Música Dadá Boladão no Guaiamum Treloso mostra como festivais alternativos estão aderindo ao brega-funk A 25ª edição do evento, que também contará com a carioca MC Carol, segue uma onda de adesão iniciada por MC Tocha no Rec-Beat e MC Tróia no Coquetel Molotov

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/02/2019 12:43 Atualizado em: 09/02/2019 12:48

Dadá é dono de hits como De Ladin, Revoltada e Menina da Quadrilha. Foto: KondZilla/Divulgação
Dadá é dono de hits como De Ladin, Revoltada e Menina da Quadrilha. Foto: KondZilla/Divulgação

Hoje composto por três palcos e mais de 20 atrações, o festival Guaiamum Treloso começou como uma troça carnavalesca de amigos que circulava pelas ruas do Poço da Panela entre 1994 e 2000. Esse evento foi ganhando um tom de festival em 2001, com um palco montado ao ar livre no mesmo bairro, às margens do Rio Capibaribe. Naturalmente, esse espaço geográfico historicamente habitado pela elite e o perfil socioeconômico do público refletiram nas atrações, mais ligadas ao crivo musical da MPB ou de manifestações populares chanceladas pelo estado como “identidade cultural de Pernambuco”. Apenas em 2016 o festival se deslocou para Aldeia, ganhando o termo “Rural”.

Ao longo dos anos, a popularização da cultura digital conseguiu espraiar alguns gêneros periféricos contemporâneos para novos ambientes e localizações. Foi assim com o brega-funk recifense. Em 2018, MC Tocha foi a primeira atração de brega-funk do Rec-Beat, o “polo alternativo” do carnaval do Recife. No mesmo ano, MC Troia também conseguiu essa proeza no Festival No Ar Coquetel Molotov, um dos mais renomados do estado. Agora, a 25ª edição do Guaiamum segue a onda com Dadá Boladão e MC Carol, do funk carioca. O evento acontece neste sábado (9), a partir das 14h, na Fazenda Bem-Te-Vi (Estrada de Aldeia, km 13, Camaragibe). 

Dadá e Carol integram a programação junto com outros nomes que dialogam com a linha curatorial histórica do evento: Cordel do Fogo Encantado, Ave Sangria e Kalouv. “A nossa presença em um evento como esse é muito gratificante para o movimento brega, que está crescendo a cada dia”, diz Dadá Boladão, em entrevista ao Viver. “Eu já conhecia o festival há alguns anos. Nesta edição, gosto de nomes como Baco e BK”, diz ele, citando os rappers que também são de um gênero originalmente periférico - mas que, no Recife, conta uma adesão considerável da classe média.



Atualmente com 25 anos, Alef Pereira (nome de batismo) começou a carreira aos 18. No início, integrava a dupla Tocha e Dadá, encerrando parceria por divergências profissionais. Centrou fogo na carreira solo e despontou o sucesso Revoltada, regravada em um dueto de Solange Almeida e Ivete Sangalo. “Foi um momento muito importante para minha carreira. Consegui ver minha música no Domingão do Faustão, mesmo que não fosse apresentada por mim”. Essa visibilidade proporcionada pelo dueto rendeu um contrato com a Sony Music.

Para o MC, a chegada do brega-funk em festivais de grande porte também passa por uma profissionalização do próprio gênero. “A cena mudou muito de 2010, início do brega-funk, para cá. A cada ano, o movimento está se tornando mais profissional nas gravações de músicas, clipes e shows. Com isso, conseguimos romper barreiras. Hoje vemos artistas nacionais cantando, fazendo as coreografias”, avalia o MC, que faz cerca de 20 shows por mês, revezando o Recife com outras capitais do Nordeste. No Treloso, ele vai apresentar músicas autorais, de outros expoentes do gênero e até mesmo algumas no violão, na linha de seu próximo DVD,
com previsão de lançamento ainda neste mês.

"Foram os próprios MCs que conseguiram o espaço, com muito trabalho”, diz o produtor Felipe Cabral, que está à frente do festival há 25 anos. "É uma música genuinamente recifense. Automaticamente, nós, produtores, começamos a ver o que está acontecendo de bacana na cidade, dentro do nosso estado, e assim vamos nos renovando. Também estamos trazendo a periferia de fora com a MC Carol, que representa o funk carioca, sendo uma mulher feminista e negra que a juventude adora.”

INÍCIO DIFÍCIL
MC Carol, de Niterói, começou a carreirano funk no início dos anos 2010, durante a tendência das “mulheres frutas”, conhecidas pelo apelo sexual e corpos consagrados por padrões estéticos. “Foi um pouco complicado, porque sou gorda. Jogavam latinha de cerveja quando eu estava no palco, mas sempre pensei o seguinte: essas mesmas pessoas estão pagando para me ver. Estou ‘aqui em cima’ ganhando dinheiro pelo que faço”, conta. Seus primeiros sucessos foram Bateu uma onda forte e Liga pra SAMU, mas ela só ganhou fama nacional após participar do reality Lucky adies, na HBO.

Ao longo do tempo, suas produções foram ganhando um tom mais político, a começar por Não foi Cabral, que propõe uma reconstrução da história do país. Depois, vieram 100% feminista e Delação premiada. Ela chegou a ser candidata a deputada estadual no Rio pelo PCdoB, com incentivo de Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2011 “Ela motivava várias pessoas de uma forma muito forte. Me fez acreditar que eu podia habitar um espaço que é machista, racista e homofóbico. Nessa mesma época, começaram a circular fotos minhas durante uma partida de paintball, mas me enquadrando como traficante e criminosa. Com essa ‘nova era’ de fake news eWhatsApp, eu não quero contato com política nunca mais”, finaliza.

GRADE DE SHOWS

PALCO NANÁ
14h40 Kalouv
15h50:My Magical Glowing Lens
17h10 Ana Frango Elétrico e
Duda Beat
19h Ave Sangria
21h10 BK’
23h Cordel do Fogo Encantado

PALCO DEVASSA
15h10 Escurinho
16h30 Marrakesh
17h50 Jaloo e MC Tha
20h10 Carne Doce
22h20 Dada Boladão
0h25 Baco Exu do Blues
1h25 MC Carol

PALCO PITÚ
14h30 Fontes
15h50 Sereia Problema
17h10 Vieira
18h50 Phalanx Formation
21h Luisa e os Alquimistas
22h50 Torre
2h After Party Cortejo

SERVIÇO
Guaiamum Treloso Rural 2019
Quando: sábado (9), a partir das 14h
Onde: Fazenda Bem-Te-Vi (Estrada de Aldeia, km 13, Camaragibe)
Quanto: R$ 140 (inteira), R$ 90 (ingresso verde) e 70, à venda no Sympla
Expresso Treloso: R$ 20 (traslado de ida e volta com pontos nos shoppings Plaza, Recife e Tacaruna)


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas