Teatro Gianecchini e Tozzi, peça Os Guardas de Taj reflete sobre obediência

Publicado em: 23/03/2019 12:54 Atualizado em: 23/03/2019 16:45

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Para onde vamos? Qual será nosso futuro? Essas podem ser consideradas as maiores dúvidas da humanidade nos tempos de hoje. É também o questionamento central do texto Os guardas do Taj, do dramaturgo norte-americano Rajiv Joseph. A história está sendo contada no espetáculo homônimo, com direção de Rafael Primot e João Fonseca, que chega ao Recife neste fim de semana, no Teatro RioMar, no Pina. No sábado, às 21h, e domingo, às 19h, os atores Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi darão vida aos personagens Humayun e Babur, respectivamente. 
 
Os ingressos para as sessões custam de R$ 50 a R$ 140. “O texto é muito contundente. A composição foi fácil, porque ele já divide muito bem os personagens. O do Giane é completamente racional, e o meu é emocional. Por isso, a construção foi mais focada em encontrar mesmo uma forma de fazer esses dois guardas resistirem diante de um contexto antigo, e ao mesmo tempo em que se comunicam de uma forma contemporânea com o público. A gente trouxe para a peça a nossa realidade e o jeito de falar”, diz Ricardo Tozzi, sobre a história, que é contada no ano de 1648 e começa com os dois guardas, interpretados pelos atores, em pé e de costas para o ainda não revelado Taj Mahal. 

Amigos desde a infância, os guardas são proibidos de olhar para o prédio e acabam se confrontando diante das regras estabelecidas e da maneira que cada um enxerga a sociedade e suas vidas. A narrativa da peça levanta questões pertinentes sobre o ser humano, o preço pago ao longo da história para fazer vontades do poder, mesmo quando resultam em maravilhas arquitetônicas. “Eu tenho uma identificação muito grande com esse texto, porque eu o acho um pouco autorreflexivo, com questões que eu levo muito a sério na minha vida, como ‘o que realmente importa? O que faz sentido na vida? Como você faz as suas escolhas? Faz por você, pela sua família, pelo governo ou pela empresa da qual faz parte?’”, indaga Tozzi. 

Conhecido por papéis em novelas da Globo, Tozzi acredita que o teatro proporciona uma troca de energia importante ao ator. “Fazer teatro é mais desafiador do que fazer televisão, porque não tem filtro, não tem edição, não tem o ‘faz de novo’. A alma do artista está ali, na frente do seu público, totalmente desnuda e sem nenhum subterfúgio que possa enriquecer ou mudar esse trabalho. Você sente a reação do público na hora. A cada vez que abre a cortina do teatro é um novo espetáculo,uma nova conexão do espetáculo com a plateia.” 

Serviço
Espetáculo Os Guardas do Taj Quando: sábado, às 21h, e domingo, às 19h 
Onde: Teatro RioMar (Av. República do Líbano, 251, 4º piso do RioMar Shopping) Ingressos: 
Plateia Baixa: R$ 140 (inteira) e R$ 70 (meia); 
Plateia Alta: R$ 120 / R$ 60; Balcão Nobre: R$ 100 / R$ 50 
Vendas oficiais: bilheteria do Teatro RioMar e site www.uhuu.com Os guardas de Taj, do dramaturgo norte-americano Rajiv Joseph, está em cartaz neste fim de semana no Teatro RioMar



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas