Cataratas Foz do Iguaçu: uma maravilha de natureza Quedas d´água, rotas com borboletas e quatis fazem do roteiro um destino deslumbrante e único

Por: Marcionila Teixeira

Publicado em: 07/05/2018 10:00 Atualizado em: 07/05/2018 10:13

Ao contemplar a natureza, muitos turistas aproveitam para fazer agredecimentos à vida. Foto: Tiago Caramuru/Divulgação
Ao contemplar a natureza, muitos turistas aproveitam para fazer agredecimentos à vida. Foto: Tiago Caramuru/Divulgação

Nunca aceite o convite para vestir uma capa plástica ao aventurar-se nas Cataratas do Iguaçu. Eleitas como uma das Sete Maravilhas da Natureza, as quedas d’água são a principal atração turística de Foz do Iguaçu, no Paraná, na região Sul do país. O acessório é vendido na entrada do parque para o turista menos disposto a se molhar durante a trilha. Bobagem. Um dos melhores momentos da visita é receber os respingos da nuvem de água formada a partir da Garganta do Diabo, a queda com maior fluxo entre as 275 quedas. Um momento emocionante até para os mais descrentes. 

A dica para curtir o visual das cachoeiras é seguir as trilhas repletas de borboletas e quatis e parar no maior mirante, o da Garganta do Diabo, para se refrescar depois de uma caminhada calorenta. É o melhor lugar para fazer fotos, vídeos e para observar a imensidão de natureza. Tem quem agradeça a oportunidade, de acordo com as próprias crenças. Para as religiões afrodescendentes, por exemplo, Oxum é um orixá feminino das águas doces. 

A queda tem 150 metros de largura e 80 metros de altura. Diz a lenda que a índia Naipi foi prometida ao deus M’Boy, mas um guerreiro chamado Tarobá apaixonou-se por ela e um dia o casal fugiu. Furioso, M’Boy penetrou as entranhas da terra e retorceu o corpo, produzindo a fenda onde está a catarata. 

Ao longo da caminhada para observar as quedas, é melhor não se alimentar, pois isso chama a atenção dos quatis. Eles são muitos e se aproximam para roubar o alimento humano que, na verdade, também não faz bem a ele. Placas avisam que o animal pode morder e transmitir a raiva. No mais, ele é um fofo. 

Como estamos em um paraíso natural localizado dentro do Parque Nacional do Iguaçu, criado em 1939 e eleito Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco em 1986, respeitar o meio ambiente é lei. Portanto, nada de jogar moedas nas cachoeiras. As moedas contaminam a água e ainda são engolidas por patos mergulhões. Casais apaixonados até tentaram colocar cadeados do amor ao longo do gradil, assim como há em Londres. A expressão apaixonada, no entanto, também é proibida. Fumar está descartado. A liberdade maior do lugar é observar a natureza. 

O parque fica a 17 km do centro de Foz do Iguaçu e a apenas 5 km do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu. O percurso até lá é feito pela Avenida das Cataratas, onde o turista também pode conhecer um Ice Bar, o Parque das Aves, o Vale dos Dinossauros, o Museu de Cera Dreamland e ainda contratar um voo sobre as cachoeiras. Outra ideia para quem gosta de aventura mais radical é percorrer as águas com um barco da Macuco Safari ou descer em um rapel a 55 metros de altura. Mais informações sobre o parque podem ser obtidas no www.cataratasdoiguacu.com.br. 

Foz tem fronteira com a Argentina e com o Paraguai. Então, vale aproveitar a viagem para conhecer a natureza do Parque Nacional Iguazú, do lado argentino, e cruzar a Ponte da Amizade para chegar ao Paraguai e exercer o lado mais consumista da viagem. Os moradores de Foz vivem de turismo, bares e hotéis. O município não tem agricultura forte. Hoje convivem em Foz 72 etnias, entre chineses, indianos, libaneses e paraguaios. 

Shows dançantes e visita à Usina são passeios alternativos 

Apresentações são oferecidas aos turistas como opção de passeios. Foto: Divulgação
Apresentações são oferecidas aos turistas como opção de passeios. Foto: Divulgação

Outro destino possível para quem visita Foz do Iguaçu é conhecer a Usina Hidrelétrica de Itaipu, localizada no Rio Paraná, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. A Itaipu Binacional é operadora da usina, responsável por 17% do abastecimento de eletricidade do Brasil e por 76% do fornecimento ao Paraguai. 

A ideia do passeio é percorrer o coração da usina, tomada por equipamentos modernos e composta, obrigatoriamente, por funcionários dos dois países. No tour, é possível observar a sala de comando central, dividida por uma fronteira simbólica onde o visitante fica, ao mesmo tempo, no Paraguai e no Brasil. 

Tudo é muito grandioso e o visitante precisa estar preparado para entrar em ambientes barulhentos e quentes. Em um certo momento, por exemplo, o turista é convidado a ver de perto a atividade do rotor de uma das unidades geradoras. Ele pesa 1,7 milhão de  quilos, o que equivale ao peso de mil carros de grande porte. Não é um passeio dos mais agradáveis para quem tem medo de altura ou claustrofobia, por exemplo. 

O lado mais agradável da visita, sem dúvida, é observar o bosque plantado aos poucos por trabalhadores e a visão da usina a partir do mirante central. Outra proposta é apreciar o vertedouro da usina, mas ele abre apenas em 10% do ano e as datas não são previsíveis. É contar com a sorte. 

A noite de Foz oferece também um show latino-americano inusitado, que até entrou para o Guinness World Records como o maior número de danças nacionais apresentadas em um jantar com show. Os dançarinos e dançarinas apresentam expressões culturais da Argentina, Paraguai, Colômbia, Peru, Uruguai, Chile, México e Brasil em uma única noite. 

Os trajes são típicos dos países e os shows mais aplaudidos são o tango argentino e a dança e música mexicanas. A bola fora fica para a apresentação do Brasil, onde mulheres negras são apresentadas como “mulatas”. O termo remete à mula, é racista e relega à mulher negra o papel de objeto sexual à disposição do homem. No show, inclusive, homens são chamados ao palco para dançar com as “mulatas”. Enquanto isso, nas mesas, desfila um variado rodízio de carne. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas