brumadinho Reportagem flagra atividade em área interditada de mineradora em Brumadinho

Por: Larissa Ricci -

Por: João Henrique do Vale

Publicado em: 12/02/2019 12:27 Atualizado em:

Caminhões depositam material na base da contenção, de onde água escoa. Foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press
Caminhões depositam material na base da contenção, de onde água escoa. Foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press
As noites não são mais as mesmas. O filme da onda de rejeitos descendo da Barragem 1 da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, passa a todo momento na memória de moradores que vivem na comunidade de mesmo nome, vizinha ao empreendimento da Vale. Depois que a lama que estava no reservatório, distante 2,5 quilômetros das primeiras casas, varreu parte do distrito, o medo persiste por causa de outra atividade minerária nas proximidades. Famílias temem que um novo desastre aconteça, na área da Mineração Ibirité Ltda. (MIB), vizinha a Vale, que fica a pouco mais de um quilômetro do povoado. A atividade no local foi suspensa na última semana pela Justiça. Porém, ontem a equipe do jornal Estado de Minas flagrou máquinas pesadas trabalhando pelos terrenos, em um movimento que preocupa a comunidade.
 
Em Córrego do Feijão, muitos moradores perderam familiares e amigos na tragédia da Vale. E o choro agora se mistura com o ar de aflição e medo de novos desastres.“Desde o dia do rompimento a gente não descansa. Já dormimos preocupados”, afirma a doméstica Joice Sttefani Rodrigues Paiva, de 29 anos, grávida de oito meses. Como ela, muitos dos que foram poupados da catástrofe de 25 de janeiro não conseguem esquecer a preocupação com a possibilidade de nova tragédia.

As atividades no empreendimento da MIB foram suspensas pela Justiça no fim de janeiro, após pedido do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). A promotoria citou a proximidade com as estruturas da Vale para embasar a solicitação. O MP afirma que, pela distância, a atividade da empresa na região também está em risco. A interdição foi determinada pela juíza Perla Saliba Brito. De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em sua decisão a magistrada determinou que a empresa adote medidas para impedir “todo e qualquer carreamento de sedimentos para os córregos do Feijão e Samambaia”, e que fossem contidos “todos os processos erosivos da área dos taludes da cava, nas pilhas de estéreis e nas vias de circulação interna do empreendimento”. 

A equipe do Estado de Minas esteve, na manhã de ontem, na região onde o empreendimento está instalado e pôde observar grande movimentação de caminhões e tratores. Máquinas faziam a retirada de terra em um terreno e a colocavam nos veículos de carga. Estes, por sua vez, seguiam até o pé de uma das barragens, onde o material era depositado. Era possível ainda perceber um grande reservatório com rejeitos de minério em estado fluido. Também se notava que parte da barragem desbarrancou, já que havia terra deslocada. Do alto da cidade, um morador mostrou que o local, que deveria ser uma cava, já acumula dois degraus de pilhas de rejeitos. Outros exibem vídeos com um cano despejando lama em uma das bacias e sustentam que a companhia usa rejeitos vazados da Vale na produção.
 
O gerente de produção Alcimar José de Oliveira, de 39, acompanhou a evolução da empresa na região. Ele tem uma criação de suínos perto do empreendimento da MIB, e é um dos que temem uma nova catástrofe. O produtor sustenta que a mineradora estaria promovendo atividades diferentes daquela para a qual é licenciada e se preocupa com material armazenado em barragens. “Quem vai garantir que não vão se romper?”, questionou.

O medo aumenta pelo fato de que nem mesmo a gigante da mineração Vale foi capaz de impedir o desastre na Mina do Córrego do Feijão, enquanto a MIB é uma companhia comparativamente modesta. Isso fica claro no tratamento das empresas junto à comunidade, dizem moradores. “A MIB não tem plano de contingência, pois considera que não tem barragem. A licença dela não é para barragem, então como ela vai fazer um plano de contingência?”, comentou Alcimar Oliveira. Outros moradores relatam que nunca foram avisados sobre como proceder em casos de rompimentos no empreendimento.

Sem sono
A apreensão se estende a outros vizinhos. “A gente nem dorme”, contou o motorista Eustáquio de Souza, de 54. “Não quero ficar aqui de jeito nenhum. Se achar comprador, vou embora. Não tem sirene nem nada. Não fizeram nenhum tipo de treinamento com a gente”, reclamou.

O sentimento é compartilhado por Joice Rodrigues Paiva. “Fico com medo. No caso da barragem da Vale, tivemos treinamento. Levaram a gente para a quadra, disseram que não tinha perigo nenhum. Aí aconteceu isso. Então, não dá para confiar em ninguém. Dessa outra mineradora não tivemos nem treinamento. Por isso, desde o dia do rompimento, a gente não descansa”, contou.

O Estado de Minas tentou contato com a Mineração Ibirité Ltda. (MIB) por telefone, e-mail e até pessoalmente no empreendimento, porém, não localizou representantes que pudessem falar pela companhia. Em nota, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Semad) informou que “os fatos denunciados foram recebidos e cadastrados”. “Faremos apuração documental e agendaremos uma fiscalização para verificação in loco. Se constatada alguma irregularidade, tomaremos as medidas administrativas cabíveis”, completa o texto. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas