Especial Bem mais que um cafezinho Às vesperas de celebrar o Dia Internacional do Café o Gastrô tira as dúvidas sobre a segunda bebida mais consumida do país

Por: Katarina Bandeira

Publicado em: 08/04/2016 17:31 Atualizado em: 08/04/2016 17:39

Lalá Café e Loja Afetiva é um dos locais que investe na qualidade dos grãos. Fotos: Peu Ricardo/Esp. DP
Lalá Café e Loja Afetiva é um dos locais que investe na qualidade dos grãos. Fotos: Peu Ricardo/Esp. DP

Importado clandestinamente no século 18, o café logo ganhou popularidade e importância na economia tupiniquim. A paixão é tanta que o Brasil é o segundo maior consumidor no mundo, atrás apenas dos EUA. Seja para acompanhar doces e salgados, encerrar refeições ou garantir mais energia, o líquido escuro, de gosto marcante e aroma forte, é uma escolha democrática na hora de confraternizar ou relaxar. Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) em 2015 mostrou que cerca de 80% das casas consomem a bebida, tão querida que é celebrada com o Dia Internacional do Café, em 14 de abril. O caso de amor não é diferente no Recife.

Casas especializadas em diferentes métodos de filtragem ou coação do pó e em formas mais caseiras e saborosas de preparar a bebida ganham popularidade a olhos vistos em todas as zonas da cidade, assim como cursos de especialização. “As pessoas estão buscando uma maior qualidade”, afirma o barista Alan Cavalcanti, sócio da esposa Talita Marques no Malakoff Café Gourmet, no Prado.

O espaço abriga uma mistura de aconchego e aprendizado, envolto no constante aroma da fruta nascida do cafeeiro. O destaque fica por conta dos 11 diferentes métodos de café coado (a partir de R$ 7), feitos na frente do cliente e explicados passo a passo por Alan. “Aqui nós trabalhamos com o método tradicional, feito com coador de pano, o Hario V60, que é um filtro especial que deixa o café mais equilibrado, mais parecido com o que a gente faz em casa, o aeropress, que apresenta um café mais forte, entre outros”, explica.

A Malakoff Café Gourmet trabalha com cerca de onze tipos de métodos diferentes de preparo da bebida
A Malakoff Café Gourmet trabalha com cerca de onze tipos de métodos diferentes de preparo da bebida

Outro local que também trabalha apenas com cafés especiais, em ambiente inspirado na atmosfera de casa de vó é o Lalá Café e Loja Afetiva, onde animais de estimação são bem-vindos. Localizado no bairro do Espinheiro, o espaço é pequeno, mas a qualidade do atendimento e do preparo do café encantam. “Quase toda a nossa equipe é composta por baristas”, afirma Izabela Hinrichsen, uma das donas do espaço, batizado em homenagem à avó dela.

O destaque fica por conta dos blends, misturas do líquido com especiarias, como canela, cardamomo, noz-moscada e até anis (R$ 6, cada). As bebidas com leite também caem no gosto dos clientes, a exemplo dos Affogatos (R$ 10,90), Latte e Espumones (a partir de R$ 5,50, cada). O carro-chefe é o Cappuccino Lalá (R$ 10,50), café com leite vaporizado, coberto de creme de leite, creme de avelã e chantili da casa.

As técnicas são importantes, mas o segredo para o bom café está no grão. O tipo mais consumido é o Robusta, feito com sementes do tipo canephora, também chamados conilon. Esse é o que geralmente entra nas chaleiras e cafeteiras dos lares. A espécie Arábica oferece mais requinte e qualidade e está presente no Superior ou Premium (feito com mistura de grãos), Gourmet (100% Arábica) e Especial, considerado o topo na cadeira cafeicultora, com grãos arábica de tamanho e peso iguais e um padrão rigoroso na comercialização.

Expresso ou espresso? Palavra de origem italiana define um dos tipos mais pedidos de cafezinho
Expresso ou espresso? Palavra de origem italiana define um dos tipos mais pedidos de cafezinho

CURIOSIDADES
Expresso ou Espresso?
A dúvida é recorrente principalmente ao consultar os cardápios das cafeterias especializadas, que geralmente escrevem "espresso" para indicar o tipo de café. Isso porque a palavra vem do italiano e serve para identificar o método de preparo do café através da passagem de água quente. No Brasil o expresso, apesar do significado original da palavra, não tem nada a ver com rápido. O nome se dá por causa da máquina, que faz o café em um tempo mais curto que o tradicional. O detalhe é que ela espreme o café, por isso muitos baristas preferem manter a grafia do italiano.

SERVIÇO
Malakoff Café Gourmet
Onde: Rua Alfredo Perereira Borba, 60 - loja 1 - Prado
Horário: de segunda a sexta, das 12h às 21h e sábado, das 15h às 21h.
Informações: 3128-0113

Lalá Café e loja afetiva
Onde: Rua Barão de Itamaracá, 284, Galeria Chalé, Espinheiro
Horário: de terça a sexta, das 13h às 21h, sábado e domingo, das 15h às 20h.
Informações: 3426-6708

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas