Mundo Erdogan chama Israel de país 'mais fascista e racista do mundo' Na semana passada, foi aprovada uma lei que define o país como "o Estado-nação do povo judeu"

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 24/07/2018 07:52 Atualizado em: 24/07/2018 08:17

Foto: Reprodução/ Public Domain
Foto: Reprodução/ Public Domain
O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, classificou Israel, nesta terça-feira (24), de país "mais fascista e racista do mundo", após a votação no Parlamento israelense, na semana passada, de uma lei que define o país como "o Estado-nação do povo judeu".

"Esta medida demonstrou, sem deixar lugar para dúvida, que Israel é o Estado mais sionista, mais fascista e mais racista do mundo", disse Erdogan em um discurso para sua bancada parlamentar em Ancara, enquanto alguns deputados gritavam "maldita seja Israel".

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, reagiu, afirmando que o país de Erdogan está se tornando uma "sombria ditadura". "Erdogan massacra sírios e curdos e prende dezenas de milhares de turcos (...) Sob seu poder, a Turquia se torna uma sombria ditadura", criticou Netanyahu em um comunicado.

O texto adotado na última quinta-feira pelo Parlamento israelense designa o "Estado de Israel como o Estado-nação do povo judeu, onde este aplica seu direito natural, cultural, religioso, histórico". Afirma ainda que "o direito de exercer a autodeterminação dentro do Estado de Israel está reservado unicamente ao povo judeu".

Na semana passada, o governo turco já havia criticado esta lei, acusando as autoridades israelenses de tentarem instaurar um "Estado de Apartheid". "O espírito de Hitler que conduziu o mundo para uma grande catástrofe voltou a florescer entre alguns dirigentes israelenses", declarou Erdogan nesta terça.

"Faço um apelo ao mundo muçulmano, à comunidade cristã, a todos os países, organismos, ONGs, jornalistas democratas e defensores das liberdades no mundo a passar à ação contra Israel", acrescentou.

Estas declarações foram dadas em meio às tensões entre Israel e Turquia, que critica regularmente a política israelense em relação aos palestinos, ou aos lugares de culto muçulmanos em Jerusalém.

Em maio, Ancara expulsou temporariamente o embaixador de Israel na Turquia pela morte de mais de 60 palestinos nas mãos de soldados israelenses na fronteira com a Faixa de Gaza, em manifestações contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém.

O presidente turco, ferrenho partidário da causa palestina, acusou Israel de "terrorismo de Estado" e de "genocídio". Essas turbulências diplomáticas podem pôr fim à frágil normalização das relações entre os dois países, depois de uma grave crise provocada por um ataque israelense contra o barco de uma ONG turca que seguia para a Faixa de Gaza em 2010.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas