em: 20/07/2019 08:00 Atualizado em: 19/07/2019 18:31

Protagonistas de uma das trajetórias mais peculiares entre as inúmeras bandas que  surgiram na cena do rock alternativo nos anos 1980, os norte-americanos do Flaming Lips continuam a surpreender sua vasta legião de fãs, ainda que muitos considerassem que eles já tivessem feito de tudo.

O grupo, que passou  seus primeiros anos restrito aos subterrâneos e depois lançou álbuns clássicos do rock “fofinho” como The soft bulletin e Yoshimi battles de pink robots - com direito a instrumentos de brinquedo e gente fantasiada de bicho de pelúcia no palco - acaba de apresentar King’s mouth: music and songs. É uma espécie de rock-ópera sobre um rei gigante que se sacrifica para salvar sua cidade-Estado de uma avalanche e depois tem a cabeça banhada em aço e preservada como um monumento à coragem.

Narrado por Mick Jones, do The Clash, o álbum de 12 músicas tem uma evolução curiosa que chega a lembrar Journey to the center of the Earth, de Rick Wakeman, mas repete características presentes no Flaming Lips, ao menos nos últimos 20 anos. Mesmo que não tenha força para conquistar novos ouvintes de cara, como os discos antigos, o novo trabalho reafirma a relevância de um coletivo musical que gravou nada menos que 23 bons álbuns em 33 anos de carreira (cinco deles lançados nos últimos cinco anos) e não dá sinais de esgotamento criativo até agora.

 

 

Novidades da semana

 

Nascidos para serem selvagens

On the road é o álbum de estreia da banda pernambucana Allycats, já disponível nos apps de streaming. Daniboy e Cajueiro, que batizaram o grupo com um jogo de letras unindo “alicates” e “alley cats” (algo como “gatos de rua” em inglês) vêm caindo na estrada a bordo de duas Harley-Davidson para mostrar seu rockabilly.


Retratos de uma geração

Remind me repassa o jazz-funk da americana Patrice Rushen, uma das artistas que melhor representam a fusão de estilos típica da virada entre os anos 1970 e 1980.


Eletrônica retrô e noise rock 

Oceans of the moon, 1º álbum  do grupo homônimo, une texturas sonoras dos primórdios da música eletrônica e outras referências numa mistura que dá certo.

Brian Eno a caminho da Lua

Relançado agora, Apollo: atmospheres & soundtracks resgata músicas feitas por Eno para um documentário sobre as missões da Nasa, que completam 50 anos.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas