• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Educação » Geração YouTube provoca mudanças em aulas de inglês Colégios e escolas especializadas mudaram a estratégia de ensino de inglês e usam cada vez mais a tecnologia como ferramenta de aprendizado

Agência Estado

Publicação: 28/02/2018 13:34 Atualização: 28/02/2018 13:39

De qualquer smartphone, tablet ou computador, os alunos podem acessar o jogo e cumprir desafios em vídeos, áudios e textos. Foto: Reprodução/Internet
De qualquer smartphone, tablet ou computador, os alunos podem acessar o jogo e cumprir desafios em vídeos, áudios e textos. Foto: Reprodução/Internet

Aidan Della Monica, de 7 anos, mantém os olhos fixos na tela do tablet enquanto aprende um novo jogo. Com os dedos, controla os movimentos de um personagem animado e, então, escuta atentamente um diálogo em inglês no fone de ouvido. É preciso responder corretamente a uma série de perguntas sobre a conversa para marcar pontos, até ser premiado com itens que vão mobiliar a casa do seu avatar no mundo digital. Concentrado, ele completa a atividade da aula sem dificuldade.

A plataforma, que está há uma semana no ar, é a mais nova aposta da escola de idiomas onde Aidan estuda. De qualquer smartphone, tablet ou computador, os alunos podem acessar o jogo e cumprir desafios em vídeos, áudios e textos. O conteúdo é direcionado para cada turma, de acordo com as lições que são passadas em sala.

Para se adaptar a uma geração de alunos que cresce sob influência da cultura youtuber e dos jogos virtuais na internet, colégios e escolas especializadas mudaram a estratégia de ensino de inglês e usam cada vez mais a tecnologia como ferramenta de aprendizado. As novidades vão desde a publicação em canais de vídeo, criados e editados pelos próprios alunos, até aulas a distância com escolas no exterior.

"A gente não queria apenas pegar o conteúdo do livro e colocar em uma plataforma digital, e sim oferecer a oportunidade para eles praticarem pensamento crítico, formulação de hipóteses e resolução de problemas", diz Júlia Abrão, coordenadora de programas educacionais digitais na escola de inglês Red Balloon, sobre o jogo.

Batizada de Digiworld, a plataforma está disponível em 130 unidades da rede no País, para alunos de até 17 anos. "Sentíamos essa necessidade de acompanhar nossos alunos, de ter algum tipo de interação digital com eles."

Conferência

No Colégio Internacional Ítalo Brasileiro, em Moema, zona sul de São Paulo, com frequência as aulas de Língua Inglesa do 5.º ano do ensino fundamental contam com convidados do outro hemisfério. São alunos da Sherman Elementary School, de Nova York, nos Estados Unidos, que participam de atividades conjuntas por meio de videoconferências.

Os encontros virtuais ocorrem desde 2016, sempre com as mesmas turmas. Estudantes das duas escolas preparam perguntas que são respondidas pelos colegas do outro lado. As dúvidas têm como base apenas a curiosidade das crianças, de 10 a 11 anos, mas envolvem temas como Geografia, História, e aspectos da cultura local. Todos conversam em inglês. "O objetivo era fazer com que eles aprendessem inglês fora do papel, fora da sala de aula", diz a professora Flavia Cotomacci.

Já na escola bilíngue Stance Dual, na Bela Vista, no centro, os alunos do 7.º ano do ensino fundamental aprendem a filmar e editar e publicam vídeos em inglês no canal da escola na internet. O projeto começou neste ano, em uma integração das disciplinas de Linguagem, Tecnologia e Estudos Sociais. Na turma, não falta familiaridade com o YouTube.

"Tenho uma média de, pelo menos, um aluno por sala que tem seu próprio canal", conta a coordenadora de Tecnologia Educacional da escola, Juliana Caetano. "É uma geração com muito acesso à internet, que é rica em coisas boas e ruins. O aluno está exposto a uma quantidade de informação que pode ser boa, profunda, segura e confiável ou o oposto disso."

Vocabulário

A mudança no perfil dos alunos nos últimos anos fez com que o Colégio Ítaca, na zona oeste, atualizasse seus materiais didáticos para o ensino de inglês. A escola tem investido em ferramentas como exercícios online e até a identidade visual dos livros ficou mais "apelativa", segundo a direção. A infinidade de referências, proporcionada pela internet, trouxe desafios para os professores.

"O vocabulário dos alunos é muito mais abrangente", diz a coordenadora de Inglês da escola, Sônia Mange. "Um aluno pode ter esquecido, ou não saber, uma palavra muito corriqueira do cotidiano, mas, por causa dos games, saber outras palavras que o professor não imaginaria."

Detalhes importantes

1. Pedagogia

Nem todo o vídeo sobre ensino de inglês no YouTube é bom. "Alertamos nossos alunos para terem cuidado com conteúdos e com a didática de ensino", explica o coordenador da área de inglês do Colégio Lourenço Castanho, Roberto Vicente.

2. Seleção

Escolas ajudam na curadoria dos conteúdos na internet. "O desafio é trazer o que está chamando atenção dos alunos, fazer uma análise e dizer prós e contras. Aí você cria um aluno crítico", diz Juliana Caetano, da escola bilíngue Stance Dual.

3. Conversação

Interação continua sendo essencial para aprender uma nova língua. "O aprendizado fica mais natural quando o aluno conversa com o colega usando língua inglesa em um contexto cotidiano", afirma a coordenadora do Colégio Ítaca, Sônia Mange. 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas