Notícias, Esporte, Pernambuco, Política, Tecnologia, Vídeos, Fotos, Mundo, Divirta-se

Diario de Pernambuco Assine o Diario Central de assinantes
Pernambuco.com

Recife, 27/MAI/2017
 
cheia

  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mobile World Congress » Sem Galaxy, Samsung dá espaço às rivais em feira internacional Na apresentação da Samsung deste ano, a empresa apostou no tablet Tab S3 e no híbrido de tablet e notebook Galaxy Book

Agência Estado

Publicação: 05/03/2017 14:43 Atualização:

A Samsung criou tradição na Mobile World Congress (MWC) ao apresentar, ao longo dos últimos anos, novas versões da linha Galaxy S. Na edição deste ano, após problemas com o Note 7, a empresa adiou o lançamento do Galaxy S8 para o fim de março. Aproveitando esse espaço, fabricantes como LG e Huawei tentaram tomar o lugar da companhia em Barcelona neste ano.

“Não era uma obrigação, mas o mercado tinha a expectativa de um grande lançamento da Samsung para deixar a ‘sombra’ do recall totalmente para trás”, disse uma fonte que preferiu não se identificar. “Ao adiar o lançamento do S8, a empresa deixou um vácuo na feira.”

Na apresentação da Samsung deste ano, a empresa apostou no tablet Tab S3 e no híbrido de tablet e notebook Galaxy Book. O que chamou a atenção, porém, foi um curto vídeo sobre o Galaxy S8, o protesto de um ativista ambiental e o terceiro pedido público de desculpas em relação às explosões do Galaxy Note 7.

“Os últimos meses foram desafiadores para nós”, resumiu o diretor de marketing da Samsung para a Europa, David Lowes, durante a apresentação no MWC deste ano. “Estamos determinados a aprender todas as lições possíveis.”

A fabricante diz que não é a primeira vez que deixa de apresentar um celular no MWC. “Nós estamos muito satisfeitos em ter apresentado nossos novos tablets enquanto damos os toques finais em nosso próximo smartphone, que será um testemunho de nosso compromisso com a segurança e a qualidade de nossos produtos”, disse a empresa, em nota.

Para especialistas em gestão de marca, a Samsung precisa tomar cuidado com a imagem, mas sem parecer exagerada, o que poderia indicar insegurança. “Recolher um dos principais aparelhos não gera uma boa imagem para a marca, assim como atrasar um aguardado lançamento”, afirma o especialista em gestão de marcas e professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Karlan Muniz. “O lançamento do Galaxy S8 deve ser definitivo para a empresa encerrar esse assunto. Ela não pode errar.”

Chance
Durante o MWC, concorrentes buscaram se aproveitar do espaço deixado pela sul-coreana Samsung. A conterrânea LG, por exemplo, tentou reverter um ano ruim: no início de 2016, a empresa foi um dos destaques do evento ao apresentar o G5, um smartphone modular que permitia que o usuário retirasse uma parte do aparelho para acoplar módulos, como o de uma câmera mais avançada ou alto-falantes mais potentes. Não deu certo e os resultados financeiros tiveram baixas.

Como reflexo, no quarto trimestre de 2016, a empresa apresentou seu primeiro prejuízo operacional em seis anos, causado pelo fraco desempenho nas vendas de dispositivos móveis. A divisão de celulares, sozinha, amargou um prejuízo de US$ 400 milhões. 

Neste ano, a LG resolveu mudar sua estratégia: ela abandonou os módulos e apresentou o G6, um celular comum, mas com mais atenção ao design e especificações técnicas - além de ser mais simples de usar, já que não é modular. “Nós queríamos entregar um design modular e continuamos orgulhosos de ter feito isso”, justificou o presidente da divisão móvel da LG, Juno Chuo, em apresentação no evento. “Mas hoje as coisas estão diferentes.”

No G6, a tela de 5,7 polegadas não tem bordas, tem câmera de 13 megapixels e o aparelho é à prova d’água. Ainda é difícil afirmar se o celular cairá no gosto do público, mas a recepção no evento foi positiva. “Ainda não deve ser o ressurgimento da LG, mas foi uma boa aposta”, disse uma fonte. “A empresa ganhou uma atenção que não teve em outros anos durante o MWC.”

Ao mesmo tempo, a chinesa Huawei tenta novamente emplacar um aparelho que faça sucesso em todo o mundo. A empresa, que é uma importante fabricante de equipamentos de infraestrutura para operadoras, anunciou o P10, celular que “imita” o iPhone 7. Com tela de 5,1 polegadas, o celular deve ser vendido por € 649 (o equivalente a R$ 2,1 mil) na Europa. De acordo com a fabricante chinesa, as versões do P10 chegarão às lojas até o final de março, pouco antes da apresentação do Galaxy S8.

“A Huawei é a terceira marca de smartphones mais vendida do mundo, mas ainda não tem um aparelho representativo como a Apple e a Samsung”, afirmou uma fonte. “O P10 pode ser decisivo para que a empresa decida enfrentar novos mercados, como o Brasil.” Segundo dados da consultoria Gartner, a Huawei tem 8,9% do mercado de smartphones, atrás da Apple, com 12,9%, e Samsung (22 3%).

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.









SIGA

Facebook

Google+

Twitter

Rss

[X Fechar]