Notícias, Esporte, Pernambuco, Política, Tecnologia, Vídeos, Fotos, Mundo, Divirta-se

Diario de Pernambuco Assine o Diario Central de assinantes
Pernambuco.com

Recife, 25/ABR/2017
 
cheia

  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Economia » Samsung desiste de separar atividades do grupo A empresa é o principal grupo econômico do país, com um quinto do PIB sul-coreano e foi o mais generoso com as fundações de Choi

AE

Publicação: 24/03/2017 08:11 Atualização:

A Samsung Electronics é a joia da coroa do grupo Samsung. Foto: George Frey/AFP
A Samsung Electronics é a joia da coroa do grupo Samsung. Foto: George Frey/AFP
A principal fabricante mundial de smartphones, Samsung Electronics, que atravessa uma das maiores crises de sua história, anunciou na sexta-feira que não vai separar as atividades do grupo, como havia divulgado em meio ao escândalo que resultou na destituição da presidente sul-coreana Park Geun-Hye, no início de março.

Ao desastre mundial que obrigou a Samsung a retirar do mercado a última geração de seus telefones, o Galaxy Note 7, cujas baterias apresentavam riscos de explosão, se somou o envolvimento de altos executivos da companhia no escândalo de corrupção que sacode o país asiático.

O vice-presidente da Samsung, Lee Jae-Yong, herdeiro do grupo, foi condenado por corrupção e está atrás das grades. Depois do fiasco do Galaxy Note 7, a Samsung foi pressionada por acionistas a melhorar a gestão da empresa, que estudava uma separação em duas partes.

Mas o presidente do Conselho de Administração, Kwon Oh-Hyun, anunciou hoje, em uma assembleia geral da empresa, que a avaliação dos aspectos legais e fiscais dessa operação haviam permitido isolar "alguns efeitos negativos". "No momento, parece difícil de implementar", disse, sem dar mais explicações.

A Samsung Electronics é a joia da coroa do grupo Samsung. O escândalo político no qual está envolvido o herdeiro do grupo gira em torno de Choi Soon-Sil, amiga íntima da ex-presidente Park, acusada de ter usado sua influência para obter quase US$ 70 milhões de diversos conglomerados. Choi, de 60 anos, é acusada de intervir em assuntos de Estado, apesar de não ocupar cargo público, e de extorquir grandes empresas para obter dinheiro.

A Samsung é o principal grupo econômico do país, com um quinto do PIB sul-coreano e foi o mais generoso com as fundações de Choi. A corporação é acusada de ter doado aproximadamente US$ 40 milhões em suborno à confidente da ex-presidente em troca de favores políticos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.









SIGA

Facebook

Google+

Twitter

Rss

[X Fechar]