ELEIÇÕES 2018 PDT oficializa candidatura de Ciro Gomes à Presidência No discurso, Ciro falou os 12 eixos de sua campanha. Além de emprego, saúde e educação, o candidato focou em segurança pública

Por: AE

Publicado em: 20/07/2018 14:58 Atualizado em: 20/07/2018 15:21

foto: Marcelo Ferreira/CB/DA Press (foto: Marcelo Ferreira/CB/DA Press)
foto: Marcelo Ferreira/CB/DA Press
O PDT oficializou, nesta sexta-feira (20) a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República na sede do partido em Brasília. Diante da militância e sem a presença de dirigentes de outros partidos, Ciro não improvisou no discurso e continuou mandando sinais ao Centrão - pregando pelo rigor no ajuste fiscal, mudanças na segurança pública e um olhar para classe média. Ainda assim, ironizou as críticas recebidas por suas ideias econômicas e procurou enaltecer a figura de Leonel Brizola como referência de sua campanha.

Logo no início de sua fala, Ciro fez do mote "o Brasil precisa mudar" uma constante do discurso. Cuidadoso, Ciro tentou se mostrar conciliador. "É preciso respeitar as diferenças, fim da cultura de ódio, acabar com o brasileiro sendo ferido por outro brasileiro na internet. Ninguém é dono da verdade."

Sobre a fama de cabeça quente e explosivo, Ciro também pareceu querer se explicar: "Minha ferramenta é minha palavra, falo 10 horas por dia, cometo erros, mas nenhum deles por desonestidade intelectual."

Ele não deixou de responder, no entanto, as críticas que recebeu do mercado financeiro por algumas de suas propostas. "Essa gente quebrou o nosso País a pretexto de austeridade. Querem matar o carteiro para que o povo brasileiro não leia a carta", disse, antes de fazer referência ao montante pago em juros de dívida pública. "Que me persigam, mas somente com juros, este ano, gastaram R$ 380 bilhões. É difícil explicar ao povo, mas a sociedade brasileira está devendo R$ 5 trilhões ao baronato", complementou.

As referências de Ciro Gomes ao pagamento de juros da dívida é um dos fatores que assusta os agentes econômicos do mercado financeiro e teria provocado um recuo por parte dos partidos que formam o chamado "Centrão", que negociava aliança com sua campanha. 

Após ironizar esse aspecto, Ciro voltou a enfatizar que estará ao lado dos mais pobres e da classe média. O candidato prometeu olhar as contas públicas com lupa. "O governo esfola o povo trabalhador com um sistema de impostos injusto e perverso. Povo e classe média já pagaram demais. A classe média paga dobrado para viver no País e o Estado não devolve serviços de qualidade. Quem tem de pagar agora é o governo e o mundo mais rico. Não falo do mundo mais rico com preconceito, não vamos sair dessa situação com o 'nós contra eles.'"

No discurso, Ciro falou, sem detalhar, os 12 eixos de sua campanha. Além de emprego, saúde e educação, o candidato focou em segurança pública - tema que tem sido o forte de candidatos de outro campo político.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas