Crime Ataque a faca em ônibus deixa nove feridos na Alemanha O agressor seria um alemão de 34 anos e foi preso logo após o ataque

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 20/07/2018 19:53 Atualizado em:

O ônibus seguia para Travemuende, uma praia perto da cidade de Luebeck. Foto: Reprodução/Internet
O ônibus seguia para Travemuende, uma praia perto da cidade de Luebeck. Foto: Reprodução/Internet
Nove pessoas ficaram feridas nesta sexta-feira (20) à tarde em um ônibus no norte da Alemanha, depois que um homem atacou passageiros com uma faca, antes de ser controlado.

O agressor seria um alemão de 34 anos e foi preso logo após o ataque.

O ministro regional do Interior de Schleswig-Holstein, Hans-Joachim Grote, afirmou à agência de notícias DPA que seis pessoas foram esfaqueadas e outras três sofreram outros tipos de ferimentos.

"Os motivos do crime ainda não foram esclarecidos", indicou a Polícia.

"Até agora, o suspeito não se pronunciou sobre os fatos de que é acusado", afirmou a procuradora de Kiel, Ulla Hingst, citada pelo DPA.

Segundo a procuradora, trata-se de um alemão de 34 anos, que talvez tenha nascido no exterior.

No sábado ele deverá comparecer a uma audiência com o juiz sobre sua detenção. A procuradoria o acusa de ter causado incêndio e de ter voluntariamente atacado e ferido pessoas.
 
Ele estava carregando uma bolsa que foi incendiada no ônibus, segundo o DPA, que acrescentou que não foi encontrado nenhum rastro de explosivos.

"Não podemos excluir nada, incluindo uma motivação terrorista", ressaltou, informando que agentes especiais estão no local analisando a mochila do suspeito.

As vítimas foram feridas em um ônibus de Lübeck.

De acordo com testemunhas citadas pelo Lübecker Nachrichten, um passageiro do ônibus deixou cair sua mochila no chão, da qual tirou uma faca, e atacou aleatoriamente os outros passageiros.

O motorista parou o ônibus e foi atacado, de acordo com o depoimento desta testemunha. Ele então abriu as portas do veículo para deixar os passageiros saírem, acrescentou a mesma fonte.

Segundo Hingst, foram os passageiros que dominaram o suspeito. Os policiais que chegaram logo depois o prenderam.

De acordo com Lothar H., outra testemunha de 87 anos de idade citada pelo Lübecker Nachrichten, os "passageiros saltaram do ônibus gritando. Foi assustador. Depois os feridos foram evacuados. O atacante tinha uma faca de cozinha".

Embora o motivo para o crime ainda não tenha sido estabelecido, esse incidente acontece em um contexto de tensão na Alemanha, onde vários ataques ou tentativas de atentados foram registrados nos últimos anos, particularmente com facas.

O último caso foi relatado em junho de 2018, quando a Polícia anunciou que havia frustrado um atentado com "bomba biológica" após a prisão de um tunisiano suspeito de estar ligado ao grupo Estado Islâmico (EI).

Acredita-se que o homem de 29 anos, que chegou à Alemanha em 2015, tivesse a intenção de encher a bomba com ricina, um veneno.

O ataque terrorista mais grave em solo alemão continua sendo o do mercado de Natal em Berlim, em dezembro de 2016, reivindicado pelo grupo do Estado Islâmico e que matou 12 pessoas.

No final de julho de 2017, um demandante de asilo que estava prestes a ser deportado matou uma pessoa em um supermercado e feriu outras seis. Segundo a Justiça, o ato foi motivado pelo "islamismo radical".

O EI também reivindicou em 2016 um assassinato em Hamburgo (norte), um atentado a bomba em Ansbach (sul) que deixou 15 feridos e provocou a morte do terrorista, bem como um ataque com machado em um trem na Baviera (cinco feridos).

Muitos desses atos foram cometidos por requerentes de asilo e valeram à chanceler Angela Merkel muitas críticas por sua política de abertura a centenas de milhares de refugiados em 2015 e 2016.

Para os investigadores, no entanto, nenhum dos agressores chegou à Europa levando ordens do EI, ao contrário de alguns dos terroristas dos ataques de 13 de novembro de 2015 em Paris.

A Alemanha continua sendo alvo de grupos extremistas, particularmente em razão de seu envolvimento na coalizão que luta contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria e na que está no Afeganistão desde 2001. 
 
As tropas alemãs não participam, porém, de qualquer operação de combate, apenas de missões de reconhecimento, treinamento, ou reabastecimento.

 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas