show Uma experiência sonora e visual no Santa Isabel

Por: André Santa Rosa - Diario de Pernambuco

Publicado em: 15/07/2019 09:56 Atualizado em: 18/07/2019 10:24

Com patrocínio do Natura Musical, turnê vem para o Recife no dia 17 de julho. Foto: Divulgação/Fernando Banzi
Com patrocínio do Natura Musical, turnê vem para o Recife no dia 17 de julho. Foto: Divulgação/Fernando Banzi
 
Azul moderno é um disco  singular no qual a arte aparece em várias camadas, visuais, sonoras e líricas. O terceiro álbum de estúdio da paulistana Luiza Lian deixa bem aparente em sua turnê: foi pensando com grande força visual a partir da noção de cinema expandido, com cenografia, projeções mapeadas e luz. A ideia do espetáculo é não se encerrar em si, mas encontrar linhas de fuga em um diálogo com a arquitetura e as artes visuais, levando em consideração os diferentes espaços escolhidos para ser apresentado e consequentemente tornando cada apresentação única. O show será apresentado pela primeira vez no Recife, quarta (17), às 20h, no Teatro de Santa Isabel. Os ingressos custam R$ 20 (meia) e R$ 40.
 
Luiza Lian integra um grupo de novos artistas brasileiros que trabalham com referências tanto da MPB, quanto da música alternativa e do pop conceitual, entre eles Jaloo, Alice Caymmi, Céu, Ava Rocha e MC Tha. Em entrevista ao Viver, Luiza conta que sente afinidade com o trabalho de muitos desses artistas, que servem como inspiração, são colaboradores e alguns são amigos. “Céu foi uma grande inspiração para mim no começo, ali no Vagarosa (2009), segundo disco dela, comecei a entender e gostar mesmo. Ainda não conheço ela pessoalmente. Jaloo e eu fizemos um projeto juntos em homenagem a Rogério Duprat, somos amigos. Ava é a pessoa que eu me sinto mais próx ima, tanto musicalmente, quanto pelo fato de sermos amigas. A gente se inspira muito.”
 
A cantora também comenta que o movimento desses artistas seria um caminho natural da música brasileira. “É como se fossem instrumentos novos que chegaram. É natural, também, que alguns façam um som que se aproxime mais de algo mais gringo.” Mas Luiza ressalta que não se trata de uma “modernização” ou mistura da ancestralidade da música brasileira com algo novo. “O que a gente faz é pegar essa ancestralidade e pensar ela como contemporânea. Não é uma adaptação, mas sim um olhar.”
 
O espetáculo conceitual de Luiza Lian conta com o repertório autoral dos álbuns Oyá tempo (2017) e Azul moderno (2018), sendo o último premiado como melhor disco de 2018 pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Segundo a cantora, no processo de criação do disco, o visual nunca esteve dissociado do sonoro, os dois sempre foram pensados para se complementarem.  Essa é a tônica do espetáculo, que leva o espectador através dessas diferentes sonoridades e temporalidades, que se misturam em uma profunda reflexão sobre o nosso tempo e o nosso passado. 
 
“Esse show, eu criei a partir da ideia da água, mas numa perspectiva de usar a projeção para criar uma atmosfera”, conta a cantora. No Santa Isabel, a ideia é que o futurismo das projeções faça com que a luz intervenha sobre a arquitetura neoclássica do teatro. Assim como o trabalho de Luiza, olhar o que já é clássico, e nosso, através de um azul pop e contemporâneo.

S E R V I Ç O
Luiza Lian apresenta Azul moderno 
Quando: Quarta-feira(17), às 20h 
Onde: Teatro de Santa Isabel (Praça da República, 233, Santo Antônio) 
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas