• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

América do Sul » Argentina e Chile são ótimas opções para quem quer aprender a esquiar Embarque em uma aventura pela neve em países sul-americanos. Além de estrutura completa dedicada ao esporte, as estações oferecem passeios inusitados pelas redondezas

Correio Braziliense

Publicação: 18/07/2016 12:21 Atualização: 18/07/2016 12:42

Esqui pode ser praticado por profissionais e amadores de todos os níveis. Foto: Visit Salzburgerland/Divulgação
Esqui pode ser praticado por profissionais e amadores de todos os níveis. Foto: Visit Salzburgerland/Divulgação

Apesar de parecer difícil para quem está acostumado a surfar na praia, jogar bola ou andar de bicicleta — atividades comuns em países quentes —, o esqui pode ser praticado por profissionais e amadores de todos os níveis e é ideal para animar as férias em família. Em julho, países do Hemisfério Sul registram temperaturas abaixo de zero e têm neve suficiente para convencer até os mais medrosos a viver uma experiência divertida no gelo. Argentina e Chile são os países mais procurados, pois têm estrutura para oferecer adrenalina nas pistas e outras atividades fora do contexto esportivo, como caminhadas, banho em águas termais e passeios de motocicleta na neve.

Atrativos
A proximidade e os preços baixos — em comparação com destinos nos Estados Unidos e na Europa — atraem turistas brasileiros. As baixas temperaturas também são um diferencial. Em julho, os dias são muito frios em países como o Chile. Pela manhã, a temperatura pode chegar a três graus negativos na capital, Santiago. Por ter dimensões continentais, a Argentina tem um espectro amplo de temperaturas. Em Ushuaia, sul do país, a temperatura pode chegar aos -20ºC.

A contadora Larissa Carvalho, 24 anos, viajou para a estação de Valle Nevado, no Chile, em setembro do ano passado. O marido, esquiador experiente, sugeriu a viagem. “Foi a primeira vez que vi neve e esquiei. No primeiro dia, foi só queda. No fim, já deu para curtir bastante”. O casal ficou hospedado em um hotel da própria estação de esqui. “Foi incrível. Esquiamos durante cinco dias sem parar. Nem lembrávamos de almoçar”, afirma.

Larissa esquiou em Valle Nevado e diz que a viagem foi incrível.Foto: Arquivo pessoal
Larissa esquiou em Valle Nevado e diz que a viagem foi incrível.Foto: Arquivo pessoal

» Ficou com vontade de embarcar nesta aventura? Confira algumas estações com estrutura completa, dedicadas ao esqui. Escolha a sua:

» Chile

Portillo
Cercada por uma rede de hotéis sofisticados, a estação tem estrutura com bares, discotecas e recreação infantil. Nas redondezas, uma bela surpresa: a Laguna del Inca, congelada no meio da Cordilheira dos Andes – cartão-postal do lugar.

- Onde ficar: Hotel Portillo. Pacote de sete noites a partir de US$ 3.950 por pessoa. Inclui passe para esquiar, aulas coletivas, aluguel de equipamentos e traslados.
- Como chegar: Nas rodoviárias de Santiago, há ônibus que levam à Mendoza. De lá, é só pegar um táxi ou alugar um carro para chegar à estação, que fica quase na fronteira entre o Chile e a Argentina. No Aeroporto Pudahuel, há translados diretos para Portillo. Mais informações: www.skiportillo.com

Valle Corralco
Foto: Corralco/Reprodução
Foto: Corralco/Reprodução

Próxima ao vulcão Lonquimay, dentro da Reserva Nacional Malalcahuello-Nalcas, o complexo oferece programação fora das pistas, como excursões de snowmobile (motos próprias para andar na neve). A 7,5 quilômetros dali, a dica é descansar nas águas termais de Malalcahuello e Manzamar.

- Onde ficar: Valle Corralco Hotel & Spa. Pacote de sete noitesa partir de US$ 2.278 por pessoa. Inclui: aluguel de equipamentos e aulas coletivas de esqui.
- Como chegar: De avião, partindo do Aeroporto de Temuco (Chile), há voos que levam ao Valle Corralco. Caso prefira ir de carro, alugue no aeroporto. A viagem dura 1h30 e as estradas são bem sinalizadas. O resort oferece pacote com translados. Mais informações: www.corralco.com

Valle Nevado
Foto: Point da Neve/Reprodução
Foto: Point da Neve/Reprodução

Na Cordilheira dos Andes, a 3.200 metros de altitude, a paisagem montanhosa hipnotiza. A 60km de Santiago, o complexo tem 37 quilômetros de pistas, três hotéis, um centro comercial, bares, pubs e restaurantes.

- Onde ficar: Hotel Tres Puntas. Pacote de sete noites a partir de US$ 2.051 por pessoa. Inclui passe para esquiar.
- Como chegar: Chegando ao Aeroporto Pudahuel, em Santiago (Chile), contrate uma van no complexo ou alugue um carro. O trajeto leva cerca de 1h30. Mais informações: www.vallenevado.com.br

» Argentina


Las Leñas
Foto: Las Leñas/Reprodução
Foto: Las Leñas/Reprodução

Localizada na província de Mendoza, reduto de excelentes vinícolas, a estação é renomada entre praticantes de esportes de inverno, tem 29 pistas e 65 quilômetros esquiáveis. As opções de hospedagem são variadas: vão de resorts de luxo a apart- hotéis. Para se divertir, fuja para um cassino ou para baladas noturnas.

- Onde ficar: Hotel Escorpio. Pacotes de sete noites a partir de US$ 1.414 por pessoa. Inclui passe para esquiar.
- Como chegar: Como não há voos diretos do Brasil, é preciso fazer conexões em Buenos Aires ou em Santiago para chegar a Mendoza, onde fica Las Leñas. Desembarque no Aeroporto Internacional Francisco Gabrielli, em El Plumerillo. Dali, partem transfers para a estação de esqui. Outras alternativas são o Aeroporto de Malargüe (mais próximo) e o Aeroporto de San Rafael. De carro, são 1.200km saindo de Buenos Aires. Há ônibus partindo da capital às sextas e domingos. Mais informações pelo telefone +54(11) 4819-6060, pelo e-mail reservas@laslenas.com e pelo site www.laslenas.com.

Cerro Catedral
Foto: Diego Gabriel/Wikimedia Commons
Foto: Diego Gabriel/Wikimedia Commons

A estação é a mais antiga da América do Sul – existe há 70 anos e fica a 19 quilômetros de Bariloche, ponto de encontro de brasileiros no inverno da Argentina. A infraestrutura do local é completa, com lojas, restaurantes de comidas típicas da Patagônia, escolas de esqui e snowboard, shopping e até creche.

    Onde ficar: Hotel Crans Montana. Pacote de sete noites a partir de US$ 963 por pessoa. Inclui passe para esquiar e traslados.
    Como chegar: Do Aeroporto Internacional Teniente Luis Candelaria, em Bariloche, são 20km de distância até a estação de esqui. Alugue um carro, peça um táxi ou embarque nos micro-ônibus que saem a cada meia hora na alta temporada (entre junho e outubro). Mais informações: www.catedralaltapatagonia.com.
 

Fique atento

Confira algumas dicas para esquiar sem traumas:

» Prepare a calça e o casaco impermeáveis e nem pense em usar várias meias comuns no pé;

» As meias devem ser feitas de um tecido especial, para que os pés fiquem quentinhos e não atrapalhem os movimentos;

» Há luvas e botas exclusivas para quem quer esquiar;

» Com os joelhos sempre flexionados, o esquiador tem de se equilibrar em uma prancha nada parecida com a de surfe, e o peso dos calçados favorece o equilíbrio do corpo;

» As estações de esqui costumam ter instrutores prontos a oferecer uma primeira aula.


Atenção na subida
» Para chegar ao alto da montanha onde ficam as estações de esqui, os praticantes embarcam em teleféricos. É preciso ter cuidado ao subir, pois o bondinho não faz pausas para o embarque. Na hora de descer, concentração: é preciso sair esquiando. Algumas estações fazem diferente: os esquiadores vão até o topo por meio de cabos móveis. Treine o equilíbrio: mantenha os joelhos flexionados e a coluna reta para não escorregar.

Principais regras
» O esquiador a sua frente tem a preferência. É de sua responsabilidade desviar-se caso seja necessário;

» Não obstrua a pista;

» Escolha pistas habilitadas para esquiar.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas