Notícias, Esporte, Pernambuco, Política, Tecnologia, Vídeos, Fotos, Mundo, Divirta-se

Diario de Pernambuco Assine o Diario Central de assinantes
Pernambuco.com

Recife, 15/DEZ/2017

  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Inovação » Músculos artificiais dão 'super-poderes' a robôs A novidade representa uma avanço no campo da robótica suave, que está substituindo rapidamente uma velha geração de robôs

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 28/11/2017 07:58 Atualização:

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay
Inspirados na técnica de dobragem do origami, pesquisadores americanos elaboraram a baixo custo músculos artificiais para robôs que têm o poder de levantar objetos que pesam 1.000 vezes mais que eles.

A novidade representa uma avanço no campo da robótica suave, que está substituindo rapidamente uma velha geração de robôs com movimentos rígidos, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

"É como dar super-poderes a estes robôs", disse a autora sênior do estudo Daniela Rus, professora de engenharia eletrônica e ciência da computação no Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Os músculos, conhecidos como atuadores, são construídos em uma estrutura de bobinas de metal ou chapas de plástico, e cada músculo custa cerca de US$ 1 para ser feito, disse o estudo. 

Sua inspiração no origami deriva de uma estrutura em ziguezague que alguns desses músculos utilizam, permitindo que eles se contraiam e se expandam conforme o comando, usando ar a vácuo ou pressão de água. 

"O esqueleto pode ser uma mola, uma estrutura dobrada semelhante a um origami ou qualquer estrutura sólida com vazios articulados ou elásticos", afirmou o relatório. 

Possíveis usos incluem habitats espaciais expansíveis em Marte, dispositivos cirúrgicos em miniatura, exoesqueletos robóticos 'wearable', dispositivos de exploração a profundidade no mar e arquitetura transformável. 

"Os atuadores de músculo artificial são um dos desafios mais importantes de toda a engenharia", disse o coautor do estudo Rob Wood, professor de engenharia e ciências aplicadas na Universidade de Harvard.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.









SIGA

Facebook

Google+

Twitter

Rss

[X Fechar]