música Conheça artistas do pop que foram do sucesso a discos menos rentáveis Nomes como Justin Timberlake, Nicki Minaji e Christina Aguilera estão longe do auge das carreiras deles

Por: Ronayre Nunes - Estado de Minas

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 27/12/2018 07:28 Atualizado em:

Christina Aguilera levou seis anos preparando 'Liberation'. Foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP
Christina Aguilera levou seis anos preparando 'Liberation'. Foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP
Distintos fatos marcaram o ano de 2004. O YouTube ganhava vida e a queniana Wangari Maathai conquistava o prêmio Nobel da Paz pela luta na manutenção dos direitos humanos no país africano. O cenário musical internacional vivia o auge de grandes nomes, que, aparentemente, seguiriam firmes e fortes “para sempre”.

Um desses nomes era Christina Aguilera, que rodava o mundo com a turnê do álbum Stripped e colhia os frutos de um dos trabalhos de maior sucesso da carreira. O álbum chegou ao 2º lugar na Billboard 200 e teve cinco faixas (Dirrty, Beatitul, Fighter, Can't hold us down e The voice within) no top 10 da Billboard 100.

O sucesso de Christina parecia imbatível. Entretanto, em 2018, com o lançamento de Liberation – que levou seis anos para ser apresentado ao público depois do último trabalho –, ficou claro que os louros que a diva pop tinha colhido no passado poderiam não se repetir. O álbum estreou em 6º lugar na Billboard 200, e despencou nas semanas seguintes. Em menos de três meses da estreia, o trabalho não figurava mais na lista dos 200 álbuns mais tocados no mundo.

Mas Christina não está sozinha nesta situação. Outros importantes nomes que antes pareciam donos do sucesso não conseguiram “retornar” ao topo em 2018. Justin Timberlake, Nicki Minaj, Jessie J e Iggy Azalea são outros exemplos de artistas que passaram um longo tempo longe dos estúdios e não conseguiram recuperar o prestígio com os trabalhos deste ano. É importante lembrar que esses artistas não “falharam”, mas simplesmente não alçaram um resultado que outrora lhes era bem fácil.

Liberation – Christina Aguilera
Com o álbum Lotus, de 2012, Christina começou a mostrar os primeiros sinais de cansaço. A melhor posição que o trabalho tinha conseguido na Billboard 200 foi o 7º lugar, mas pelo menos o single Your body conseguiu se destacar, alcançando a 34ª posição na Billboard 100. Em 2018, Liberation deixou claro que Christina precisar afinar o tom na popularidade, caso queira vender como antes. Nenhuma das 15 faixas entrou na Billboard 100. Para não dizer que o álbum não teve repercussão, é importante lembrar que o trabalho recebeu duas indicações ao Grammy 2019.

Man of the woods – Justin Timberlake
A aposta estava alta. Justin foi a grande atração do show do Super Bowl de 2018 e estava lançando vários clipes para divulgar as 16 faixas de Man of the woods. Mas isso não foi o suficiente para fazer do 5º álbum solo um trabalho inesquecível. É verdade que Man of the woods não teve um número de vendas baixo — com 403 mil vendas físicas, o compilado ficou em 10º lugar na lista dos álbuns mais vendidos de 2018. O que chama atenção, entretanto, é o quanto Man of the woods não superou outros sucessos de Justin. Em quase 12 meses, o trabalho de 2018 ainda não bateu o que The 20/20 experience 2 of 2 (de 2013) vendeu em dois meses.

R.O.S.E. – Jessie J
Quando Jessie J estourou no mundo da música em 2011, a cantora britânica parecia insuperável. O hit Price tag, em parceria com o rapper BoB, deu um impulso ao primeiro álbum de estúdio dela, Who you are, levando-a ao top 5 da Billboard 200 no mesmo ano. Quatro anos após Sweet talker, Jessie J apresentou o álbum R.O.S.E.. A promessa de grande retorno parece ter ficado no papel. A britânica apostou um conceito bem singular para apresentar o novo trabalho, lançando a coletânea dividida em quatro partes. O resultado foi que nenhuma das quatro “versões” entrou na Billboard 200.

Survive the Summer – Iggy Azalea
Seria injusto dizer que Iggy Azalea é a única responsável pelas dificuldades que Survive the summer atravessou. Na verdade, a rapper australiana parece ter sido uma vítima de uma grande confusão. Iggy supostamente já tinha gravado grande parte de um álbum que estreiaria em 2018, inclusive com um single apresentado (Team), mas algo deu errado. A rapper teve problemas com a então gravadora. Entre troca de selos acabou descartando Digital Distortion. Mesmo assim, Iggy conseguiu lançar Survive the summer neste ano. Entretanto, a estreia do trabalho com seis faixas só conseguiu o 144° lugar na Billboard 200, e o single Kream quase não entra na Billboard 100, alcançando apenas a 96ª posição.

Queen – Nicki Minaj
Queen ficou longe de ser um fracasso, pelo contrário, o álbum conseguiu um disputado 2° lugar na Billboard 200 na semana de estreia. O grande problema, é que, assim como Man of the woods, de Timberlake, a expectativa para a produção era muito maior. Ao longo dos anos Nicki apresentou grande poder na difícil tarefa de fazer hits. Com o álbum Pink friday, de 2010, a cantora conseguiu emplacar oito faixas no top 10 na Billboard 100, e o próprio álbum bateu o 1° lugar na Billboard 200. Queen, entretanto, não conseguiu o trono, e só teve um único single no top 10, Chun-li. Atualmente, o trabalho amarga a 59ª colocação no chart da Billboard 200, com apenas 18 semanas de análise.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas