cinema Detetive Pikachu estreia nos cinemas expandindo o universo Pokémon

Por: Adriana Izel - Correio Web

Publicado em: 07/05/2019 11:02 Atualizado em: 07/05/2019 10:29

Justice Smith interpreta o protagonista, o jovem Tim, em Detetive Pikachu. Foto: Warner Bros/Divulgação
Justice Smith interpreta o protagonista, o jovem Tim, em Detetive Pikachu. Foto: Warner Bros/Divulgação

Pokémon se tornou sucesso mundial desde o lançamento da série televisiva em 1997. A partir daí, a franquia sobre as criaturas se expandiu e ganhou jogos e filmes. Há três anos, voltou a mostrar força com o lançamento do game Pokémon GO, que levou os fãs dos "monstrinhos" à loucura - e às ruas em busca de pokémons. Neste ano, Pokémon retorna aos holofotes com o longa-metragem Detetive Pikachu. Dirigido por Rob Letterman e protagonizado por Justice Smith e Ryan Reynolds, a produção estreia, na quinta-feira (9), nos cinemas brasileiros e promete mostrar um novo universo para esses personagens.

O longa-metragem é inspirado no jogo de videogame de mesmo nome, que foi lançado em 2016 para o Nintendo 3DS. No game, o pokémon mais famoso da franquia, Pikachu, se torna um detetive e, ao melhor estilo Sherlock Holmes, resolve casos misteriosos. Apesar de o jogo não ser um dos mais populares da franquia, ele foi escolhido para dar início a um novo universo de Pokémon nas telonas, que não será focado no tradicional enredo de jovens que coletam pokémons para se tornarem treinadores.

No filme, a história gira em torno de Tim (Justice Smith), um jovem que une forças a Pikachu (com captação de movimento e dublagem do ator Ryan Reynolds) para desvendar o misterioso desaparecimento do pai dele. Ele vive em Ryme City, cidade em que pokémons e humanos convivem normalmente. "Acho que o estúdio está tentando mostrar um contraste entre essa cidade em que humanos e pokémons vivem em harmonia com o universo pokémon com treinadores, pokébolas, pokémons sendos treinados para batalhas. Nós definitivamente estamos mostrando outro entendimento do mundo pokémon, mostrando essas diferenças. A franquia Pokémon é muito boa em expandir seu universo. Esse é um novo lado desse mundo”, afirma Justice Smith.

De acordo com o protagonista, mesmo optando por uma história não tão conhecida do universo, Detetive Pikachu faz referência à franquia clássica. “Há alguns easter eggs da série original e também dos jogos, até porque Detetive Pikachu foi um jogo antes de virar um filme. Então está bem próximo do jogo, mas tem algumas diferenças também”, completa o ator.

Representatividade 
Detetive Pikachu é a primeira produção do universo com um protagonista negro, o que foi bastante comemorado pelo ator Justice Smith. “Sou uma pessoa a favor sempre da inclusão, de ter pessoas negras em papéis que elas não necessariamente seriam consideradas e também sou a favor de ter pessoas de cor em histórias que não são sobre raça. O coração da nossa história é humano e universal. É uma história sobre segundas chances, é sobre um filho procurando pelo pai, é sobre amizade, coisas que todos podem se relacionar. Então acho que quanto mais incluímos os grupos de minorias nessas histórias, mais nós normalizamos isso e não focamos nas diferenças, mas no jeito que somos similares. Ser protagonista desse filme, com todas essas coisas em mente, é um sonho realizado em muitos aspectos”, afirma.

Foto: Warner Bros/Divulgação
Foto: Warner Bros/Divulgação
Demonstrando que a tendência do live-action está em alta nos cinemas, Detetive Pikachu também se utiliza do formato. Para viver Tim, Justice Smith atuou bastante com CGI (termo em inglês para imagens geradas por computação gráfica), já que o personagem tem interações o tempo todo com Pikachu e ainda outros pokémons. Isso, inclusive, é apontado por Smith como o maior desafio na produção, mesmo ele tendo experiência com a tecnologia durante as gravações de Jurassic World: Reino ameaçado (2018). “É mais difícil do que correr e gritar aos dinossauros. Eu não estava realmente tendo uma conversa com os dinossauros (em Jurassic World), nem reagindo ao que eles estavam falando. Nesse aspecto, (Detetive Pikachu) foi mais desafiador. Foi desafiante, foi difícil. Mas eu vi o filme e parece que estamos no mesmo ambiente juntos”, garante o ator.

Apesar da versão em live-action, Justice Smith teve chance de estar, em alguns momentos, com Ryan Reynolds. Ele acompanhou captações de movimento e de fala do ator, além de ter tido uma semana de ensaio ao lado de Reynolds. “Nós ficamos uma semana juntos antes das gravações nos ensaios. Encontramos nossa dinâmica e improvisamos juntos”, lembra. Sobre a oportunidade de dividir a cena com o ator, Smith destacou o lado engraçado do colega que ficou marcado como o anti-herói Deadpool: “Ele é incrivelmente engraçado. Eu sabia que ele era engraçado só por ver os filmes dele, mas, pessoalmente, ele vem com as coisas de forma tão rápida, que é além. Ele é realmente um homem com dom”.

Três perguntas// Justice Smith

Você sentiu alguma pressão ao entrar para uma franquia tão famosa?
Senti um pouco, mas tentava viver um dia de cada vez, porque se eu ficasse pensando sobre o que isso significava para tanta gente, se eu pensasse, me estressaria. Então, tentava viver um dia de cada vez, isso me deixava bem e tirava a pressão.

Qual é o seu pokémon favorito?
Meu pokémon favorito é Totodile da segunda geração. Ele é de Pokémon gold, um dos primeiros jogos que tive. É uma das estrelas, então tem um espaço especial na minha vida.

Há alguma negociação sobre sequências de Detetive Pikachu?
Não que eu saiba, mas eu espero que sim. Não cabe a mim querer uma sequência. Mas eu espero, meus dedos estão cruzados por isso.

Assista ao trailer:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas