Sétima Arte Cinemateca Pernambucana completa um ano de atividades Espaço da Fundaj para preservação e difusão do audiovisual será expandida para atender o Nordeste

Publicado em: 26/03/2019 16:37 Atualizado em: 26/03/2019 16:47

Foto: Fundaj/Divulgação.
Foto: Fundaj/Divulgação.
A Cinemateca Pernambucana completa um ano de funcionamento e confirma sua importância no cenário do audiovisual do estado. Inaugurada em 25 de março de 2018, o espaço conta com a adesão de mais de 50 realizadores/produtores, um acervo de quase mil produtos audiovisuais, dentre os quais 255 já disponíveis para consulta online. Outros números comprovam a aceitação do novo equipamento cultural pelo público e cineastas: as atividades atraíram, em um ano, 3,3 mil pessoas, foram realizados 12 cursos/palestras, 12 Sessões Cinemateca, além de 36 visitas agendadas de instituições de ensino e pesquisa.

"Os resultados deste primeiro ano da cinemateca, na forma de acervo e demanda do público, são significativos. De tal maneira que já entendemos que podemos dar o segundo passo, torná-la regional. Dessa forma, a Fundação Joaquim Nabuco, pelo olhar do projeto da Cinemateca, incorpora seu compromisso com a cultura do Nordeste", comemora o presidente da Fundaj, Alfredo Bertini que investe num projeto de ampliação da atuação da cinemateca.

Foto: Fundaj/Divulgação.
Foto: Fundaj/Divulgação.
Instalada numa área de 400 metros quadrados, no primeiro andar do Edifício Gil Maranhão, em Casa Forte, Zona Norte do Recife, a Cinemateca Pernambucana reúne cerca de quatro mil itens, entre cartazes, figurinos, roteiros, rolos de filmes, mídias em diversos formatos, recortes de jornais, fotografias, livros, revistas e equipamentos, como câmeras, tripés e acessórios. No fim do ano passado, o local ampliou a acessibilidade e tornou o espaço físico adaptado para receber pessoas cegas, de baixa visão, surdas e ensurdecidas. Para tal, o local conta com piso podotátil e visitas guiadas com audiodescrição e libras, levando pessoas com deficiências sensoriais a desfrutar de todo o conteúdo disponível.

“Com essa ação, visamos difundir o nosso cinema para um maior número de pessoas, promovendo assim uma expansão na inclusão cultural na região”, diz a Coordenadora do Cinema da Fundação e da Cinemateca Pernambucana, Ana Farache. Ela ressalta que a cinemateca também dispõe, para consulta e exibições, filmes com as três modalidades de acessibilidade comunicacional – Audiodescrição (AD), Língua Brasileira de Sinais (Libras) para pessoas surdas; e Legenda para surdos e ensurdecidos (LSE), no acervo online. Além do elevador que dá acesso à cinemateca, a instalação do piso podotátil possibilita que pessoas cegas, com baixa visão e mobilidade reduzida se orientem e passeiem com independência por todo ambiente.

Criação
Foto: Fundaj/Divulgação.
Foto: Fundaj/Divulgação.
A Cinemateca Pernambucana, vinculada à Coordenação do Cinema da Fundação Joaquim Nabuco, foi criada como forma de fortalecer a cadeia produtiva do audiovisual no estado, visa formular projetos e iniciativas voltados para a preservação ampla do acervo pernambucano e sua ampla difusão. O espaço se constitui, também, como um centro avançado de estudos e pesquisas na área do cinema no estado, contribuindo para a formação de estudantes e professores.

O foco inicial é a preservação e difusão em matriz digital do acervo que está disponibilizado presencialmente ou via Internet, no portal da cinemateca. A coleta, guarda e a gestão do acervo são apenas parte desse desafio, já que a Cinemateca visa também assegurar o acesso facilitado aos conteúdos, ação fundamental para a preservação do cinema pernambucano.

Acordos contratualmente estabelecidos entre a cinemateca e detentores dos direitos autorais dos filmes, regem as condições de guarda e difusão das produções, caso a caso. Além de visitas guiadas/agendadas, cursos, palestras e encontros, mensalmente, a Cinemateca Pernambucana promove exibição de filmes nos Cinema da Fundação (salas Derby e Museu), com a presença dos realizadores e de pesquisadores, e com debate com o público. “A cinemateca é um espaço com acervo aberto ao público, que é constantemente a ressignificado no presente. É esse modelo que denominamos de ‘preservação ativa'”, concluiu a coordenadora Ana Farache. Todas as atividades promovidas pela cinemateca são gratuitas.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas